atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

É hora de “validar a utilização de fungicidas na cana no Brasil”

03/03/2015 Cana-de-Açúcar POR: Leonardo Gottems – Agrolink
“Agora está no momento de se validar a utilização de fungicidas na cultura da cana no Brasil”. A afirmação é do Doutor em Agronomia José Otavio Menten, pós-Doutor em Manejo de Pragas e Biotecnologia da ESALQ/USP e diretor financeiro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS).
“Com a introdução do agente causal da ferrugem alaranjada, o fungo Puccinia kuehnii, em 2009, diversas variedades com boas características agronômicas estão sendo questionadas por permitirem a ocorrência da ferrugem. São cerca de 1,3 milhão de ha (15% da área cultivada) com ocorrência da ferrugem alaranjada nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Goiás e Minas Gerais. Estimativas preliminares indicam danos de 20% causados por esta doença”, explica Menten. 
De acordo com ele, “trata-se de oportunidade de se incorporar, a exemplo do que ocorre nas culturas de soja, milho, algodão, trigo, feijão, arroz, batata, tomate etc., outras alternativas de manejo, seguindo o que preconiza o MIP: Manejo Integrado de Pragas”. 
“Já existem fungicidas registrados no Brasil para o manejo da ferrugem alaranjada. Como se trata de uma mudança na cultura dos produtores e consultores/técnicos, não familiarizados com a aplicação de fungicidas foliares, o assunto tem que ser mais discutido e estudado. Diversos experimentos têm demonstrado os efeitos positivos da aplicação de fungicidas. Outros experimentos estão sendo instalados na presente safra. Há necessidade de se aprimorar a tecnologia de aplicação, seu melhor posicionamento durante o ciclo (momentos da aplicação, número de aplicações etc.), entre outros aspectos”, sustenta o especialista.
“O necessário choque tecnológico na cana que deverá proporcionar aumentos expressivos de produtividade, essenciais para que a cultura supere a crise atual, exigirá tomadas de posição mais ousadas, rompendo o conservadorismo da atividade e incorporando inovações  que tenham mostrado, cientificamente, benefícios significativamente superiores aos custos destes novos procedimentos. A utilização racional de fungicidas foliares pode ser uma dessas mudanças necessárias”, conclui.
“Agora está no momento de se validar a utilização de fungicidas na cultura da cana no Brasil”. A afirmação é do Doutor em Agronomia José Otavio Menten, pós-Doutor em Manejo de Pragas e Biotecnologia da ESALQ/USP e diretor financeiro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS).
“Com a introdução do agente causal da ferrugem alaranjada, o fungo Puccinia kuehnii, em 2009, diversas variedades com boas características agronômicas estão sendo questionadas por permitirem a ocorrência da ferrugem. São cerca de 1,3 milhão de ha (15% da área cultivada) com ocorrência da ferrugem alaranjada nos estados de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Goiás e Minas Gerais. Estimativas preliminares indicam danos de 20% causados por esta doença”, explica Menten. 
De acordo com ele, “trata-se de oportunidade de se incorporar, a exemplo do que ocorre nas culturas de soja, milho, algodão, trigo, feijão, arroz, batata, tomate etc., outras alternativas de manejo, seguindo o que preconiza o MIP: Manejo Integrado de Pragas”. 
“Já existem fungicidas registrados no Brasil para o manejo da ferrugem alaranjada. Como se trata de uma mudança na cultura dos produtores e consultores/técnicos, não familiarizados com a aplicação de fungicidas foliares, o assunto tem que ser mais discutido e estudado. Diversos experimentos têm demonstrado os efeitos positivos da aplicação de fungicidas. Outros experimentos estão sendo instalados na presente safra. Há necessidade de se aprimorar a tecnologia de aplicação, seu melhor posicionamento durante o ciclo (momentos da aplicação, número de aplicações etc.), entre outros aspectos”, sustenta o especialista.
“O necessário choque tecnológico na cana que deverá proporcionar aumentos expressivos de produtividade, essenciais para que a cultura supere a crise atual, exigirá tomadas de posição mais ousadas, rompendo o conservadorismo da atividade e incorporando inovações  que tenham mostrado, cientificamente, benefícios significativamente superiores aos custos destes novos procedimentos. A utilização racional de fungicidas foliares pode ser uma dessas mudanças necessárias”, conclui.