atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

“A missão é garantir um futuro seguro e rentável para os produtores”

21/10/2015 Cana-de-Açúcar POR: Igor Savenhago – Revista Canavieiros – Edição 111
Após 28 anos atuando em diversas empresas país afora, ele foi convidado a voltar à terra natal. Celso Albano está de novo em Ribeirão Preto-SP para um dos maiores desafios da carreira. O engenheiro agrônomo formado em 1987 pela Universidade de Espírito Santo do Pinhal-SP, mestre em Agronomia pela UNESP de Jaboticabal-SP, com MBA em Controladoria e Finanças pela Fundace/USP Ribeirão e duas pós-graduações, em Administração Rural e Gestão Agroindustrial Sucroalcooleira, em universidades de Minas Gerais e Goiás, foi contratado para conduzir, como gestor executivo, o processo de reestruturação de uma das maiores entidades de produtores rurais do país: a ORPLANA (Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil), que congrega 33 associações.
Com passagens pelo Banco Banespa, Sebrae/SP, Case IH, Agrosite Brasil, Raízen, Odebrecht Agroindustrial, além de ter fundado a TerraLucro Consultoria e dado aulas no Ensino Superior, Albano assume com o desafio de implantar, diante das mudanças por que passa o setor sucroenergético, um ambicioso projeto que prevê uma transformação na ORPLANA, a ser completamente executado nos próximos dez anos. Entre as metas estão uma gestão profissionalizada e participativa, com olhar voltado para dentro, focando as associações-membros e seus associados, e o aprimoramento da interlocução política, firmando a organização como a principal porta-voz dos produtores de cana brasileiros. Nessa entrevista, ele conta à Canavieiros os detalhes dessa nova fase
Revista Canavieiros: 2015 marca o início de uma nova fase na ORPLANA. Quais os principais pontos dessa mudança?
Celso Albano: Primeiramente, é a implantação do Projeto e Planejamento Estratégico da ORPLANA, com uma visão transformadora para os próximos dez anos, ou seja, a sua própria reestruturação na gestão, competitividade, representatividade, interação com suas associações-membros, seus produtores associados, indústria compradora, agentes públicos e privados. 
Para isso, a ORPLANA contratou a Markestrat (Consultoria), tendo como principal sócio e fundador o professor da USP de Ribeirão Preto Marcos Fava Neves, visando definir um padrão de transformação para a organização, descrevendo suas direções estratégicas, que deverão ser seguidas para contornar os eventos negativos e utilizar os positivos de forma a crescer e prosperar. 
Após a elaboração de um diagnóstico situacional, através do evento Caminhos da Cana, que percorreu 21 municípios representativos dentro da área de ação da ORPLANA, envolvendo os estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo e entrevistando 548 produtores de cana, foram feitos dois workshops com os presidentes de cada associação-membro para elaboração de um documento norteador para a implantação das mudanças. 
Os principais pontos dessa nova fase foram divididos em seis premissas: aprimorar governança e estrutura, ampliar a comunicação interna e externa, prover educação técnica e gerencial, agregar serviços de valor, gerar informações de valor e estabelecer relacionamento e negociação equilibrados na cadeia. A partir dessas premissas, foram elaborados 19 projetos que serão implantados em conjunto e com o suporte das associações-membros, ao longo dos anos, de maneira a construir uma nova visão do associativismo no setor sucroenergético. 
Eles se resumem em ações que visam aumentar a força e a representatividade da ORPLANA, melhorar a cultura associativista do produtor rural, aproximar entidades representativas do setor para ações conjuntas, promover marketing institucional para o setor, aumentar a integração entre a ORPLANA e as associações-membros, profissionalizar a gestão da ORPLANA e de suas associações, intensificar ações de comunicação com produtores, buscar relacionamento melhor e mais vantajoso entre usinas e produtores, fortalecer o poder da ORPLANA no sistema Consecana-SP, auxiliar na reestruturação do Consecana-SP, incentivar a inserção de jovens no setor sucroenergético e aproximar-se de órgãos de pesquisa.
Revista Canavieiros: Com isso, que imagem a ORPLANA espera ter daqui a dez anos?
