http://www.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://conferences.datagro.com/eventos/santanderisodatagro/
http://bit.ly/2C9S3Bp
http://bit.ly/2Ye0HZd
http://www.fmcagricola.com.br/index.aspx

ANP: etanol continua com vantagem sobre gasolina nos maiores produtores

Voltar

Etanol

06/06/2018
  Compartilhe:

Os valores médios do etanol continuam vantajosos sobre os da gasolina nos cinco Estados entre os maiores produtores do biocombustível do País - São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Goiás e Mato Grosso. O levantamento considera que o combustível de cana, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.
 
Em Mato Grosso, o hidratado é vendido em média por 58,59% do preço da gasolina, em Goiás em 58,40%, em São Paulo por 62,22%, em Minas Gerais a 66,12% e, no Paraná, a paridade está em 67,45%. Na média brasileira, a paridade é de 64,00% entre os preços médios do etanol e da gasolina.
 
A gasolina é mais vantajosa no Maranhão. Naquele Estado, o preço do etanol atinge 85,88% do cobrado em média pela gasolina.

*Texto extraído da revista Isto É Dinheiro

Fonte: Estadão Conteúdo

ANP: etanol continua com vantagem sobre gasolina nos maiores produtores

06/06/2018

Os valores médios do etanol continuam vantajosos sobre os da gasolina nos cinco Estados entre os maiores produtores do biocombustível do País - São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Goiás e Mato Grosso. O levantamento considera que o combustível de cana, por ter menor poder calorífico, tenha um preço limite de 70% do derivado de petróleo nos postos para ser considerado vantajoso.
 
Em Mato Grosso, o hidratado é vendido em média por 58,59% do preço da gasolina, em Goiás em 58,40%, em São Paulo por 62,22%, em Minas Gerais a 66,12% e, no Paraná, a paridade está em 67,45%. Na média brasileira, a paridade é de 64,00% entre os preços médios do etanol e da gasolina.
 
A gasolina é mais vantajosa no Maranhão. Naquele Estado, o preço do etanol atinge 85,88% do cobrado em média pela gasolina.

*Texto extraído da revista Isto É Dinheiro