http://bit.ly/2Ye0HZd
http://www.fmcagricola.com.br/index.aspx
http://conferences.datagro.com/eventos/santanderisodatagro/
http://www.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://bit.ly/2C9S3Bp

Conto dos Canaviais: O tolete e a MPB

Voltar

Agronegócio

15/03/2019
  Compartilhe:

Por: Marino Guerra


Em uma frente de plantio mecanizado, fevereiro de 2019:
"Minha mãe se chama muda, nasci no ano passado lá em um talhão da usina e meu sobrenome não sei ao certo. Para poder estar aqui, dentro dessa plantadora, junto com meus irmãos, primos e vizinhos, precisei crescer e me desenvolver numa empreitada que não foi nada fácil. Com a ajuda dos agrônomos, venci os bichos que insistiam em querer comer minhas raízes. Também enfrentei a nojenta cigarrinha, que com aquela baba emporcalhou o Zezinho, meu irmão mais novo, que está em contato com a terra.
 Na época da seca, eu achava que não conseguiria estar aqui hoje, mas graças às sagradas gotas de vinhaça que volta e meia me molhavam, venci esse período tão complicado. Me lembro até hoje quando veio a primeira água no início do mês de setembro: foi uma festa tão bonita, parecia que as folhas dançavam no mesmo ritmo que a terra exalava um delicioso perfume!

Acredito que estou forte para a minha missão, porém depois que entrei nessa caçamba, percebi amigos bastante machucados, não sei se eles conseguirão enfrentar o pega embaixo da terra".

Enquanto isso, em uma área a qual está sendo plantada a linha-mãe de uma meiosi com MPB, em agosto de 2018:
"Também vim de um canavial, porém nunca sofri com a falta de água. Lembro que na época da seca havia irrigação, não faltava adubo e todo o terreno foi trabalhado para estar livre de pragas antes mesmo de eu nascer.

Me recordo também que todos éramos da mesma família, foi um período muito bom, o qual nos desenvolvemos bastante. Depois fomos colhidos e cada um se transformou em um chip. Foi meio estranho ser reduzido apenas à minha gema.
Acho que para amenizar esse transtorno, foi iniciada uma verdadeira temporada em um spa, a qual recebemos banho térmico e logo em seguida já fomos protegidos com fungicidas, nematicidas e enraizadores. Nossa alimentação foi balanceada à base de micro e macronutrientes misturados em um saboroso substrato feito no capricho! Para encerrar a nossa estada, ficamos em uma estufa com luz, temperatura e umidade controlada, onde pudemos brotar totalmente relaxados e fortalecidos.

Com o fim das férias, fui transplantada em um vaso individual, porém ainda estava com toda a minha família, e então, em bandejas, conhecemos nossa casa provisória, que era uma grande estufa. Lá cresci ao longo de 20 dias e foi um período muito parecido com o de uma universidade: aprendi muita coisa sobre como é a vida de verdade no talhão.
No final da preparação, ainda fiquei um período no sol e com muito menos água. Sofri como um estagiário ao ter o seu primeiro contato com o mercado de trabalho. Agora estou em um caminhão, prestes a ser plantada. Estou saudável, forte, limpa, mas com medo, pois não sei como será lá fora, principalmente porque dizem que nos últimos anos falta muita água".

O tolete foi plantado no mesmo dia que houve a desdobra da MPB. Já na cova, enterrado, cada um demandou cuidados específicos (o tolete sofreu com doenças e a MPB com a seca), porém foram bem cuidados e isso foi fundamental para conseguirem se desenvolver e renderem safras vistosas.
 

Fonte: Revista Canavieiros

Conto dos Canaviais: O tolete e a MPB

15/03/2019

Por: Marino Guerra


Em uma frente de plantio mecanizado, fevereiro de 2019:
"Minha mãe se chama muda, nasci no ano passado lá em um talhão da usina e meu sobrenome não sei ao certo. Para poder estar aqui, dentro dessa plantadora, junto com meus irmãos, primos e vizinhos, precisei crescer e me desenvolver numa empreitada que não foi nada fácil. Com a ajuda dos agrônomos, venci os bichos que insistiam em querer comer minhas raízes. Também enfrentei a nojenta cigarrinha, que com aquela baba emporcalhou o Zezinho, meu irmão mais novo, que está em contato com a terra.
 Na época da seca, eu achava que não conseguiria estar aqui hoje, mas graças às sagradas gotas de vinhaça que volta e meia me molhavam, venci esse período tão complicado. Me lembro até hoje quando veio a primeira água no início do mês de setembro: foi uma festa tão bonita, parecia que as folhas dançavam no mesmo ritmo que a terra exalava um delicioso perfume!

Acredito que estou forte para a minha missão, porém depois que entrei nessa caçamba, percebi amigos bastante machucados, não sei se eles conseguirão enfrentar o pega embaixo da terra".

Enquanto isso, em uma área a qual está sendo plantada a linha-mãe de uma meiosi com MPB, em agosto de 2018:
"Também vim de um canavial, porém nunca sofri com a falta de água. Lembro que na época da seca havia irrigação, não faltava adubo e todo o terreno foi trabalhado para estar livre de pragas antes mesmo de eu nascer.

Me recordo também que todos éramos da mesma família, foi um período muito bom, o qual nos desenvolvemos bastante. Depois fomos colhidos e cada um se transformou em um chip. Foi meio estranho ser reduzido apenas à minha gema.
Acho que para amenizar esse transtorno, foi iniciada uma verdadeira temporada em um spa, a qual recebemos banho térmico e logo em seguida já fomos protegidos com fungicidas, nematicidas e enraizadores. Nossa alimentação foi balanceada à base de micro e macronutrientes misturados em um saboroso substrato feito no capricho! Para encerrar a nossa estada, ficamos em uma estufa com luz, temperatura e umidade controlada, onde pudemos brotar totalmente relaxados e fortalecidos.

Com o fim das férias, fui transplantada em um vaso individual, porém ainda estava com toda a minha família, e então, em bandejas, conhecemos nossa casa provisória, que era uma grande estufa. Lá cresci ao longo de 20 dias e foi um período muito parecido com o de uma universidade: aprendi muita coisa sobre como é a vida de verdade no talhão.
No final da preparação, ainda fiquei um período no sol e com muito menos água. Sofri como um estagiário ao ter o seu primeiro contato com o mercado de trabalho. Agora estou em um caminhão, prestes a ser plantada. Estou saudável, forte, limpa, mas com medo, pois não sei como será lá fora, principalmente porque dizem que nos últimos anos falta muita água".

O tolete foi plantado no mesmo dia que houve a desdobra da MPB. Já na cova, enterrado, cada um demandou cuidados específicos (o tolete sofreu com doenças e a MPB com a seca), porém foram bem cuidados e isso foi fundamental para conseguirem se desenvolver e renderem safras vistosas.