Celso Albano: Ser reconhecida como a principal porta-voz dos produtores de cana de todo o Brasil, convergindo as necessidades advindas de todas as suas associadas e trazendo mais associações para o Sistema Integrado ORPLANA. A missão é garantir um futuro seguro e rentável para os produtores, buscando excelência na produção agrícola e na coordenação da cadeia sucroenergética, através do relacionamento inter-organizacional, pelo desenvolvimento de conhecimento das pessoas e de um relacionamento político/público mais bem posicionado. 
Revista Canavieiros: A ORPLANA é composta por 33 associações. Como funciona hoje a integração entre essas associações e de que forma uma maior aproximação entre elas pode ser feita? 
Celso Albano: Atualmente, a integração da ORPLANA com suas associações-membros é feita através de reuniões setoriais, grupos de trabalho, reuniões do Conselho Deliberativo, que é composto pelos presidentes das associações-membros, e atuação no CONSECANA, na Canatec e eventos ao longo do ano. 
Mas via-se a necessidade de que esta aproximação se intensificasse e se fortalecesse. No projeto da ORPLANA, várias ações preconizam uma maior integração e aproximação das associações, enxergando seus problemas regionais, pontuais e suas principais fragilidades em relação à condução de suas atividades e o foco direto no suporte e apoio aos seus associados. 
Atitudes como a busca por uma padronização da metodologia de apuração do custo de produção agrícola, enxergando as variações significativas e reais de região para região e de produtor para produtor. 
Iniciamos em abril (deste ano) uma verdadeira peregrinação junto às empresas que estudam, pesquisam e apuram custos de produção agrícola e associações que já praticam a sua mensuração, visando criar uma metodologia única e representativa em toda a área de abrangência da ORPLANA. Uma das ações é a convergência de trabalhos que são atualmente feitos pelas associações, buscando uma melhor performance de gestão, redução de custos e criação de uma rede corporativa de profissionais e competências, buscados dentro de suas próprias associações, além do estabelecimento de planos de ações executivas pautados na ação e decisão imediata e cobrados mensalmente junto aos presidentes e gestores das associações e da ORPLANA. 
Outras medidas são:
1) Comunicação rápida e abrangente, permitindo a troca de experiências e aprendizado constante com os próprios e inúmeros talentos internos que a ORPLANA e as suas associações possuem. As competências estão aí, em todas elas. O que falta é a integração coordenada e coesa.
2) Prover parcerias com instituições de referência e idoneidade, promovendo capacitação integrada dos profissionais das associações, não só técnico-agronômicos, mas também administrativos, assistenciais, laboratoriais, jurídicos, ambientais, de relacionamento e de serviços.
3) Implantar uma Plataforma de Comunicação, convergindo os sites das associações, ORPLANA, UNICA, Sistema ATR e CONSECANA dentro da Plataforma ORPLANA. 
4) Visitar rotineiramente as 33 associações, intensificando e se baseando nas ações originárias do “Caminhos da Cana” 2014, criando diagnósticos e buscando soluções imediatas.
5) Participar ativamente, junto com o professor Marcos Fava Neves, do “Caminhos da Cana” 2015 e em outros anos. E, claro, formar uma equipe reforçada de profissionais, com delegação responsável e descentralização dos processos, permitindo ações múltiplas, em estrutura de pessoas enxuta. Deste agosto último, inclusive, o professor Marcos Fava Neves participa do Conselho Deliberativo da ORPLANA, como conselheiro estratégico.
Revista Canavieiros: A sua chegada na ORPLANA é uma das medidas que integram essa fase de reestruturação. Como irá atuar? Qual será o seu papel na organização?
Celso Albano: Era necessária a contratação de um profissional que iniciasse o processo de mudança da ORPLANA, o que faz parte da primeira premissa, que se intitula Reestruturação e Governança. Nossa atuação será um desafio entre conciliar o Plano Diretor e implantação do Plano Estratégico ORPLANA, ou seja, conciliar gestão e estratégia, em alinhamento constante com os assuntos pertinentes ao Conselho Deliberativo, acompanhar intensamente os assuntos relacionados ao CONSECANA e monitorar os projetos em andamento, visando garantir a plena consolidação destas ações em todas as áreas. Resumindo, nosso papel é escutar, escutar e escutar, diagnosticar e buscar soluções, rápidas e pertinentes, juntamente com o suporte constante dos profissionais da ORPLANA, os presidentes, gestores e profissionais das associações, e fortalecer as alianças com instituições e empresas parceiras, além de buscar novas parcerias.  
