http://inovacana.ideaonline.com.br
http://www.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://bit.ly/2Ye0HZd
http://bit.ly/2RUTQ4P
http://www.sertmunck.com.br
http://www.fmcagricola.com.br/index.aspx

Canaoeste reúne produtores associados para discutir os impactos de incêndio em canavial

Voltar

Cana-de-Açúcar

02/08/2019
  Compartilhe:

Foi realizada hoje pela manhã, na sede da Canaoeste, uma reunião entre os produtores associados que tiveram seus canaviais atingidos pelo fogo ocorrido ontem, em Sertãozinho.

Com a presença do gestor corporativo da entidade, Almir Torcato; do gerente de Geotecnologia, Fábio Soldera; dos advogados Juliano Bortoloti e Diego Rossaneis; do assistente ambiental, Artur Tufi, e do engenheiro agrônomo do escritório de Sertãozinho, André Volpe, os 10 produtores impactados pelo incêndio relataram o desespero e os prejuízos acumulados com o incidente.

Diante do tempo seco, quente e da baixa umidade do ar, a cana-de-açúcar é uma massa biológica inflamável exposta aos perigos do fogo. Combinado a isso, as áreas queimadas ontem estavam sem frente de colheita e com matéria-prima sem fazer aniversário, o que implica em uma perda mínima entre dois e três meses de crescimento vegetativo, acarretando em um decréscimo de até 30% da produtividade em t/ha. Um dos esforços agora é colher a cana por conta do incêndio, visando minimizar os prejuízos.

Vale mencionar ainda que os investimentos realizados para a prevenção de incêndio como monitoramento e caminhões tanque entram na conta dos danos.

Para minimizar os impactos das perdas e prejuízos, a equipe da Canaoeste visitará ainda hoje as áreas atingidas para a elaboração do laudo e de documentos que comprovem que houve um acidente ou crime.

Fonte: Revista Canavieiros

Canaoeste reúne produtores associados para discutir os impactos de incêndio em canavial

02/08/2019

Foi realizada hoje pela manhã, na sede da Canaoeste, uma reunião entre os produtores associados que tiveram seus canaviais atingidos pelo fogo ocorrido ontem, em Sertãozinho.

Com a presença do gestor corporativo da entidade, Almir Torcato; do gerente de Geotecnologia, Fábio Soldera; dos advogados Juliano Bortoloti e Diego Rossaneis; do assistente ambiental, Artur Tufi, e do engenheiro agrônomo do escritório de Sertãozinho, André Volpe, os 10 produtores impactados pelo incêndio relataram o desespero e os prejuízos acumulados com o incidente.

Diante do tempo seco, quente e da baixa umidade do ar, a cana-de-açúcar é uma massa biológica inflamável exposta aos perigos do fogo. Combinado a isso, as áreas queimadas ontem estavam sem frente de colheita e com matéria-prima sem fazer aniversário, o que implica em uma perda mínima entre dois e três meses de crescimento vegetativo, acarretando em um decréscimo de até 30% da produtividade em t/ha. Um dos esforços agora é colher a cana por conta do incêndio, visando minimizar os prejuízos.

Vale mencionar ainda que os investimentos realizados para a prevenção de incêndio como monitoramento e caminhões tanque entram na conta dos danos.

Para minimizar os impactos das perdas e prejuízos, a equipe da Canaoeste visitará ainda hoje as áreas atingidas para a elaboração do laudo e de documentos que comprovem que houve um acidente ou crime.