atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Depois da cana, Odebrecht terá frango em Angola

02/09/2014 Cana-de-Açúcar POR: Folha de São Paulo
Com 30 anos de Angola, a Odebrecht inicia uma nova fase no país africano. Após décadas dedicadas a obras de infraestrutura, o grupo agora foca também no agronegócio.
Na semana passada, a Odebrecht Angola começou a operar, junto com dois parceiros locais, a primeira usina de cana do país, dedicada à produção de açúcar para o mercado angolano.
Com capacidade de processamento de 2,2 milhões de toneladas de cana, a usina é apenas o primeiro projeto agroindustrial da empresa em Angola. Até o final deste ano, ela começa a erguer um complexo para a produção de carne de frango -um projeto inédito para o grupo, que no Brasil já atua em cana.
Usina Biocom em Angola
O plantio de grãos e feijão também é avaliado pela Biocom, empresa que construiu e opera a usina, com 40% de participação da Odebrecht.
"A África tem uma dependência alimentar muito grande e um potencial fantástico, mas a produção é muito baixa", diz Carlos Mathias, diretor-geral da Biocom. "Dificilmente vamos entrar em Angola como plataforma exportadora. Não tenho como competir em preço com o Brasil."
A concorrência brasileira preocupa a Biocom até em Angola. "Estamos negociando com o governo a colocação de uma sobretaxa para o açúcar brasileiro. Essa proteção é importante para nos dar competitividade", afirma.
Sem produção local, hoje Angola importa 100% do açúcar que consome. Cerca de 80% é fornecido pelo Brasil, que no ano passado enviou 355 mil toneladas ao país, ou 1,3% do total exportado.
Apesar de possuir nove usinas no Brasil, a Odebrecht não é uma grande exportadora de açúcar. A maioria de seus projetos no país é dedicada à produção de etanol.
DESAFIOS
Em Angola, que saiu há 12 anos de uma guerra civil, a Odebrecht tem desafios logísticos, de produtividade e de custo. O país é considerado um dos mais caros do globo.
"Se no Brasil qualquer coisa custa R$ 1, aqui custa US$ 1", disse Mathias, que evitou revelar o custo de produção.
A vantagem da usina é a área onde está localizada, concedida pelo governo angolano. A cana está sendo cultivada em 37 mil hectares ao lado da indústria, o que reduz custos com transporte.
O projeto faz parte do polo agroindustrial de Capanda, na província de Malanje, no norte do país. É lá onde também será instalado o projeto integrado de frango (produção de grãos, ração, engorda e abate das aves) e onde já produzem grãos um grupo chinês e outro espanhol.
A área é administrada pela Sodepac, órgão ligado ao governo que define quem poderá se instalar no polo. Em Angola, toda a terra é propriedade do governo, que cede o uso durante o prazo de até 65 anos, renováveis.
A terra e o clima são semelhantes aos do Cerrado brasileiro, mas o rendimento é baixo: 61 toneladas por hectare. Em 13/14, o rendimento em São Paulo foi de 83 toneladas. A empresa espera chegar a 70 toneladas em dez anos.
Nesta safra, a Biocom processará 160 mil toneladas de cana, esperando chegar a 2,2 milhões na safra 19/20, quando atingirá a maturidade. Nessa mesma temporada, serão produzidas 256 mil toneladas de açúcar, equivalente a 70% do consumo local.
No mesmo ano, a produção de etanol atingirá 28 milhões de litros. "Estamos avaliando a produção de álcool para uso da indústria local. Mas, neste primeiro momento, o etanol será vendido para mistura à gasolina", diz Mathias.
Em 2015, o governo angolano deve definir um percentual de mistura do etanol à gasolina. Apesar de ser exportador de petróleo bruto, Angola precisa importar combustíveis, devido à sua limitada capacidade de refino.
A geração de energia elétrica na usina, a partir da queima do bagaço da cana, será de 50 MW, dos quais 30 MW serão exportados para abastecer cidades vizinhas.