Revista Canavieiros: Que avanços a mudança da sede para Ribeirão Preto irá promover?
Celso Albano: Isso foi fruto da discussão dos presidentes das associações que compõem o Conselho Deliberativo da ORPLANA. Aspectos apontados como relevantes foram logística, estrutura operacional da cidade, dinâmica do setor, quebra de paradigmas, possibilidade de integrar as associações mais distantes, de forma que participem mais das reuniões e grupos de trabalho, além do custo fixo da estrutura, que se reduzirá gradativamente para 50% em relação aos custos anteriores. Optamos por uma estrutura de menor mobilização, em um edifício empresarial, que traz a eficiência como um de seus principais diferenciais, aliada à conveniência do Shopping Center anexo, permitindo maiores facilidades de alimentação, reuniões rápidas, suprimentos e outros benefícios relevantes. 
Revista Canavieiros: Como a ORPLANA, nesse início de reestruturação, pode contribuir para o processo de retomada de investimentos no setor sucroenergético?
Celso Albano: Pelo fortalecimento do associativismo, da representatividade e pela atuação das associações junto aos seus produtores, provendo-os de informação, capacitação, integração, experiências e aprendizados compartilhados, tornando-os, com isso, mais bem posicionados e representados em suas reivindicações, cada vez mais embasadas em estudos realistas com instituições parceiras reconhecidas e de referência, tanto no setor produtivo como no industrial. E lutar pelo reconhecimento das externalidades positivas do etanol e do papel da cadeia da cana-de-açúcar no abastecimento de combustíveis leves no Brasil, atraindo investimentos através da confiança na matriz energética do setor.
Revista Canavieiros: Como a organização pretende se posicionar frente a outros elos da cadeia produtiva, como as usinas, principalmente nesse período que a indústria passa por uma concentração, com forte presença do capital internacional?
Celso Albano: Primeiramente, através da demonstração de que o produtor de cana independente é um grande aliado na desoneração dos custos das usinas. Precisamos estabelecer um relacionamento centralizado pelas associações, evitando negociações paralelas, individualistas. Trabalhar intensamente uma melhor gestão do relacionamento racional e equilibrado na cadeia. Qualificar as empresas compradoras de matéria-prima no quesito transparência, relacionamento, pagamento justo e planejamento agrícola elaborado em conjunto e com informações compartilhadas. Devemos acompanhar os exemplos de gestão transparente de pequenos, médios e grandes grupos, buscando a negociação de maneira adequada para ambas as partes.
Revista Canavieiros: O que a ORPLANA pensa especialmente dos pequenos produtores, diante dessa concentração? Como impedir que percam espaço ou desapareçam?
Celso Albano: Neste novo cenário, o associativismo é imperativo e condicionante na sobrevivência e efetividade dos pequenos produtores. Vamos organizar eventos informadores e formadores, buscando alternativas de diversificação de negócios integrados, complementares e suplementares. Serão muitos eventos voltados para o fornecedor, através de parcerias com suas associações, sem interferir em sua gestão, mas fortalecendo-a, através de uma rede de relacionamento que 33 associações interagindo podem representar.
A exemplo do que ocorreu no XV Anual de Produtores de Cana, uma parceria da ORPLANA com a Canaoeste (realizado no dia 28 de agosto, como parte da programação da Fenasucro & Agrocana). Este ano, conseguimos mudar o encontro para uma abordagem mais direta junto ao produtor de cana e suas associações, para que as lideranças políticas regionais e estaduais pudessem entender as reais e evidentes necessidades do produtor independente de cana presença foi maciça. Contamos com mais de 400 participantes, entre presidentes das associações-membros, técnicos, dois secretários do Estado de
São Paulo, dois deputados estaduais e dois federais, além de prefeitos de municípios da região de Sertãozinho e lideranças regionais.
