atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Estiagem força safra mais curta de cana-de-açúcar

24/09/2014 Cana-de-Açúcar POR: Comércio de Jaú
Cenário deve ser positivo no próximo ano Incêndios trazem prejuízo para produtores
Palavra de Especialista: Produção de açúcar As usinas que processam cana-de-açúcar para a produção de etanol e açúcar devem iniciar mais cedo a estocagem dos dois tipos de produtos para abastecer o mercado no período de entressafra. A safra terminará antes do previsto por causa da forte estiagem de 2014.
Conforme apuração do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), agentes de usinas da região Centro-Sul do Brasil adotam postura mais retraída ao longo da temporada.
“Com a possibilidade de quebra da safra, muitas unidades vêm preferindo estocar parte
da produção para comercialização no período de entressafra, que também deverá ser antecipada, com o término prematuro da moagem” , cita o Cepea, por meio de nota.
De acordo com o diretor-técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única), Antônio de Pádua Rodrigues, a formação de estoques é natural porque a produção de
etanol e açúcar é sazonal, normalmente de abril a novembro. “É preciso ter produto para garantir o abastecimento até a próxima safra” , diz Rodrigues. “A diferença neste ano é que a entressafra pode ser mais longa em função da quebra agrícola.” Outro fator que resulta em perdas na cultura da cana são os incêndios em canaviais.
Preços 
A quebra estimada em 15% não deve afetar o abastecimento e o preço ao consumidor
final. “Acredito que não haverá aumentos significativos no preço do etanol na entressafra por causa da estocagem feita atualmente” , comenta a economista da MB Agro Renata Marconato. Ela estima que em 2015 o setor poderá ter recuperação.
O diretor-técnico da Única explica que não existem margens para alterações de preço.
No caso do etanol anidro (misturado à gasolina), há regulação do governo. No início da
safra todo o volume necessário até o período da próxima é contratado pelas distribuidoras. Quem não cumpre a determinação sofre penalidades.
Em relação ao etanol hidratado (utilizado diretamente para o abastecimento de veículos),
a definição sobre a compra ou não cabe ao consumidor. “Se o etanol não for competitivo, o motorista opta pela gasolina” , diz Rodrigues.
Apesar da quebra agrícola deste ano, o abastecimento do mercado interno está garantido. O gestor da Única aponta redução na produção e exportação de açúcar de 3
milhões de toneladas. No caso do etanol, também houve diminuição das exportações no
comparativo à safra anterior.
As usinas que processam cana-de-açúcar para a produção de etanol e açúcar devem iniciar mais cedo a estocagem dos dois tipos de produtos para abastecer o mercado no período de entressafra. A safra terminará antes do previsto por causa da forte estiagem de 2014. 
Conforme apuração do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), agentes de usinas da região Centro-Sul do Brasil adotam postura mais retraída ao longo da temporada. “Com a possibilidade de quebra da safra, muitas unidades vêm preferindo estocar parte da produção para comercialização no período de entressafra, que também deverá ser antecipada, com o término prematuro da moagem” , cita o Cepea, por meio de nota.
De acordo com o diretor-técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única), Antônio de Pádua Rodrigues, a formação de estoques é natural porque a produção de etanol e açúcar é sazonal, normalmente de abril a novembro. “É preciso ter produto para garantir o abastecimento até a próxima safra” , diz Rodrigues. “A diferença neste ano é que a entressafra pode ser mais longa em função da quebra agrícola.” Outro fator que resulta em perdas na cultura da cana são os incêndios em canaviais.
Preços 
A quebra estimada em 15% não deve afetar o abastecimento e o preço ao consumidor final. “Acredito que não haverá aumentos significativos no preço do etanol na entressafra por causa da estocagem feita atualmente” , comenta a economista da MB Agro Renata Marconato. Ela estima que em 2015 o setor poderá ter recuperação. O diretor-técnico da Única explica que não existem margens para alterações de preço.
No caso do etanol anidro (misturado à gasolina), há regulação do governo. No início da safra todo o volume necessário até o período da próxima é contratado pelas distribuidoras. Quem não cumpre a determinação sofre penalidades.
Em relação ao etanol hidratado (utilizado diretamente para o abastecimento de veículos), a definição sobre a compra ou não cabe ao consumidor. “Se o etanol não for competitivo, o motorista opta pela gasolina” , diz Rodrigues.
Apesar da quebra agrícola deste ano, o abastecimento do mercado interno está garantido. O gestor da Única aponta redução na produção e exportação de açúcar de 3 milhões de toneladas. No caso do etanol, também houve diminuição das exportações no comparativo à safra anterior.