atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Com sobra de 10 mi de toneladas, safra da cana começa mais cedo

17/02/2014 Cana-de-Açúcar POR: Camila Turtelli | Folha de S. Paulo
A moagem da cana nas usinas da região centro-sul do país deve ser iniciada em março, um mês antes do período tradicional, por causa da sobra de planta da safra anterior, estimada em 10 milhões de toneladas pelo setor.
 
A expectativa é de que a safra 2014/2015 não deve superar os números da produção em 2013. Isso porque algumas usinas deixarão de operar e outras não investiram na capacidade de moagem.
 
Também preocupa o endividamento do setor e a ausência, por parte do governo, de uma política clara para o etanol na matriz energética nacional. A falta de chuvas no começo do crescimento da cana agravou a preocupação.
 
A região centro-sul do país tem hoje, de acordo com a Unica (União da Indústria da Cana-de-Açúcar), uma capacidade instalada de moagem de 700 milhões de toneladas de cana-de-açúcar.
 
"Será necessário iniciar a safra de forma antecipada por causa do volume da sobra e da capacidade instalada", disse Sérgio Prado, representante da Unica na região de Ribeirão Preto.
 
Com essa limitação e a questão financeira, a previsão é que não haja crescimento na produção da região ao final do ano, que deve ficar perto de 594,10 milhões de toneladas da safra 2013/2014.
 
A capacidade de moagem é considerada um dos limitadores da indústria do etanol. "O gargalo é que não há capacidade suficiente nas usinas", disse Thiago Campaz, da consultoria FG/Agro.
 
 
Queda
 
Alguns especialistas falam até em redução. A Unica prevê que nove unidades deverão deixar de moer em 2014. Já Dib Nunes Jr., presidente do Grupo Idea, acredita que este número possa dobrar.
 
"Há uma evidente retração de investimento", disse Celso Torquato Junqueira Franco, da UDOP (União dos Produtores de Bionergia).
 
Para Prado, da Unica, as usinas que deixarão de produzir não devem influenciar no resultado final da safra. Isto porque são produtores de pequeno porte, com moagem próxima a 1 milhão de toneladas. Além disso, a instituição prevê a inclusão de ao menos duas novas unidades.
 
Jair Pires, diretor-executivo da consultoria MBF Agribusiness, não fala em números, mas diz que a situação é "financeiramente caótica" e que além de fecharem, algumas usinas devem pedir recuperação judicial nos próximos dois anos.
 
Nunes Jr. mostra preocupação com o futuro do setor. "Precisamos de condições para reformar os canaviais, linha de crédito para aumentar a capacidade de moagem e de apoio do governo federal na produção", disse.
 
O presidente do Idea diz que os usineiros passaram a pedir apoio a bancos privados, ao invés dos estatais, para conseguirem investir e driblar o endividamento no setor que, segundo Nunes Jr., é perto de R$ 60 bilhões.