Outro desafio é que o PRA (Programa de Regularização Ambiental) acabará trazendo um grande problema para os estados, para a ORPLANA, para as associações e para o produtor de cana. Aliando-se ao PRA e à colheita mecanizada, haverá uma iminente liberação de áreas não propensas ou proibitivas ao cultivo da cana, que anteriormente eram cultivadas. 
O alerta, então, será o de entender as consequências, antecipando-se a impactos não desejados, através da diversificação de atividades e renda, gestão de custos, aumento de eficiência produtiva e indicadores de produtividade, que darão sustento e permanência do pequeno produtor. Além de nos posicionarmos constantemente pela remuneração do bagaço e análise da viabilidade da comercialização da palha da cana e oferecer suporte jurídico, assistencial e de saúde através das ações convergentes que mencionei anteriormente. 
Revista Canavieiros: Um dos problemas que as associações enfrentam é a falta de participação efetiva de seus membros. Você concorda? Como a ORPLANA vai trabalhar para reverter esse quadro?
Celso Albano: Talvez seja confundida a confiança e a transferência das responsabilidades para seus representantes, dirigentes e líderes, em detrimento de uma participação mais efetiva do produtor associado. É a famosa acomodação, conformidade.
A ORPLANA deve cobrar, informar, esclarecer e alertar sempre, junto às associações, e indiretamente aos seus associados, mas envolvendo-os pela causa única. E fazer estudos constantes, evitando descolamentos da realidade, com revisões a cada cinco anos. Isso se tornou um desafio que a ORPLANA colocou como uma de suas prioridades. O produtor de cana não deve se iludir agindo individualmente. 
Às vezes, uma negociação que parece vantajosa aparece depois com cobranças e imposições que destroem o resultado tão almejado. Temos que entender as ações dos cenários locais, as ofertas intempestivas de cana spot, que desequilibram as tais negociações individuais. Ter associações focadas no produtor e posicionadas perante a cobrança de que as indústrias pratiquem
o correto é, também, outra prioridade.
Para isso, os individualismos terão que ser colocados de lado, extirpados. É preciso, ainda, formar uma nova safra de profissionais, tutorados pelos dirigentes atuais, com sua vasta experiência profissional e de vida, porém sem o risco de intimidações e represálias. Acho que a convergência para a cobrança saudável do que é correto se tornará um lema para grande parcela da sociedade.
Revista Canavieiros: Uma das medidas recém-tomadas foi a implantação do Programa Integrado de Capacitação CTC/ORPLANA. Como ele vai funcionar?
Celso Albano: O programa será composto de palestras técnicas que contribuam na mais ampla discussão das metodologias atuais, bem como no incentivo à livre manifestação da opinião técnica dos participantes, posicionamento construtivo, discussão de dados de pesquisa, experimentação e práticas agrícolas. Está estruturado em seis reuniões bimestrais, que abordarão doze temas que abrangem o manejo agronômico da cana-de-açúcar e que têm relevância na produção e na produtividade, sendo discutidos dois temas em cada reunião. 
Trata-se de uma iniciativa em conjunto das duas empresas, com o objetivo de fomentar a troca de experiência entre as equipes.
A meta principal é a interação entre variedades, manejo, clima/solo, sempre priorizando a produtividade máxima. Estamos, também, finalizando uma parceria com o Centro de Cana IAC de Ribeirão Preto, por meio da qual faremos uma complementaridade da capacitação dos profissionais das associações, intercalando o conteúdo programático do CTC e do IAC. 
Após 28 anos atuando em diversas empresas país afora, ele foi convidado a voltar à terra natal. Celso Albano está de novo em Ribeirão Preto-SP para um dos maiores desafios da carreira. O engenheiro agrônomo formado em 1987 pela Universidade de Espírito Santo do Pinhal-SP, mestre em Agronomia pela UNESP de Jaboticabal-SP, com MBA em Controladoria e Finanças pela Fundace/USP Ribeirão e duas pós-graduações, em Administração Rural e Gestão Agroindustrial Sucroalcooleira, em universidades de Minas Gerais e Goiás, foi contratado para conduzir, como gestor executivo, o processo de reestruturação de uma das maiores entidades de produtores rurais do país: a ORPLANA (Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil), que congrega 33 associações.
 
