Global Agribusiness Forum INSIDE: Logística global: Gap burocrático

02/08/2022 Noticias POR: Marino Guerra

Alexandre Duarte, diretor executivo da Fermac Cargo e diretor logístico da Abrafrutas: “Exige-se do produtor, do produto, da logística para se perder num gap burocrático”  

No painel que discutiu os desafios em se conectar a produção agropecuária com a cadeia de suprimentos globais, o diretor executivo da Fermac Cargo e diretor logístico da Abrafrutas (Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frutas e Derivados), Alexandre Duarte, narrou o problema que enfrentam com a fiscalização nos aeroportos.

Porém, antes, relatou todo o esforço das companhias aéreas e marítimas cargueiras em adotarem combustíveis mais limpos e informou que a empresa que dirige já adota uma mistura com óleo de cozinha usado.

“Há restrição de redes de supermercado que não compram frutas transportadas por aviões movidos a querosene comum. Nossa solução, que é certificada, nos ajudou a permanecer e abrir novos mercados mais exigentes sob o ponto de vista ambiental”, explicou a liderança.

Para, em seguida, chegar na parte triste da história, a falta de critérios e estrutura adequada da inspeção nos aeroportos. “Somos uma cadeia limpa e organizada que é quebrada no meio do caminho, pois o produto é descaracterizado, inclusive perdendo sua higienização antes e após o voo”.

Outra questão séria é a demora na certificação para a saída do produto.

E finalizou ao revelar o dado que dos 17% dos alimentos do setor que são desperdiçados, 6% são nos aeroportos: “Exige-se do produtor, do produto, da logística para se perder num gap burocrático”.