atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Energia da cana é alternativa para diversificar a matriz elétrica do País

06/06/2012 Cana-de-Açúcar POR: Portal do Agronegócio
O setor sucroenergético produz energia a partir do bagaço da cana e quer aumentar de 2 para 18% sua participação na matriz elétrica brasileira até 2020. “O Brasil pode ter mais de 13 mil megawatts de cana-de-açúcar, o que equivale a três usinas de Belo Monte”, apontou o presidente da Biosul.

As indústrias de Mato Grosso do Sul exportaram em 2011, 1.100 giga watts hora (GWh) de eletricidade. Esse número corresponde ao abastecimento de quase a totalidade de residências de Mato Grosso do Sul. Os dados da Secretaria de Meio Ambiente, Planejamento e Tecnologia (Semac) mostram que os domicílios do Estado consumiram, em 2010, um total de 1.260 GWh. A estimativa é de que até o final de 2012, 1.300 GWh sejam somados ao sistema de eletricidade brasileiro. “Depois do “apagão”, descobrir novas fontes de geração de eletricidade passou a ser uma preocupação para os brasileiros. A cogeração a partir do bagaço da cana é uma alternativa limpa e barata”, afirmou Hollanda Filho.

A energia produzida a partir do bagaço da cana é nova no Estado. Em 2010, as indústrias cogeraram 660 GWh de energia elétrica. Em relação a 2011, a produção foi 67% maior e atingiu os 1.100 GWh. Para 2012, o crescimento será de 18% em relação ao ano passado e quase o dobro (97%) quando comparamos com 2010. O presidente da Biosul explica que conforme uma avaliação feita pelo Projeto Agora, que reúne entidades ligadas a produção de açúcar e etanol, uma tonelada de bagaço de cana pode gerar 300 KWh - o consumo médio de uma residência é de 154 KWh. Hoje, das 22 usinas de cana-de-açúcar em Mato Grosso do Sul, oito fazem a cogeração de eletricidade a partir do bagaço.

Apesar dos números serem considerados positivos, a eletricidade a partir da biomassa ainda tem alguns entraves e adequações para ficar mais competitiva. Atualmente, existem duas maneiras de se comercializar esse produto, uma delas é de venda direta aos grandes consumidores e outra é por meio dos leilões. Nos leilões, esse produto das usinas concorre com outras energias renováveis. “Se analisarmos que a energia eólica só é produzida em algumas regiões do Nordeste brasileiro, existe um custo logístico para que ela chegue até o Centro-Sul, por exemplo. “Devem ser incentivados diferentes tipos de fontes renováveis e consideradas as externalidades de cada opção”, explicou Hollanda.

Para mais informações, acesse www.biosulms.com.br

Fonte original: Biosul