 
Com passagens pelo Banco Banespa, Sebrae/SP, Case IH, Agrosite Brasil, Raízen, Odebrecht Agroindustrial, além de ter fundado a TerraLucro Consultoria e dado aulas no Ensino Superior, Albano assume com o desafio de implantar, diante das mudanças por que passa o setor sucroenergético, um ambicioso projeto que prevê uma transformação na ORPLANA, a ser completamente executado nos próximos dez anos. Entre as metas estão uma gestão profissionalizada e participativa, com olhar voltado para dentro, focando as associações-membros e seus associados, e o aprimoramento da interlocução política, firmando a organização como a principal porta-voz dos produtores de cana brasileiros. Nessa entrevista, ele conta à Canavieiros os detalhes dessa nova fase

Revista Canavieiros: 2015 marca o início de uma nova fase na ORPLANA. Quais os principais pontos dessa mudança?

 
Celso Albano: Primeiramente, é a implantação do Projeto e Planejamento Estratégico da ORPLANA, com uma visão transformadora para os próximos dez anos, ou seja, a sua própria reestruturação na gestão, competitividade, representatividade, interação com suas associações-membros, seus produtores associados, indústria compradora, agentes públicos e privados. 
Para isso, a ORPLANA contratou a Markestrat (Consultoria), tendo como principal sócio e fundador o professor da USP de Ribeirão Preto Marcos Fava Neves, visando definir um padrão de transformação para a organização, descrevendo suas direções estratégicas, que deverão ser seguidas para contornar os eventos negativos e utilizar os positivos de forma a crescer e prosperar. 
Após a elaboração de um diagnóstico situacional, através do evento Caminhos da Cana, que percorreu 21 municípios representativos dentro da área de ação da ORPLANA, envolvendo os estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo e entrevistando 548 produtores de cana, foram feitos dois workshops com os presidentes de cada associação-membro para elaboração de um documento norteador para a implantação das mudanças. 
Os principais pontos dessa nova fase foram divididos em seis premissas: aprimorar governança e estrutura, ampliar a comunicação interna e externa, prover educação técnica e gerencial, agregar serviços de valor, gerar informações de valor e estabelecer relacionamento e negociação equilibrados na cadeia. A partir dessas premissas, foram elaborados 19 projetos que serão implantados em conjunto e com o suporte das associações-membros, ao longo dos anos, de maneira a construir uma nova visão do associativismo no setor sucroenergético. 
Eles se resumem em ações que visam aumentar a força e a representatividade da ORPLANA, melhorar a cultura associativista do produtor rural, aproximar entidades representativas do setor para ações conjuntas, promover marketing institucional para o setor, aumentar a integração entre a ORPLANA e as associações-membros, profissionalizar a gestão da ORPLANA e de suas associações, intensificar ações de comunicação com produtores, buscar relacionamento melhor e mais vantajoso entre usinas e produtores, fortalecer o poder da ORPLANA no sistema Consecana-SP, auxiliar na reestruturação do Consecana-SP, incentivar a inserção de jovens no setor sucroenergético e aproximar-se de órgãos de pesquisa.

 
Revista Canavieiros: Com isso, que imagem a ORPLANA espera ter daqui a dez anos?

