Global Agribusiness Forum INSIDE: Como alimentar o mundo até 2050? Visão dos Estados Unidos

28/07/2022 Noticias POR: Marino Guerra

Nicolas Rubio, cônsul no Brasil para assuntos agrícolas do USDA, destacou que somente com o compartilhamento de informações e pesquisas integradas, principalmente entre as principais nações produtoras, será possível conseguir atingir a segurança alimentar global

No painel que discutiu os desafios em conseguir garantir a segurança alimentar de toda população global até 2050 partindo da premissa de que ela crescerá 25%, o cônsul no Brasil para assuntos agrícolas do USDA (Departamento Agrícola dos Estados Unidos), Nicolas Rubio, destacou os principais fatores que necessitam ser superados.

Em primeiro lugar, ele definiu como os EUA definem a expressão “Segurança Alimentar” através de um tripé formado por disponibilidade, acesso e utilização.

A disponibilidade é alcançada quando há produção, distribuição e intercâmbio (comércio internacional); enquanto que para se conseguir o acesso pleno é necessária acessibilidade financeira, alocação de recursos corretas e garantir a possibilidade de escolha.

Quanto a utilização, as questões relacionadas são os valores nutricionais, sociais e ambientais que o alimento é produzido, além da qualidade que chegará ao destino final.

Então ele questionou: Todos esses fatores são estáveis o tempo todo? ” Para, em seguida, enumerar diversos problemas geradores da atual crise alimentar mundial, como: disputas comerciais, gargalos logísticos, acesso à insumos, sanidade animal e, o qual ele definiu como o principal, as mudanças climáticas.

E concluiu citando dois focos que precisam estar presentes principalmente nas potências produtoras que são: compartilhamento de informações e pesquisas integradas.