atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Canaoeste realiza entrega da Carta de Solos e Ambientes de Produção Edafoclimáticos

04/11/2013 Noticias do Sistema POR: Revista Canavieiros - ed. 88 - Por Carla Rodrigues
Em parceria com o CTC, associação reuniu fornecedores e equipe técnica no seu auditório em Sertãozinho

A Canaoeste em parceira com o CTC (Centro de Tecnologia Canavieira) promoveu uma reunião com seus associados para realizar a entrega da Carta de Solos e Ambientes de Produção Edafoclimáticos. A reunião aconteceu no auditório da associação, em Sertãozinho, no dia 10 de outubro e contou com a participação de produtores e equipes técnicas.
A classificação e enquadramento dos solos nos ambientes de produção através do conhecimento do seu potencial produtivo permitem a realização de manejos específicos e adequados. É uma tecnologia moderna que pode elevar a produtividade e reduzir custos de produção.
Antes de realizar a entrega, o gerente Técnico de Produto – Cartas de Solos e Ambientes de Produção do CTC, Fernando César Bertolani, fez uma apresentação para explicar a utilização do mapa de solos pelos clientes, usineiros e fornecedores e também como o Ambiente de Produção pode ser aproveitado no desenvolvimento de variedades dentro do CTC. 
Ainda durante sua apresentação, Bertolani aproveitou a oportunidade para falar sobre os Grupos de Manejo, que é a técnica utilizada para realizar o manejo adequado das variedades e consequentemente obterem o máximo de potencial genético. “O fornecedor está envolvido no sentido de usar os ambientes de produção, fazendo isso e plantando a variedade correta por ambiente, consegue aumento de produtividade. Agora vamos tentar introduzir a ferramenta Grupos de Manejo, para que, além de ganharem em produtividade, consigam fazer isso sem aumentar o custo de produção”, explicou Bertolani.
A realização da Carta de Solos é dividida em quatro etapas: recebimento de mapas dos fornecedores, mapeamento e amostragem de solos, interpretação de dados analíticos e cartografia e formatação dos mapas de solo.  Já a origem dos Ambientes de Produção é qualificada em: sistema de classificação de terras/cana-de-açúcar, variações regionais de produtividade, evolução fator climático (postos meteorológicos), criação de metodologia e definição das regiões climáticas.
Da mesma maneira, para elaborar o mapa de Ambientes de Produção Edafoclimáticos, os ambientes foram divididos em ambientes de potencial alto, médio e baixo, permitindo que o CTC realize o lançamento de variedades em função do ambiente climático, potencial de produção e época de colheita. Já para preparar os Grupos de Manejo, algumas características são levadas em consideração, como: classe de solo, textura, fertilidade, pedregosidade, profundidade e potencial de produtividade. 
Para o produtor rural, Roberto Rossetti, esta é uma ferramenta que vai poder auxiliá-lo em suas tomadas de decisões. “É sempre bem vinda toda ajuda que podemos ter. Alocação de variedades, melhor época de colheita, tipo de preparo, são decisões importantes que o produtor tem que tomar e esta ferramenta servirá para nos auxiliar nestas decisões e facilitar nosso dia a dia”, disse Rossetti. 
Esta também é a opinião do associado José Renato Paro. Para ele, a importância deste programa consiste em melhores orientações e indicações de uso correto das terras, contribuindo para uma produtividade e receita maiores. “Esta iniciativa da Canaoeste junto ao CTC é muito importante para nós fornecedores. A apostila que temos em mãos é bastante técnica, porém, é bem acessível e prática, facilitando as nossas atividades diárias e principalmente baixando os nossos custos de produção”, explicou Paro.
O engenheiro agrônomo do CTC, Alan Pinheiro, falou aos presentes sobre as características mais procuradas pelos produtores nas variedades CTC. São elas: riqueza, longevidade e adaptação a mecanização.
Confira as principais variedades:
Variedades Precoces
CTC7: ambientes A, B e C, responsividade, rica, plantio mecanizado;
CTC9: ambientes A, B, C e D, plantio mecanizado;
CTC17: ambientes B, C e D, rusticidade e plantio mecanizado;
CTC21: ambientes A, B e C, mecanização, desenvolvimento inicial, boa brotação de soqueira;
CTC22: ambientes A, B e C, mecanização, desenvolvimento inicial, boa brotação de soqueira.
Variedades Médias
CTC2: ambientes A, B e C, responsividade, estabilidade, produtividade, apta mecanização;
CTC4: ambientes A, B, C, estabilidade, produtividade, apta mecanização;
CTC15: ambientes A, B, C, D e E, produtividade, rusticidade, apta mecanização;
CTC20: ambientes A, B e C, produtividade, responsividade, apta mecanização.
Variedades Tardias
CTC 11: ambientes A, B e C, não-florescimento, produtividade;
CTC 14: boa brotação de soqueira.
Série CTC 9000
CTC9001: ótima brotação, PUI longo, bom desempenho em condições de Cerrado;
CTC9002: rusticidade, longevidade, alto perfilhamento, bom desempenho em condições de Cerrado;
CTC9003: precocidade, PUI longo, alto perfilhamento, bom desempenho em condições de Cerrado.