atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

10º INSECTSHOW: pesquisadores alertam para os riscos de perdas com nova e agressiva praga da cana de açúcar.

25/07/2014 Cana-de-Açúcar POR: Grupo IDEA
A casa cheia é um reflexo da preocupação do setor sucroenergético com as pragas que assolam os canaviais e as perdas de produtividade que elas ocasionam.
 
A 10ª edição do evento INSECTSHOW – Seminário sobre Controle de Pragas da Cana, aconteceu esta semana, nos dias 23 e 24 de julho, no Centro de Convenções de Ribeirão.
Nesta edição, as maiores preocupações dos pesquisadores e produtores se voltaram para o Sphenophorus, levis uma nova e resistente praga que cresceu assustadoramente depois que a cana passou a ser colhida sem a queima prévia. Esta praga disseminou-se para praticamente todas as regiões produtoras do Centro Sul do Brasil em menos de 6 anos, desde a constatação da primeira grande infestação na região de Piracicaba. A falta de cuidados com as mudas e a movimentação das máquinas na colheita, disseminou esta praga com extrema rapidez. Na sua fase larval, a praga aloja-se na base dos colmos impedindo seu desenvolvimento emultiplica-se com extrema facilidade, colocando centenas de ovos na região das raízes. Estes ovos eclodem durante todo o ano. Em menos de um ano atingem onível de dano, necessitando, segundo a pesquisadora do IAC a Dra Leila Miranda, do uso de inseticidas nas soqueiras, cujo controle raramente atinge 70%. Por outro lado, se o produtor não tomar providencias de imediato para controlar a praga,o canavial se acaba já no ano seguinte.
 
Os danos causados por esta praga podem chegar a 80%, sendo que nas grandes infestações abreviam a vida útil dos canaviais. Já é enorme a quantidade de canaviais que são reformados no segundo ou terceiro cortes, causando enorme prejuízo aos produtores.
 
Segundo o pesquisador e consultor Dr. Newton Macedo, o controle desta praga vai exigir muita atenção e maiores investimentos desde o preparo do solo. “Novos produtos e dosagens mais elevadas dos inseticidas tradicionais, bem como, novos métodos de controle foram apresentados neste evento e os resultados são animadores porém custosos. Se nada for feito, simplesmente perderemos nossos canaviais”, complementa o pesquisador. A praga é muito agressiva e nem mudanças climáticas e nem inimigos naturais conseguem detê-la. O setor tem agora um enorme desafio pela frente.
 
Excelentes trabalhos sobre o controle da broca da cana e cigarrinhas das raízes foram apresentados pelos palestrantes e profissionais das multinacionais do agronegócio.
“Não fosse pela ajuda das multinacionais, que desenvolvem produtos específicos para o controle das novas pragas, o setor estaria em situação muito  mais difícil”, afirmou o presidente do Grupo IDEA, o Eng. Agr. Dib Nunes Jr., que agradeceu a presença dos 653 participantes que vieram de 14 estados  brasileiros,  representando 158 empresas sucroenergéticas, além dos inúmeros produtores independentes e outros profissionais do setor.
 
O INSECTSHOW chega na sua décima edição com uma extraordinária marca de mais de  5 mil participantes registrados em todas as edições. Este evento organizado pelo grupo IDEA se tornou  referência para o controle de pragas na cultura da cana de açúcar no país. O setor, apesar dos problemas com  pragas e preços do etanol, tem estrutura forte e está pronto para voltar a crescer e superar suas dificuldades com os primeiros sinais de melhoria do mercado.
A casa cheia é um reflexo da preocupação do setor sucroenergético com as pragas que assolam os canaviais e as perdas de produtividade que elas ocasionam.
 
A 10ª edição do evento INSECTSHOW – Seminário sobre Controle de Pragas da Cana, aconteceu esta semana, nos dias 23 e 24 de julho, no Centro de Convenções de Ribeirão.
Nesta edição, as maiores preocupações dos pesquisadores e produtores se voltaram para o Sphenophorus, levis uma nova e resistente praga que cresceu assustadoramente depois que a cana passou a ser colhida sem a queima prévia. Esta praga disseminou-se para praticamente todas as regiões produtoras do Centro Sul do Brasil em menos de 6 anos, desde a constatação da primeira grande infestação na região de Piracicaba. A falta de cuidados com as mudas e a movimentação das máquinas na colheita, disseminou esta praga com extrema rapidez. Na sua fase larval, a praga aloja-se na base dos colmos impedindo seu desenvolvimento emultiplica-se com extrema facilidade, colocando centenas de ovos na região das raízes. Estes ovos eclodem durante todo o ano. Em menos de um ano atingem onível de dano, necessitando, segundo a pesquisadora do IAC a Dra Leila Miranda, do uso de inseticidas nas soqueiras, cujo controle raramente atinge 70%. Por outro lado, se o produtor não tomar providencias de imediato para controlar a praga,o canavial se acaba já no ano seguinte.
 
Os danos causados por esta praga podem chegar a 80%, sendo que nas grandes infestações abreviam a vida útil dos canaviais. Já é enorme a quantidade de canaviais que são reformados no segundo ou terceiro cortes, causando enorme prejuízo aos produtores.
 
Segundo o pesquisador e consultor Dr. Newton Macedo, o controle desta praga vai exigir muita atenção e maiores investimentos desde o preparo do solo. “Novos produtos e dosagens mais elevadas dos inseticidas tradicionais, bem como, novos métodos de controle foram apresentados neste evento e os resultados são animadores porém custosos. Se nada for feito, simplesmente perderemos nossos canaviais”, complementa o pesquisador. A praga é muito agressiva e nem mudanças climáticas e nem inimigos naturais conseguem detê-la. O setor tem agora um enorme desafio pela frente.
 
Excelentes trabalhos sobre o controle da broca da cana e cigarrinhas das raízes foram apresentados pelos palestrantes e profissionais das multinacionais do agronegócio.
“Não fosse pela ajuda das multinacionais, que desenvolvem produtos específicos para o controle das novas pragas, o setor estaria em situação muito  mais difícil”, afirmou o presidente do Grupo IDEA, o Eng. Agr. Dib Nunes Jr., que agradeceu a presença dos 653 participantes que vieram de 14 estados  brasileiros,  representando 158 empresas sucroenergéticas, além dos inúmeros produtores independentes e outros profissionais do setor.
 
O INSECTSHOW chega na sua décima edição com uma extraordinária marca de mais de  5 mil participantes registrados em todas as edições. Este evento organizado pelo grupo IDEA se tornou  referência para o controle de pragas na cultura da cana de açúcar no país. O setor, apesar dos problemas com  pragas e preços do etanol, tem estrutura forte e está pronto para voltar a crescer e superar suas dificuldades com os primeiros sinais de melhoria do mercado.