atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

ETANOL DE MILHO A PAULISTA?

22/08/2019 Etanol POR: Revista Canavieiros
Por: Marino Guerra
 
É inegável que para suprir o crescimento da demanda de etanol (que vai acontecer de maneira expressiva nos próximos dez anos) a participação do milho para a sua produção será demasiadamente importante.
 
Também era ponto pacífico que essa produção seria algo quase que exclusivo da região Centro-oeste, maior produtora nacional de milho, pela obvia razão de se industrializar a matéria prima in loco, eliminando praticamente o assombroso custo do frete do grão, que praticamente duplica o seu valor.
 
Contudo em tempos de inovação, o termo “ponto pacífico” se torna um pouco fora de moda, fazendo com que a possibilidade das unidades industriais paulistas modificarem suas destilarias para um modelo flex (que aceite tanto cana como milho como matéria-prima) seja cada vez mais ventilada, tendência que parece ganhar corpo nos corredores, estandes e auditórios da Fenasucro 2019.
 
Como abordou o representante da Fermentec, Alexandre Godoy, em palestra realizada na manhã desta quinta-feira. O profissional mostrou que perante o cenário de mercado do biocombustível, (com a entrada em prática do RenovaBio), as unidades industriais não poderão mais se dar ao luxo de realizar períodos de entressafra que duram de três a absurdos seis meses, “a usina vai ter que parar somente para a manutenção nas caldeiras e voltar a rodar”.
 
Nessa conjuntura o milho é a alternativa mais lógica, isso porque na sua visão o grão não será plantando, se tornando assim um concorrente em área para a cana, mas comprado.
 
Além disso, ele mostrou que a prática vislumbrará para as companhias o mercado de rações, devido a fabricação do DDG, que cresce cerca de 5% ao ano.
 
Segundo Godoy o grande desafio está no ganho de eficiência para minimizar o valor do milho entregue na usina, que ainda é superior ao faturamento. No entanto, já há tecnologia para isso, e com o ganho de competitividade que o RenovaBio trará, o impossível será cada vez mais a opinião da grande maioria.