atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Guarani encerra safra 2014/15

11/12/2014 Cana-de-Açúcar POR: Comunicação Guarani
A Guarani, empresa do Grupo Tereos e uma das líderes do setor sucroenergético brasileiro, encerra a safra 2014/15, em meados de dezembro e, apesar do longo período de estiagem registrado nesse ano, deverá moer 20,3 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. Um crescimento de 3% em relação à safra anterior.
O evento para oficializar o encerramento do ciclo aconteceu hoje (10 de dezembro), no Parque do Peão em Barretos, e recebeu fornecedores de cana do Grupo, autoridades e entidades representativas do setor, como a Unica (União da Indústria de Cana de Açúcar) e o CTC (Centro de Tecnologia Canavieira).
Durante o encontro, a Companhia anunciou o balanço da safra 2014/15 e antecipou as perspectivas para o próximo ciclo. Segundo Alberto Pedrosa, diretor Presidente da Guarani, 2014 foi um ano, particularmente, difícil e de muitos desafios para o setor sucroenergético.
"Fomos surpreendidos por uma seca histórica, que trouxe impacto negativo para nossas atividades, já afetadas por uma série de fatores de mercado desfavoráveis. Tivemos uma redução significativa na produtividade agrícola e no volume total de produção. Precisamos manter o foco em nossa competitividade para garantir nosso sucesso, mesmo em tempos adversos", acrescenta. 
Na safra 2014/15 a empresa avançou na cogeração de bioeletricidade e, já no próximo ano, deve gerar 1200 GWh de energia limpa e renovável para comercialização. 
No campo, a Guarani também chega ao fim da safra cumprindo integralmente o compromisso assumido com a assinatura do Protocolo Agroambiental. A empresa implementou a colheita mecanizada em 100% das áreas mecanizáveis. Isso representa 98% de sua cana própria.
"A colheita mecanizada elimina a queima da palha, trazendo benefícios ambientais para a nossa região", conclui Pedrosa.
Para a próxima safra, a expectativa da companhia, é continuar crescendo o seu volume de moagem.
 
A Guarani, empresa do Grupo Tereos e uma das líderes do setor sucroenergético brasileiro, encerra a safra 2014/15, em meados de dezembro e, apesar do longo período de estiagem registrado nesse ano, deverá moer 20,3 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. Um crescimento de 3% em relação à safra anterior.
O evento para oficializar o encerramento do ciclo aconteceu hoje (10 de dezembro), no Parque do Peão em Barretos, e recebeu fornecedores de cana do Grupo, autoridades e entidades representativas do setor, como a Unica (União da Indústria de Cana de Açúcar) e o CTC (Centro de Tecnologia Canavieira).
Durante o encontro, a Companhia anunciou o balanço da safra 2014/15 e antecipou as perspectivas para o próximo ciclo. Segundo Alberto Pedrosa, diretor Presidente da Guarani, 2014 foi um ano, particularmente, difícil e de muitos desafios para o setor sucroenergético.
"Fomos surpreendidos por uma seca histórica, que trouxe impacto negativo para nossas atividades, já afetadas por uma série de fatores de mercado desfavoráveis. Tivemos uma redução significativa na produtividade agrícola e no volume total de produção. Precisamos manter o foco em nossa competitividade para garantir nosso sucesso, mesmo em tempos adversos", acrescenta. 
Na safra 2014/15 a empresa avançou na cogeração de bioeletricidade e, já no próximo ano, deve gerar 1200 GWh de energia limpa e renovável para comercialização. 
No campo, a Guarani também chega ao fim da safra cumprindo integralmente o compromisso assumido com a assinatura do Protocolo Agroambiental. A empresa implementou a colheita mecanizada em 100% das áreas mecanizáveis. Isso representa 98% de sua cana própria.
"A colheita mecanizada elimina a queima da palha, trazendo benefícios ambientais para a nossa região", conclui Pedrosa.
Para a próxima safra, a expectativa da companhia, é continuar crescendo o seu volume de moagem.