atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Confirmando expectativas, chuvas na primeira quinzena de junho prejudicam moagem de cana na região Centro-Sul

26/06/2012 Cana-de-Açúcar POR: UNICA
As chuvas observadas em praticamente toda a região produtora de cana-de-açúcar no início de junho prejudicaram severamente a operacionalização da colheita pelas unidades produtoras da região Centro-Sul. A moagem na primeira quinzena do mês somou 25,91 milhões de toneladas, queda de 27,59% em relação à última quinzena de maio e de 25,96% comparando-se com o mesmo período do ano anterior.
 
No acumulado desde o início da atual safra até 15 de junho, o volume processado de cana-de-açúcar alcançou 96,61 milhões de toneladas, contra 135,44 milhões de toneladas registradas em igual período da safra 2011/2012.
 
De fato, o índice de precipitação pluviométrica apurado em diversos municípios situados em tradicionais regiões canavieiras mais do que dobrou se comparado ao mesmo período de 2011. No Estado de São Paulo, por exemplo, o valor acumulado entre 1º e 15 de junho superou 100 milímetros em algumas localidades.
 
Segundo o diretor técnico e presidente interino da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues “as chuvas ocorridas devem melhorar o rendimento agrícola da área que será colhida no último terço desta safra, mas, por outro lado, reduzirão o aproveitamento de tempo das usinas e a concentração de açúcares na planta.”
 
Como as condições climáticas observadas na segunda quinzena de junho também estão sendo desfavoráveis à colheita da cana-de-açúcar, a defasagem na moagem e na produção de açúcar e etanol no comparativo com os resultados da safra anterior persistirá, ou mesmo aumentará até o final deste mês.
 
“Diante deste cenário, estamos monitorando todas essas variáveis e deveremos concluir uma nova avaliação da safra 2012/2013 ao final de julho,” acrescentou o executivo.
 
Concentração de açúcares na cana
 
Além de reduzir o ritmo de moagem, a elevada precipitação pluviométrica observada nas últimas semanas afetou a concentração de ATR (Açúcares Totais Recuperáveis) na planta, prejudicando o rendimento industrial das unidades produtoras.
 
O teor de ATR por tonelada de matéria-prima atingiu 121,07 kg nos primeiros 15 dias de junho, queda de 7,63% comparando-se à mesma quinzena de 2011. Esta queda acompanha a tendência verificada para o indicador “ATR cana,” obtido por meio de análises laboratoriais de amostras da cana-de-açúcar entregue nas usinas paulistas. Na primeira quinzena de junho, este indicador foi 5,09% inferior ao do mesmo período do ano passado.
 
No acumulado desde o início da safra 2012/2013, a quantidade de ATR por tonelada de cana-de-açúcar alcançou 116,57 kg, contra 120,11 kg e 119,57 kg computados nos mesmos períodos das safras 2011/2012 e 2010/2011, respectivamente.
 
Produção
 
 
Na primeira quinzena de junho, 54,29% da cana-de-açúcar processada destinaram-se à produção de etanol, percentual superior aos 53,77% observados na mesma quinzena de 2011. No acumulado desde o início desta safra, esta proporção atingiu 54,38%.
 
A produção de açúcar desde o início da safra 2012/2013 até 15 de junho alcançou 4,90 milhões de toneladas, contra 6,80 milhões de toneladas apuradas em igual período do ano passado. A produção de etanol, por sua vez, somou 3,61 bilhões de litros, dos quais 965,55 milhões de litros de etanol anidro e 2,65 bilhões de litros de  hidratado, levando a uma queda de 32,63% comparando-se com o mesmo período em 2011.
 
Nos primeiros 15 dias de junho, a quantidade fabricada de açúcar totalizou 1,37 milhão de toneladas, abaixo dos 2,02 milhões de toneladas apurados nesta mesma quinzena do ano anterior. A produção quinzenal de etanol alcançou 998,35 milhões de litros, redução de 31,19% relativamente a 2011. No caso do etanol anidro, esta retração foi de 14,24%, com 405,18 milhões de litros produzidos nesta safra. Em relação ao etanol hidratado, o volume fabricado atingiu 593,17 milhões de litros.
 
Vendas pelas unidades
 
As vendas de etanol pelas unidades produtoras da região Centro-Sul somaram 807,45 milhões de litros na primeira metade de junho, recuo de 22,43% em relação à mesma quinzena de 2011. Este declínio decorre da retração de 34% do volume comercializado de etanol hidratado, que atingiu 463,27 milhões de litros, ante 701,90 milhões de litros apurados no mesmo período da safra passada.
 
Do total comercializado na primeira quinzena de junho, 93,44 milhões de litros destinaram-se ao mercado externo e 714,01 milhões para o mercado doméstico.
 
As vendas internas de etanol hidratado alcançaram 442,39 milhões de litros, declínio de 30,83% em relação à mesma quinzena do ano anterior. Já o volume de etanol anidro comercializado no mercado doméstico totalizou 271,61 milhões de litros, contra 304,98 milhões na mesma data de 2011.
 
No acumulado desde 1º abril até 15 de junho, as vendas de etanol somam 3,84 bilhões de litros, dos quais 3,53 bilhões de litros destinados ao abastecimento doméstico. Deste montante total direcionado ao mercado interno, 1,28 bilhão de litros referem-se ao etanol anidro e 2,25 bilhões de litros ao etanol hidratado.