atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Chuva desacelera safra e a produção de etanol e açúcar no MS

15/08/2014 Cana-de-Açúcar POR: Assessoria de Imprensa
ados apresentados pela Biosul – Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul, referentes à safra 2014/2015, revelam que o volume processado de cana-de-açúcar até 31 de julho foi de 16,17 milhões de toneladas, valor 13,79% menor em relação ao mesmo momento da safra anterior. 
Na segunda quinzena de julho foram processadas 1,83 milhões de toneladas de cana, volume 43% menor do que a cana-de-açúcar processada na mesma quinzena da safra 2013/2014. O índice que mede a qualidade da matéria prima, o ATR/TC (Açúcares Totais Recuperáveis por tonelada de cana processada/moída) atingiu 129,92 kg, percentual pouco maior que o registrado no mesmo período em 2013.
Até agora foram produzidas 436 mil toneladas de açúcar, quantidade 29,58% menor que a produção registrada anteriormente, que foi de 620 mil toneladas. Dados referentes à produção de etanol registram que o acumulado até essa quinzena foi de 218 milhões de litros de etanol anidro e 673 milhões de etanol hidratado, chegando 892 milhões de litros de biocombustível produzido, volume 10,26% menor que na safra passada. 
Segundo o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho, “Em julho, choveu duas vezes e meia a mais do que a média histórica, isso fez com que as usinas diminuíssem o ritmo da produção por conta da interrupção de vários dias na colheita, agora em agosto esperamos voltar ao ritmo normal de produção no Estado.” 
Também é esperada uma maior destinação da cana para o etanol em detrimento do açúcar, segundo o diretor técnico da Biosul, Paulo Aurélio Vasconcelos, “As condições climáticas desfavoráveis atrapalharam o desenvolvimento da cana-de-açúcar e isso fez com que diminuísse o índice de ATR para uma maior produção de açúcar.”
Dados apresentados pela Biosul – Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul, referentes à safra 2014/2015, revelam que o volume processado de cana-de-açúcar até 31 de julho foi de 16,17 milhões de toneladas, valor 13,79% menor em relação ao mesmo momento da safra anterior. 
Na segunda quinzena de julho foram processadas 1,83 milhões de toneladas de cana, volume 43% menor do que a cana-de-açúcar processada na mesma quinzena da safra 2013/2014. O índice que mede a qualidade da matéria prima, o ATR/TC (Açúcares Totais Recuperáveis por tonelada de cana processada/moída) atingiu 129,92 kg, percentual pouco maior que o registrado no mesmo período em 2013.
Até agora foram produzidas 436 mil toneladas de açúcar, quantidade 29,58% menor que a produção registrada anteriormente, que foi de 620 mil toneladas. Dados referentes à produção de etanol registram que o acumulado até essa quinzena foi de 218 milhões de litros de etanol anidro e 673 milhões de etanol hidratado, chegando 892 milhões de litros de biocombustível produzido, volume 10,26% menor que na safra passada. 
Segundo o presidente da Biosul, Roberto Hollanda Filho, “Em julho, choveu duas vezes e meia a mais do que a média histórica, isso fez com que as usinas diminuíssem o ritmo da produção por conta da interrupção de vários dias na colheita, agora em agosto esperamos voltar ao ritmo normal de produção no Estado.” 
Também é esperada uma maior destinação da cana para o etanol em detrimento do açúcar, segundo o diretor técnico da Biosul, Paulo Aurélio Vasconcelos, “As condições climáticas desfavoráveis atrapalharam o desenvolvimento da cana-de-açúcar e isso fez com que diminuísse o índice de ATR para uma maior produção de açúcar.”