Global Agribusiness Forum INSIDE: Como alimentar o mundo até 2050? Visão da indústria de defesa e biotecnologia

28/07/2022 Noticias POR: Marino Guerra

Giulia Di Tommaso, presidente e CEO da CropLife International: “Temos tecnologias que demoram mais de 20 anos para chegar há alguns países”

No painel que discutiu os desafios em conseguir garantir a segurança alimentar de toda a população global até 2050 partindo da premissa de que ela crescerá 25%, a presidente e CEO da CropLife International, associação que reúne a indústria de proteção de cultivos e biotecnologia, Giulia Di Tommaso, manifestou a visão da organização que representa.

Segundo ela, a humanidade precisa resolver o paradoxo atual da necessidade em se produzir mais com menos recursos num cenário geopolítico de conflitos e aumento de barreiras comerciais.

Outra questão apontada é a evolução nas políticas regulatórias e a disseminação de novas ferramentas inovadoras: “Temos tecnologias que demoram mais de 20 anos para chegar há alguns países”.

E concluiu com uma visão de que a fome só será vencida com a unidade entre todos: “Os desafios são complexos para serem resolvidos por um ator sozinho, assim a união entre setores públicos e privados é fundamental”.

Sobre o posicionamento da líder, o mediador do painel, Ricardo Santin, presidente da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) resumiu num posicionamento bastante simples: “O mundo não deveria ter nenhuma fronteira quando se fala da produção e distribuição de alimentos”.

Ricardo Santin, presidente da ABPA: “O mundo não deveria ter nenhuma fronteira quando se fala da produção e distribuição de alimentos”