http://www.forumabisolo.com/
http://site.orplana.com.br/pages/caminhos-da-cana-2017/
http://www.rossam.com.br/index.html
http://https://conferences.datagro.com/
http://icminc.com/corporate/contact-us-corporate.html
http://https://www.fenasucro.com.br/
http://www.ideaonline.com.br/conteudo/21-seminario-de-mecanizacao-e-producao-de-cana-de-acucar.html
http://www.fmcagricola.com.br/index.aspx

Tecnologia modifica pesquisa agronômica

Voltar

Meio Ambiente

21/12/2018
  Compartilhe:

Tecnologias de satélites e drones estão mudando a cara da pesquisa agronômica. Uma das discussões da Conferência Conjunta do Canadian Wheat Symposium no mês passado e do Canadian Workshop sobre Fusarium Head Blight explorou como o sensoriamento remoto está abrindo possibilidades para monitorar as condições do solo e a saúde das culturas. 

Heather McNairn, pesquisadora do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Ottawa, da Agriculture and Agri-Food Canada, analisou o papel que os satélites começaram a desempenhar na pesquisa agrícola. McNairn apontou as dificuldades na abordagem atual para monitorar o ciclo de crescimento das plantas e como elas são incômodas e ineficientes. 

Ela afirmou que, em 158,7 milhões de acres do total de terras cultiváveis no Canadá (93,4 milhões em lavouras), o método tradicional não pode alcançar cada acre. Mas os satélites, orbitando a 800 km da Terra e viajando a mais de 25.000 km / h, podem cobrir muito mais terreno, muito mais rapidamente. 

Segundo a especialista, os satélites coletam medições da quantidade de energia emitida, refletida ou dispersa. A intensidade da energia depende do tipo e condição dos solos e culturas. Por exemplo, no espectro de luz visível, a quantidade e o comprimento de onda da luz refletida podem fornecer informações sobre pigmentação da planta, estrutura interna da folha e umidade. 

Considerando que, no espectro de microondas, que não é afetado pela cobertura de nuvens, uma penetração mais profunda pode ser alcançada do que seria possível no espectro visível. Os sensores de microondas são sensíveis à umidade no solo e também podem revelar informações sobre a estrutura e podem ser usados para estimar a biomassa.

Fonte: Agrolink

Tecnologia modifica pesquisa agronômica

21/12/2018

Tecnologias de satélites e drones estão mudando a cara da pesquisa agronômica. Uma das discussões da Conferência Conjunta do Canadian Wheat Symposium no mês passado e do Canadian Workshop sobre Fusarium Head Blight explorou como o sensoriamento remoto está abrindo possibilidades para monitorar as condições do solo e a saúde das culturas. 

Heather McNairn, pesquisadora do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Ottawa, da Agriculture and Agri-Food Canada, analisou o papel que os satélites começaram a desempenhar na pesquisa agrícola. McNairn apontou as dificuldades na abordagem atual para monitorar o ciclo de crescimento das plantas e como elas são incômodas e ineficientes. 

Ela afirmou que, em 158,7 milhões de acres do total de terras cultiváveis no Canadá (93,4 milhões em lavouras), o método tradicional não pode alcançar cada acre. Mas os satélites, orbitando a 800 km da Terra e viajando a mais de 25.000 km / h, podem cobrir muito mais terreno, muito mais rapidamente. 

Segundo a especialista, os satélites coletam medições da quantidade de energia emitida, refletida ou dispersa. A intensidade da energia depende do tipo e condição dos solos e culturas. Por exemplo, no espectro de luz visível, a quantidade e o comprimento de onda da luz refletida podem fornecer informações sobre pigmentação da planta, estrutura interna da folha e umidade. 

Considerando que, no espectro de microondas, que não é afetado pela cobertura de nuvens, uma penetração mais profunda pode ser alcançada do que seria possível no espectro visível. Os sensores de microondas são sensíveis à umidade no solo e também podem revelar informações sobre a estrutura e podem ser usados para estimar a biomassa.