 
Celso Albano: Ser reconhecida como a principal porta-voz dos produtores de cana de todo o Brasil, convergindo as necessidades advindas de todas as suas associadas e trazendo mais associações para o Sistema Integrado ORPLANA. A missão é garantir um futuro seguro e rentável para os produtores, buscando excelência na produção agrícola e na coordenação da cadeia sucroenergética, através do relacionamento inter-organizacional, pelo desenvolvimento de conhecimento das pessoas e de um relacionamento político/público mais bem posicionado. 
Revista Canavieiros: A ORPLANA é composta por 33 associações. Como funciona hoje a integração entre essas associações e de que forma uma maior aproximação entre elas pode ser feita? 

 
Celso Albano: Atualmente, a integração da ORPLANA com suas associações-membros é feita através de reuniões setoriais, grupos de trabalho, reuniões do Conselho Deliberativo, que é composto pelos presidentes das associações-membros, e atuação no CONSECANA, na Canatec e eventos ao longo do ano. 
Mas via-se a necessidade de que esta aproximação se intensificasse e se fortalecesse. No projeto da ORPLANA, várias ações preconizam uma maior integração e aproximação das associações, enxergando seus problemas regionais, pontuais e suas principais fragilidades em relação à condução de suas atividades e o foco direto no suporte e apoio aos seus associados. 
Atitudes como a busca por uma padronização da metodologia de apuração do custo de produção agrícola, enxergando as variações significativas e reais de região para região e de produtor para produtor. 
Iniciamos em abril (deste ano) uma verdadeira peregrinação junto às empresas que estudam, pesquisam e apuram custos de produção agrícola e associações que já praticam a sua mensuração, visando criar uma metodologia única e representativa em toda a área de abrangência da ORPLANA. Uma das ações é a convergência de trabalhos que são atualmente feitos pelas associações, buscando uma melhor performance de gestão, redução de custos e criação de uma rede corporativa de profissionais e competências, buscados dentro de suas próprias associações, além do estabelecimento de planos de ações executivas pautados na ação e decisão imediata e cobrados mensalmente junto aos presidentes e gestores das associações e da ORPLANA. 
Outras medidas são:
1) Comunicação rápida e abrangente, permitindo a troca de experiências e aprendizado constante com os próprios e inúmeros talentos internos que a ORPLANA e as suas associações possuem. As competências estão aí, em todas elas. O que falta é a integração coordenada e coesa.
2) Prover parcerias com instituições de referência e idoneidade, promovendo capacitação integrada dos profissionais das associações, não só técnico-agronômicos, mas também administrativos, assistenciais, laboratoriais, jurídicos, ambientais, de relacionamento e de serviços.
3) Implantar uma Plataforma de Comunicação, convergindo os sites das associações, ORPLANA, UNICA, Sistema ATR e CONSECANA dentro da Plataforma ORPLANA. 
4) Visitar rotineiramente as 33 associações, intensificando e se baseando nas ações originárias do “Caminhos da Cana” 2014, criando diagnósticos e buscando soluções imediatas.
5) Participar ativamente, junto com o professor Marcos Fava Neves, do “Caminhos da Cana” 2015 e em outros anos. E, claro, formar uma equipe reforçada de profissionais, com delegação responsável e descentralização dos processos, permitindo ações múltiplas, em estrutura de pessoas enxuta. Deste agosto último, inclusive, o professor Marcos Fava Neves participa do Conselho Deliberativo da ORPLANA, como conselheiro estratégico.

 
Revista Canavieiros: A sua chegada na ORPLANA é uma das medidas que integram essa fase de reestruturação. Como irá atuar? Qual será o seu papel na organização?

