http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/21-seminario-de-mecanizacao-e-producao-de-cana-de-acucar.html
http://www.rossam.com.br/index.html
http://crisrodas.com.br/encontro
http:// http://bit.ly/2C9S3Bp

AgRural reduz em mais de 4 milhões de toneladas a safra de soja do Brasil

Voltar

Agronegócio

12/02/2019
  Compartilhe:

A AgRural voltou a fazer corte em sua estimativa para a produção brasileira de soja. Em novo levantamento divulgado nesta segunda-feira, a consultoria projetou a safra em 112,5 milhões de toneladas, 4,4 milhões de toneladas a menos que as 116,9 milhões de toneladas previstas em janeiro. No início do ano, a empresa já havia reduzido a sua projeção em 4,5 milhões de toneladas.
A redução é atribuída às condições climáticas desfavoráveis. "A irregularidade das chuvas e o calor de dezembro afetaram as lavouras precoces de alguns estados, com destaque para Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso", diz a nota.
Se o número atual for confirmado, será a menor safra de soja dos últimos três anos, segundo a AgRural. Em março, a empresa divulgará novo levantamento.
Apesar dos números desfavoráveis, e dos cortes na produção, houve um avanço na colheita brasileira de sete pontos percentuais em uma semana. Segundo a consultoria, o tempo quente e seco, que estende-se desde o fim de 2018, tem acelerado os trabalhos de colheita nos mesmos Estados prejudicados pelo clima. Os produtores têm aproveitado o encurtamento do ciclo das lavouras e até o momento já colheram a soja em 26% da área ocupada pela cultura. Há um ano, o porcentual era de 10%, além dos 12% da média dos últimos cinco anos.

Fonte: Globo Rural

AgRural reduz em mais de 4 milhões de toneladas a safra de soja do Brasil

12/02/2019

A AgRural voltou a fazer corte em sua estimativa para a produção brasileira de soja. Em novo levantamento divulgado nesta segunda-feira, a consultoria projetou a safra em 112,5 milhões de toneladas, 4,4 milhões de toneladas a menos que as 116,9 milhões de toneladas previstas em janeiro. No início do ano, a empresa já havia reduzido a sua projeção em 4,5 milhões de toneladas.
A redução é atribuída às condições climáticas desfavoráveis. "A irregularidade das chuvas e o calor de dezembro afetaram as lavouras precoces de alguns estados, com destaque para Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso", diz a nota.
Se o número atual for confirmado, será a menor safra de soja dos últimos três anos, segundo a AgRural. Em março, a empresa divulgará novo levantamento.
Apesar dos números desfavoráveis, e dos cortes na produção, houve um avanço na colheita brasileira de sete pontos percentuais em uma semana. Segundo a consultoria, o tempo quente e seco, que estende-se desde o fim de 2018, tem acelerado os trabalhos de colheita nos mesmos Estados prejudicados pelo clima. Os produtores têm aproveitado o encurtamento do ciclo das lavouras e até o momento já colheram a soja em 26% da área ocupada pela cultura. Há um ano, o porcentual era de 10%, além dos 12% da média dos últimos cinco anos.