Com 30 anos de Angola, a Odebrecht inicia uma nova fase no país africano. Após décadas dedicadas a obras de infraestrutura, o grupo agora foca também no agronegócio.
Na semana passada, a Odebrecht Angola começou a operar, junto com dois parceiros locais, a primeira usina de cana do país, dedicada à produção de açúcar para o mercado angolano.
Com capacidade de processamento de 2,2 milhões de toneladas de cana, a usina é apenas o primeiro projeto agroindustrial da empresa em Angola. Até o final deste ano, ela começa a erguer um complexo para a produção de carne de frango -um projeto inédito para o grupo, que no Brasil já atua em cana.
Usina Biocom em Angola
O plantio de grãos e feijão também é avaliado pela Biocom, empresa que construiu e opera a usina, com 40% de participação da Odebrecht.
"A África tem uma dependência alimentar muito grande e um potencial fantástico, mas a produção é muito baixa", diz Carlos Mathias, diretor-geral da Biocom. "Dificilmente vamos entrar em Angola como plataforma exportadora. Não tenho como competir em preço com o Brasil."
A concorrência brasileira preocupa a Biocom até em Angola. "Estamos negociando com o governo a colocação de uma sobretaxa para o açúcar brasileiro. Essa proteção é importante para nos dar competitividade", afirma.
Sem produção local, hoje Angola importa 100% do açúcar que consome. Cerca de 80% é fornecido pelo Brasil, que no ano passado enviou 355 mil toneladas ao país, ou 1,3% do total exportado.
Apesar de possuir nove usinas no Brasil, a Odebrecht não é uma grande exportadora de açúcar. A maioria de seus projetos no país é dedicada à produção de etanol.
DESAFIOS
Em Angola, que saiu há 12 anos de uma guerra civil, a Odebrecht tem desafios logísticos, de produtividade e de custo. O país é considerado um dos mais caros do globo.
"Se no Brasil qualquer coisa custa R$ 1, aqui custa US$ 1", disse Mathias, que evitou revelar o custo de produção.
A vantagem da usina é a área onde está localizada, concedida pelo governo angolano. A cana está sendo cultivada em 37 mil hectares ao lado da indústria, o que reduz custos com transporte.
O projeto faz parte do polo agroindustrial de Capanda, na província de Malanje, no norte do país. É lá onde também será instalado o projeto integrado de frango (produção de grãos, ração, engorda e abate das aves) e onde já produzem grãos um grupo chinês e outro espanhol.
A área é administrada pela Sodepac, órgão ligado ao governo que define quem poderá se instalar no polo. Em Angola, toda a terra é propriedade do governo, que cede o uso durante o prazo de até 65 anos, renováveis.
A terra e o clima são semelhantes aos do Cerrado brasileiro, mas o rendimento é baixo: 61 toneladas por hectare. Em 13/14, o rendimento em São Paulo foi de 83 toneladas. A empresa espera chegar a 70 toneladas em dez anos.
Nesta safra, a Biocom processará 160 mil toneladas de cana, esperando chegar a 2,2 milhões na safra 19/20, quando atingirá a maturidade. Nessa mesma temporada, serão produzidas 256 mil toneladas de açúcar, equivalente a 70% do consumo local.
No mesmo ano, a produção de etanol atingirá 28 milhões de litros. "Estamos avaliando a produção de álcool para uso da indústria local. Mas, neste primeiro momento, o etanol será vendido para mistura à gasolina", diz Mathias.
Em 2015, o governo angolano deve definir um percentual de mistura do etanol à gasolina. Apesar de ser exportador de petróleo bruto, Angola precisa importar combustíveis, devido à sua limitada capacidade de refino.
A geração de energia elétrica na usina, a partir da queima do bagaço da cana, será de 50 MW, dos quais 30 MW serão exportados para abastecer cidades vizinhas.