 
Celso Albano: Era necessária a contratação de um profissional que iniciasse o processo de mudança da ORPLANA, o que faz parte da primeira premissa, que se intitula Reestruturação e Governança. Nossa atuação será um desafio entre conciliar o Plano Diretor e implantação do Plano Estratégico ORPLANA, ou seja, conciliar gestão e estratégia, em alinhamento constante com os assuntos pertinentes ao Conselho Deliberativo, acompanhar intensamente os assuntos relacionados ao CONSECANA e monitorar os projetos em andamento, visando garantir a plena consolidação destas ações em todas as áreas. Resumindo, nosso papel é escutar, escutar e escutar, diagnosticar e buscar soluções, rápidas e pertinentes, juntamente com o suporte constante dos profissionais da ORPLANA, os presidentes, gestores e profissionais das associações, e fortalecer as alianças com instituições e empresas parceiras, além de buscar novas parcerias.  
Revista Canavieiros: Que avanços a mudança da sede para Ribeirão Preto irá promover?

 
Celso Albano: Isso foi fruto da discussão dos presidentes das associações que compõem o Conselho Deliberativo da ORPLANA. Aspectos apontados como relevantes foram logística, estrutura operacional da cidade, dinâmica do setor, quebra de paradigmas, possibilidade de integrar as associações mais distantes, de forma que participem mais das reuniões e grupos de trabalho, além do custo fixo da estrutura, que se reduzirá gradativamente para 50% em relação aos custos anteriores. Optamos por uma estrutura de menor mobilização, em um edifício empresarial, que traz a eficiência como um de seus principais diferenciais, aliada à conveniência do Shopping Center anexo, permitindo maiores facilidades de alimentação, reuniões rápidas, suprimentos e outros benefícios relevantes.

 
Revista Canavieiros: Como a ORPLANA, nesse início de reestruturação, pode contribuir para o processo de retomada de investimentos no setor sucroenergético?

 
Celso Albano: Pelo fortalecimento do associativismo, da representatividade e pela atuação das associações junto aos seus produtores, provendo-os de informação, capacitação, integração, experiências e aprendizados compartilhados, tornando-os, com isso, mais bem posicionados e representados em suas reivindicações, cada vez mais embasadas em estudos realistas com instituições parceiras reconhecidas e de referência, tanto no setor produtivo como no industrial. E lutar pelo reconhecimento das externalidades positivas do etanol e do papel da cadeia da cana-de-açúcar no abastecimento de combustíveis leves no Brasil, atraindo investimentos através da confiança na matriz energética do setor.

 
Revista Canavieiros: Como a organização pretende se posicionar frente a outros elos da cadeia produtiva, como as usinas, principalmente nesse período que a indústria passa por uma concentração, com forte presença do capital internacional?

 
Celso Albano: Primeiramente, através da demonstração de que o produtor de cana independente é um grande aliado na desoneração dos custos das usinas. Precisamos estabelecer um relacionamento centralizado pelas associações, evitando negociações paralelas, individualistas. Trabalhar intensamente uma melhor gestão do relacionamento racional e equilibrado na cadeia. Qualificar as empresas compradoras de matéria-prima no quesito transparência, relacionamento, pagamento justo e planejamento agrícola elaborado em conjunto e com informações compartilhadas. Devemos acompanhar os exemplos de gestão transparente de pequenos, médios e grandes grupos, buscando a negociação de maneira adequada para ambas as partes.

Revista Canavieiros: O que a ORPLANA pensa especialmente dos pequenos produtores, diante dessa concentração? Como impedir que percam espaço ou desapareçam?

 
Celso Albano: Neste novo cenário, o associativismo é imperativo e condicionante na sobrevivência e efetividade dos pequenos produtores. Vamos organizar eventos informadores e formadores, buscando alternativas de diversificação de negócios integrados, complementares e suplementares. Serão muitos eventos voltados para o fornecedor, através de parcerias com suas associações, sem interferir em sua gestão, mas fortalecendo-a, através de uma rede de relacionamento que 33 associações interagindo podem representar.
A exemplo do que ocorreu no XV Anual de Produtores de Cana, uma parceria da ORPLANA com a Canaoeste (realizado no dia 28 de agosto, como parte da programação da Fenasucro & Agrocana). Este ano, conseguimos mudar o encontro para uma abordagem mais direta junto ao produtor de cana e suas associações, para que as lideranças políticas regionais e estaduais pudessem entender as reais e evidentes necessidades do produtor independente de cana presença foi maciça. Contamos com mais de 400 participantes, entre presidentes das associações-membros, técnicos, dois secretários do Estado de São Paulo, dois deputados estaduais e dois federais, além de prefeitos de municípios da região de Sertãozinho e lideranças regionais.
 
