Amendoim: exportações em alta frente às expectativas construídas pela pandemia

08/07/2020 Artigo POR: Renata Martins Sampaio, pesquisadora científica do Instituto de Economia Agrícola (IEA)

A produção paulista de amendoim tem na safra 2019/2020 um momento de recuperação da produção com indicadores importantes em comparação ao período anterior. De acordo com as estimativas do IEA (Instituto de Economia Agrícola) é colocado o aumento de 29% da produção, impulsionada pela alta de 18% na produtividade e avanço 9% na área plantada. Os bons resultados, segundo o USDA (United States Department of Agriculture), são acompanhados de retração em torno de 3% na produção mundial de amendoim e demanda aquecida por parte dos países importadores, com previsão de alta de 7% para o óleo de amendoim e de 3% para o amendoim em grão.

As boas expectativas para 2020 são cercadas pelos desafios colocados pela pandemia Covid-19. A atenção à comercialização da safra toma espaço no debate considerando cenários para os mercados interno e externo. Internamente tem destaque o adiamento das festividades juninas com consequências para programação da produção da indústria confeiteira frente a esse importante período para o comércio dos tradicionais produtos à base de amendoim. Por outro lado, a busca por novos espaços no mercado consumidor soma-se aos reconhecíveis esforços dessa indústria no posicionamento desses produtos visando ao seu consumo contínuo e ao aquecimento das vendas de alimentos no varejo, tanto nas As exportações, atividades que respondem por mais de 50% da comercialização da safra paulista de amendoim, têm sido acompanhadas de perto. Para o amendoim descascado, que representa mais de 80% do total exportado, os dois primeiros meses de 2020 registram volumes exportados bem abaixo dos verificados nos anos de 2018 e 2019. Aqui, cabe considerar o processamento da colheita da safra atual para atender às remessas de exportações, tendo em vista estoques esgotados frente à retração da produção registrada na safra 2018/2019. Tanto assim, que no mês de março são retomados os volumes registrados nos anos anteriores e o mês de abril registra aumento de 84% em comparação ao mesmo mês de 2019 (FIGURA 1).

Figura 1 Exportações de amendoim descascado, Brasil, em mil toneladas Fonte: ComexStat (2020)

Para os valores exportados de amendoim em grão, conforme apresenta a Figura 2, o comportamento nos primeiros quatro meses de 2020 mostra que as cotações praticadas estão acima das registradas no mesmo período de 2019. A alta nos preços do produto pode ser percebida na relação entre oferta e demanda mundial e também na valorização do dólar registrada desde o início do ano. Nesse cenário, os principais destinos para o amendoim em grão continuam sendo a Rússia, a Holanda, importante entreposto comercial da União Europeia, e a Argélia.

Figura 2 Exportações de amendoim descascado, Brasil, em milhões US$ (FOB) Fonte: ComexStat (2020)

Para o óleo de amendoim, que tem como principais destinos China e Itália, as exportações nos quatro primeiros meses de 2020 mantêm ritmo semelhante ao verificado no mesmo período de 2019, sendo mais expressivos os volumes exportados durante o mês de abril. Cabe ainda destacar que, assim como para o amendoim em grão, as cotações apresentam valores acima da média registrada anteriormente, com acréscimo de 45% em relação ao ano de 2019 (FIGURA 3).

Figura 3 Exportações óleo de amendoim, Brasil, primeiro quadrimestre, em mil t e milhões US$ (FOB) Fonte: ComexStat (2020)

A alta nas cotações do amendoim e de seus derivados tem reflexos importantes no mercado brasileiro para o produto em suas diferentes etapas da cadeia de produção. Quando considerada a produção agrícola, conforme apresenta a Figura 4, os preços médios mensais recebidos pelos produtores apresentam tendência de alta. No período de maio a dezembro de 2019, caracterizado pela entressafra da produção, os preços para o saco de 25 kg de amendoim em casca saltaram de R$ 48,68 para R$ 69,05, uma diferença de 42% entre os dois meses.

Em janeiro de 2020, com o início da colheita da safra 2019/2020, os preços caem novamente e registram a média R$ 52,62 o saco. Os meses seguintes retomam a tendência de alta e encerram abril em cotações 30% superiores à média registrada em abril de 2019. A variação positiva nos preços contribuiu para que o valor da produção paulista de amendoim do ano de 2019 registrasse aumento de 16% em relação ao ano anterior, alcançando R$ 1,011 bilhão, indicador divulgado pelo IEA e que aponta o impacto da alta de preços frente à retração da produção da safra 2018/2019 em decorrência das condições climáticas adversas presentes, especialmente no período que antecedeu colheita.

Figura 4 Preços médios mensais recebidos pelos produtores de amendoim em casca, Estado de São Paulo, em R$/sacos de 25 kg Fonte: Instituto de Economia Agrícola (IEA)

As expectativas relacionadas às ações implementadas para o controle do avanço da pandemia, tanto no Brasil quanto em outros países, e também para mitigar os impactos nas diferentes atividades econômicas, têm exigido o acompanhamento da comercialização da safra e suas interações com os preços e os níveis de oferta. Além disso, as questões sanitárias são importantes para a manutenção dos padrões de qualidade do amendoim em pauta desde a produção no campo até o embarque e chegada ao destino final.

O monitoramento dessas condições associado aos parâmetros sanitários determinados pela pandemia toma espaço importante nesse momento em que a exportações estão favorecidas pelo câmbio. Por outro, as importações, especialmente aquelas relacionadas aos insumos de produção, configuram um elemento importante no planejamento da próxima safra, condicionado, também, pelo desempenho das exportações em 2020 e as condições de produção nos principais países produtores de amendoim.