atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Ferrugem alaranjada preocupa produtores de cana

13/07/2015 Cana-de-Açúcar POR: Canal Rural
Produtores de cana vivem um momento de apreensão pelo período de ocorrência das ferrugens alaranjadas. Com os altos volumes de chuva dos últimos dois meses a doença se alastrou.
Estimativas preliminares apontam que a doença provocou danos de até 20% nas lavouras de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Minas Gerais.
A doença, comum em plantações asiáticas, chegou ao Brasil por correntes de ar em 2009. Para produtores e especialistas, a ferrugem alaranjada é mais agressiva que a marrom, porque se alastra em um tempo menor pela folha e pode provocar necrose de até 100% da cana.
A ferrugem marrom ataca mais a cana no início do ciclo da cultura, e o alaranjado acaba tendo maior incidência nesse período, a partir dos seis meses, até o final do ciclo.
Então tem uma preocupação de agora de abril a junho de ocorrência da alaranjada.
A pesquisadora do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), Aline Zavaglia, afirma que o uso de controle químico é eficiente nesse caso, porque ele combate à doença e funciona como medida preventiva.
Produtores de cana vivem um momento de apreensão pelo período de ocorrência das ferrugens alaranjadas. Com os altos volumes de chuva dos últimos dois meses a doença se alastrou.

Estimativas preliminares apontam que a doença provocou danos de até 20% nas lavouras de São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Minas Gerais.
A doença, comum em plantações asiáticas, chegou ao Brasil por correntes de ar em 2009. Para produtores e especialistas, a ferrugem alaranjada é mais agressiva que a marrom, porque se alastra em um tempo menor pela folha e pode provocar necrose de até 100% da cana.
A ferrugem marrom ataca mais a cana no início do ciclo da cultura, e o alaranjado acaba tendo maior incidência nesse período, a partir dos seis meses, até o final do ciclo.
Então tem uma preocupação de agora de abril a junho de ocorrência da alaranjada.
A pesquisadora do Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), Aline Zavaglia, afirma que o uso de controle químico é eficiente nesse caso, porque ele combate à doença e funciona como medida preventiva.