Outro desafio é que o PRA (Programa de Regularização Ambiental) acabará trazendo um grande problema para os estados, para a ORPLANA, para as associações e para o produtor de cana. Aliando-se ao PRA e à colheita mecanizada, haverá uma iminente liberação de áreas não propensas ou proibitivas ao cultivo da cana, que anteriormente eram cultivadas. 

O alerta, então, será o de entender as consequências, antecipando-se a impactos não desejados, através da diversificação de atividades e renda, gestão de custos, aumento de eficiência produtiva e indicadores de produtividade, que darão sustento e permanência do pequeno produtor. Além de nos posicionarmos constantemente pela remuneração do bagaço e análise da viabilidade da comercialização da palha da cana e oferecer suporte jurídico, assistencial e de saúde através das ações convergentes que mencionei anteriormente. 

 
Revista Canavieiros: Um dos problemas que as associações enfrentam é a falta de participação efetiva de seus membros. Você concorda? Como a ORPLANA vai trabalhar para reverter esse quadro?

 
Celso Albano: Talvez seja confundida a confiança e a transferência das responsabilidades para seus representantes, dirigentes e líderes, em detrimento de uma participação mais efetiva do produtor associado. É a famosa acomodação, conformidade.

A ORPLANA deve cobrar, informar, esclarecer e alertar sempre, junto às associações, e indiretamente aos seus associados, mas envolvendo-os pela causa única. E fazer estudos constantes, evitando descolamentos da realidade, com revisões a cada cinco anos. Isso se tornou um desafio que a ORPLANA colocou como uma de suas prioridades. O produtor de cana não deve se iludir agindo individualmente. 
Às vezes, uma negociação que parece vantajosa aparece depois com cobranças e imposições que destroem o resultado tão almejado. Temos que entender as ações dos cenários locais, as ofertas intempestivas de cana spot, que desequilibram as tais negociações individuais. Ter associações focadas no produtor e posicionadas perante a cobrança de que as indústrias pratiquem o correto é, também, outra prioridade.
 
Para isso, os individualismos terão que ser colocados de lado, extirpados. É preciso, ainda, formar uma nova safra de profissionais, tutorados pelos dirigentes atuais, com sua vasta experiência profissional e de vida, porém sem o risco de intimidações e represálias. Acho que a convergência para a cobrança saudável do que é correto se tornará um lema para grande parcela da sociedade.


Revista Canavieiros: Uma das medidas recém-tomadas foi a implantação do Programa Integrado de Capacitação CTC/ORPLANA. Como ele vai funcionar?


Celso Albano:
O programa será composto de palestras técnicas que contribuam na mais ampla discussão das metodologias atuais, bem como no incentivo à livre manifestação da opinião técnica dos participantes, posicionamento construtivo, discussão de dados de pesquisa, experimentação e práticas agrícolas. Está estruturado em seis reuniões bimestrais, que abordarão doze temas que abrangem o manejo agronômico da cana-de-açúcar e que têm relevância na produção e na produtividade, sendo discutidos dois temas em cada reunião. 
Trata-se de uma iniciativa em conjunto das duas empresas, com o objetivo de fomentar a troca de experiência entre as equipes.

 
A meta principal é a interação entre variedades, manejo, clima/solo, sempre priorizando a produtividade máxima. Estamos, também, finalizando uma parceria com o Centro de Cana IAC de Ribeirão Preto, por meio da qual faremos uma complementaridade da capacitação dos profissionais das associações, intercalando o conteúdo programático do CTC e do IAC.