atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Diesel de cana passa no teste do Rally dos Sertões 2013

08/08/2013 Cana-de-Açúcar POR: Unica
Em vez de combustíveis convencionais, o diesel de cana-de-açúcar, fruto de uma inovadora tecnologia que emite 82% menos gases causadores do efeito estufa. E foi assim, com um carro dedicado e sustentável, que o piloto Klever Kolberg e seu navegador, Flávio França, fizeram história no sábado (03/08) em Goiânia, ao completarem os 4.115 km do Rally dos Sertões 2013, principal competição do gênero realizada no Brasil e uma das mais longas do mundo.
Precursores de competições off-road, Kolberg e França, que contam com o apoio institucional da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), inovaram mais uma vez ao competirem com o protótipo T-Rex da equipe Mobil MEM Motorsport, movido a diesel de cana. Apesar do bom desempenho do biocombustível fabricado pela Amyris, problemas mecânicos fizeram com que a dupla se distanciasse da briga pelas primeiras posições, mas não a impediu de mostrar a qualidade do equipamento e do combustível inovador.
"O Sertões teve dez etapas contando o prólogo, e em oito ficamos entre os três ou quatro primeiros sempre, liderando na categoria. Numa etapa tivemos problema com motor de arranque que nos tirou 25 minutos, e na outra em Jalapão tivemos problema com o motor, o que nos prejudicou na classificação geral. Faz parte deste esporte. Andamos bem, fizemos um bom rali,” comentou Kolberg, que por conta das dificuldades técnicas terminou em 18º lugar na classificação geral. Os franceses Stephane Peterhansel e Jean-Paul Cottret foram os vencedores na categoria carros.
Com 23 participações nas mais difíceis competições de off-road do mundo, Kolberg foi o primeiro a usar etanol em corridas deste gênero, quando concorreu em 2010 no maior rally do mundo, o Rally Dakar. Ele repetiu a dosse no Rally dos Sertões de 2011, competindo novamente com etanol no tanque. No Sertões 2013, Kolberg e equipe contaram com o apoio das empresas Mobil, Amyris Biotecnologia, Dakar – Inovação e Empreendedorismo, Artfix, Sparco, MWM e Borg Warner, além do apoio da UNICA.
Em vez de combustíveis convencionais, o diesel de cana-de-açúcar, fruto de uma inovadora tecnologia que emite 82% menos gases causadores do efeito estufa. E foi assim, com um carro dedicado e sustentável, que o piloto Klever Kolberg e seu navegador, Flávio França, fizeram história no sábado (03/08) em Goiânia, ao completarem os 4.115 km do Rally dos Sertões 2013, principal competição do gênero realizada no Brasil e uma das mais longas do mundo.
Precursores de competições off-road, Kolberg e França, que contam com o apoio institucional da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), inovaram mais uma vez ao competirem com o protótipo T-Rex da equipe Mobil MEM Motorsport, movido a diesel de cana. Apesar do bom desempenho do biocombustível fabricado pela Amyris, problemas mecânicos fizeram com que a dupla se distanciasse da briga pelas primeiras posições, mas não a impediu de mostrar a qualidade do equipamento e do combustível inovador.
"O Sertões teve dez etapas contando o prólogo, e em oito ficamos entre os três ou quatro primeiros sempre, liderando na categoria. Numa etapa tivemos problema com motor de arranque que nos tirou 25 minutos, e na outra em Jalapão tivemos problema com o motor, o que nos prejudicou na classificação geral. Faz parte deste esporte. Andamos bem, fizemos um bom rali,” comentou Kolberg, que por conta das dificuldades técnicas terminou em 18º lugar na classificação geral. Os franceses Stephane Peterhansel e Jean-Paul Cottret foram os vencedores na categoria carros.
Com 23 participações nas mais difíceis competições de off-road do mundo, Kolberg foi o primeiro a usar etanol em corridas deste gênero, quando concorreu em 2010 no maior rally do mundo, o Rally Dakar. Ele repetiu a dosse no Rally dos Sertões de 2011, competindo novamente com etanol no tanque. No Sertões 2013, Kolberg e equipe contaram com o apoio das empresas Mobil, Amyris Biotecnologia, Dakar – Inovação e Empreendedorismo, Artfix, Sparco, MWM e Borg Warner, além do apoio da UNICA.