atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Fazendeiros começam a diminuir terras com cana para criar gado na região

18/01/2016 Cana-de-Açúcar POR: O Liberal Regional
O preço da arroba do boi gordo pronto para abate começo 2016 valorizado pelo mercado internacional na região de Araçatuba. Na cotação oficial da BM&F Bovespa, o preço da arroba do boi, ontem (14), era de R$ 150,80.
O boi valorizado no país ameaça outros setores da economia e existe a estimativa de que o mercado da carne bovina se torne o carro-chefe da balança comercial a partir de 2020. Esta é a estimativa de Luiz Claudio de Souza Paranhos Ferreira, presidente da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu. Ao jornal Folha de S. Paulo, Ferreira disse que o setor deve ultrapassar a soja, caso continua exportando tanta carne para mercados como da China e Rússia.
Aqui no noroeste paulista, a pecuária também começa a mudar. Segundo Alfredo Ferreira Neves Filho, o Alfredinho, presidente da Câmara Setorial de Agricultura e Abastecimento de São Paulo e um dos agricultores mais influentes de Araçatuba, muitos fazendeiros estão diminuindo a quantidade de terras arrendadas para as usinas de cana-de-açúcar e voltando a investir na pecuária.
"O setor sucroalcooleiro estava com problemas financeiros e os fazendeiros foram diminuindo a terra arrendada para o plantio da cana. Eles estão entrando novamente na pecuária. De um tempo para cá o rebanho na região cresceu muito", disse Alfredinho.
Ele estima que o rebanho da região, hoje, tenha de 220 a 250 mil cabeças de gado. O Brasil tem o maior rebanho comercial do mundo, com 208 milhões de cabeças, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Segundo a Abiec (Associação Brasileira da Indústria de Carnes), a produção anual de carne bovina no país é de 10 milhões de toneladas, com 21% destinados à exportação.
"O mercado está firme. A procura pela carne bovina é grande, mas a oferta é pequena, por isso está valorizada. Quem trabalha com a venda de reposição (bezerros que são vendidos para as fazendas) está lucrando bem porque falta boi. Hoje, o bezerro desmamado está custando de R$ 1.400 a R$ 1.500 e o garrote está custando entre R$ 2.000 e R$ 2.100", disse.
A valorização do mercado, segundo ele, é fruto de uma balança comercial equilibrada e da exportação em massa da carne, que cresceu nos últimos anos. "Essa valorização também aconteceu porque o Brasil está exportando muita carne para a China, Venezuela e Rússia. A China é o maior comprador de carne bovina do Brasil hoje", finalizou.
O preço da arroba do boi gordo pronto para abate começo 2016 valorizado pelo mercado internacional na região de Araçatuba. Na cotação oficial da BM&F Bovespa, o preço da arroba do boi, ontem (14), era de R$ 150,80.
O boi valorizado no país ameaça outros setores da economia e existe a estimativa de que o mercado da carne bovina se torne o carro-chefe da balança comercial a partir de 2020. Esta é a estimativa de Luiz Claudio de Souza Paranhos Ferreira, presidente da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu. Ao jornal Folha de S. Paulo, Ferreira disse que o setor deve ultrapassar a soja, caso continua exportando tanta carne para mercados como da China e Rússia.
Aqui no noroeste paulista, a pecuária também começa a mudar. Segundo Alfredo Ferreira Neves Filho, o Alfredinho, presidente da Câmara Setorial de Agricultura e Abastecimento de São Paulo e um dos agricultores mais influentes de Araçatuba, muitos fazendeiros estão diminuindo a quantidade de terras arrendadas para as usinas de cana-de-açúcar e voltando a investir na pecuária.

"O setor sucroalcooleiro estava com problemas financeiros e os fazendeiros foram diminuindo a terra arrendada para o plantio da cana. Eles estão entrando novamente na pecuária. De um tempo para cá o rebanho na região cresceu muito", disse Alfredinho.
Ele estima que o rebanho da região, hoje, tenha de 220 a 250 mil cabeças de gado. O Brasil tem o maior rebanho comercial do mundo, com 208 milhões de cabeças, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Segundo a Abiec (Associação Brasileira da Indústria de Carnes), a produção anual de carne bovina no país é de 10 milhões de toneladas, com 21% destinados à exportação.
"O mercado está firme. A procura pela carne bovina é grande, mas a oferta é pequena, por isso está valorizada. Quem trabalha com a venda de reposição (bezerros que são vendidos para as fazendas) está lucrando bem porque falta boi. Hoje, o bezerro desmamado está custando de R$ 1.400 a R$ 1.500 e o garrote está custando entre R$ 2.000 e R$ 2.100", disse.
A valorização do mercado, segundo ele, é fruto de uma balança comercial equilibrada e da exportação em massa da carne, que cresceu nos últimos anos. "Essa valorização também aconteceu porque o Brasil está exportando muita carne para a China, Venezuela e Rússia. A China é o maior comprador de carne bovina do Brasil hoje", finalizou.