atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

BASF destaca uso de soluções que contribuem para o controle do Sphenophorus durante a 22ª Agrishow

29/04/2015 Cana-de-Açúcar POR: Assessoria de Imprensa
Segundo levantamento da consultoria Datagro Alta Performance, o Sphenophorus levis está presente em mais de 60% dos canaviais do noroeste paulista. A propagação intensiva desta praga se deu principalmente no final da década de 90, período no qual a cana-de-açúcar passou a ser colhida sem a queima prévia e pelo transporte de mudas sem controle prévio de sanidade. Em função desse cenário, a BASF apresenta durante a 22ª edição da Agrishow soluções que contribuem para reduzir os danos, eliminar a praga, além de prevenir sua entrada em áreas nas quais sua presença não tenha sido detectada.
“O Sphenophorus levis está entre as cinco pragas da cultura de cana-de-açúcar que exige mais cuidados, uma vez que a disseminação é extremamente rápida. Sem tratamento prévio as perdas do canavial podem ser inevitáveis”, afirma Carulina Borges de Oliveira, gerente de marketing para cana, amendoim e citrus da BASF.
Para combater o Sphenophorus e mais duas importantes pragas (Migdolus e cupim), a empresa dispõe do inseticida Regent® Duo, composto por dois ingredientes ativos distintos que conferem efeito de choque, isto é, a praga em contato com o defensivo morre instantaneamente. “Além disso, o produto apresenta maior efeito residual em relação aos demais inseticidas existentes no mercado, ou seja, permanece nas plantas por mais tempo”, complementa Carulina.
Outra tecnologia apresentada pela BASF no evento é AgMusa. Disponível desde o segundo semestre de 2013, AgMusa é um sistema de formação de viveiros de cana-de-açúcar com mudas sadias oriundas de variedades nobres. A BASF é responsável por realizar o plantio de um viveiro-matriz com material de origem certificado e controlado, o que assegura a performance no campo (aumento da produtividade), sanidade e o estabelecimento da planta. No que diz respeito ao Sphenophorus, além da sanidade que evita o aparecimento desta e outras pragas, a empresa recomenda a formação dos viveiros de AgMusa consorciado às culturas de soja e amendoim pelo plantio em meiosi ou método inter-rotacional. Essa forma de plantio tem como objetivo proporcionar rotação de cultivos, benefícios agronômicos e ganhos adicionais com o cultivo intercalar.
Controle de ervas daninhas – tratamento multicultura
O herbicida Heat® também estará em evidência nesta edição da Agrishow. O produto apresenta características como alta seletividade e forte ação de pré e pós-emergência em folhas largas de difícil controle presentes na cultura da cana. É recomendado para uso na dessecação que antecede o plantio das principais culturas como soja, arroz, milho, trigo e algodão, sendo este em jato dirigido, além do manejo de plantas daninhas em pós-emergência nas culturas do arroz, cana-de-açúcar e algodão em jato dirigido, além da dessecação pré-colheita para as culturas da batata e do feijão.
Segundo levantamento da consultoria Datagro Alta Performance, o Sphenophorus levis está presente em mais de 60% dos canaviais do noroeste paulista. A propagação intensiva desta praga se deu principalmente no final da década de 90, período no qual a cana-de-açúcar passou a ser colhida sem a queima prévia e pelo transporte de mudas sem controle prévio de sanidade. Em função desse cenário, a BASF apresenta durante a 22ª edição da Agrishow soluções que contribuem para reduzir os danos, eliminar a praga, além de prevenir sua entrada em áreas nas quais sua presença não tenha sido detectada.
“O Sphenophorus levis está entre as cinco pragas da cultura de cana-de-açúcar que exige mais cuidados, uma vez que a disseminação é extremamente rápida. Sem tratamento prévio as perdas do canavial podem ser inevitáveis”, afirma Carulina Borges de Oliveira, gerente de marketing para cana, amendoim e citrus da BASF.
Para combater o Sphenophorus e mais duas importantes pragas (Migdolus e cupim), a empresa dispõe do inseticida Regent® Duo, composto por dois ingredientes ativos distintos que conferem efeito de choque, isto é, a praga em contato com o defensivo morre instantaneamente. “Além disso, o produto apresenta maior efeito residual em relação aos demais inseticidas existentes no mercado, ou seja, permanece nas plantas por mais tempo”, complementa Carulina.
Outra tecnologia apresentada pela BASF no evento é AgMusa. Disponível desde o segundo semestre de 2013, AgMusa é um sistema de formação de viveiros de cana-de-açúcar com mudas sadias oriundas de variedades nobres. A BASF é responsável por realizar o plantio de um viveiro-matriz com material de origem certificado e controlado, o que assegura a performance no campo (aumento da produtividade), sanidade e o estabelecimento da planta. No que diz respeito ao Sphenophorus, além da sanidade que evita o aparecimento desta e outras pragas, a empresa recomenda a formação dos viveiros de AgMusa consorciado às culturas de soja e amendoim pelo plantio em meiosi ou método inter-rotacional. Essa forma de plantio tem como objetivo proporcionar rotação de cultivos, benefícios agronômicos e ganhos adicionais com o cultivo intercalar.
Controle de ervas daninhas – tratamento multicultura
O herbicida Heat® também estará em evidência nesta edição da Agrishow. O produto apresenta características como alta seletividade e forte ação de pré e pós-emergência em folhas largas de difícil controle presentes na cultura da cana. É recomendado para uso na dessecação que antecede o plantio das principais culturas como soja, arroz, milho, trigo e algodão, sendo este em jato dirigido, além do manejo de plantas daninhas em pós-emergência nas culturas do arroz, cana-de-açúcar e algodão em jato dirigido, além da dessecação pré-colheita para as culturas da batata e do feijão.