atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Indústria sucroenergética Monteverde é 10ª a receber Selo Ambiental do Senai

15/06/2015 Cana-de-Açúcar POR: Jornal Agora MS
A indústria sucroenergética Monteverde, unidade da Bunge Brasil em Ponta Porã (MS), foi a 10ª empresa de Mato Grosso do Sul a receber o Selo Ambiental do PSE (Programa Senai de Ecoeficiência), que amplia o percentual do incentivo fiscal concedido pelo Governo do Estado e atesta e classifica a eficiência ambiental das empresas. Durante cerimônia realizada neste sábado (13/06) no EcoSesi Observatório Socioambiental, em Bonito (MS), a indústria sucroenergética recebeu o Selo Verde, que representa uma isenção de mais 5% sobre o benefício fiscal concedido pelo Estado.
Segundo o gerente de tecnologia e inovação do Senai, Gilberto Evídio Schaedler, o objetivo do Programa é estimular a busca da sustentabilidade e, até agora, já receberam o Selo Ambiental indústrias de diferentes segmentos, como alimentos, sucroenergético, embalagens, reciclagem, siderurgia, além de papel e celulose. “O Senai contribui para que as empresas fiquem ainda mais atentas à importância de desenvolver ações que visem à sustentabilidade industrial de Mato Grosso do Sul”, declarou.
Ele ressaltou que, em paralelo a isso, a empresa tem a oportunidade de tentar ampliar o percentual de incentivo fiscal. “O que acaba sendo revertido no custeio de novos investimentos e adequações necessárias em relação aos aspectos ambientais. Isso mostra que mesmo em tempos de desafios o PSE aparece com o diferencial propondo novas alternativas que beneficiem todos os agentes envolvidos”, disse.
O gerente do Senai de Campo Grande, Marcos Costa, também esteve presente à cerimônia de entrega do Selo. “Buscamos viabilizar as boas práticas com relação ao meio ambiente e colocar o Senai da Capital para que possam conhecer os nossos trabalhos, além disso queremos colocar toda a equipe à disposição para atendê-los. Uma grande oportunidade de estarmos mais próximos”, reforçou.
Para o gerente da Monteverde, Gleison Lagares, o recebimento do Selo representa mais credibilidade e reconhecimento. “O Selo Ambiental atesta nossas boas práticas ambientais e respeito pelo meio ambiente. Além disso, a busca pela excelência operacional em todas as dimensões do negócio é nossa meta constante. Seguiremos aprimorando processos e buscando essa excelência”, disse após receber o selo ao lado do gerente industrial da Monteverde, André Luís Escoura.
O Selo
Agora, com a Monteverde, já receberam o Selo Ambiental as indústrias Santa Luzia, Energética Santa Helena, Inflex, International Paper, Vetorial, Usina Sonora, Metap Repram, Semalo e Coca-Cola. Os selos ambientais do Senai servem para classificar a eficiência ambiental das indústrias estaduais de acordo com os parâmetros pré-estabelecidos no Decreto Estadual nº 13.606, de 25 de abril de 2013, que prorrogam até 2028 os incentivos fiscais para o setor industrial sul-mato-grossense, permitindo a ampliação, em até 5%, do percentual do benefício fiscal já concedido mediante à efetividade do plano técnico de sustentabilidade ambiental das empresas.
O Senai, em parceria com o EcoSesi Bonito, desenvolve o Programa de Ecoeficiência, que dá suporte aos selos ambientais destinados às indústrias do Estado, sendo desenvolvido em 7 etapas: adesão, habilitação, definição de metas, implementação da metodologia do PSE, processo de auditoria, avaliação ambiental e emissão de selo ambiental.
Essas 7 etapas são relevantes para a compreensão de todo o processo, desde a habilitação da empresa até a emissão do selo. Porém, é prerrogativa do Programa a análise prévia do sistema de gestão ambiental existente na empresa. Por meio da pontuação de desempenho ambiental, o PSE vai conceder 5 selos ambientais (verde, azul, laranja, marrom e branco), sendo que cada um tem sua equivalência entre a pontuação e o percentual do incentivo fiscal concedido.
O Selo Verde tem conceito entre 81 a 100 pontos e concede à indústria 5% a mais de incentivo fiscal, enquanto Selo Azul tem conceito entre 61 a 80 pontos e incentivo fiscal de 4% a mais, o Selo Laranja tem conceito entre 41 e 60 pontos e 3% a mais de incentivo fiscal, o Selo Marrom tem conceito entre 21 e 40 pontos e incentivo fiscal de mais 2% e o Selo Branco tem conceito entre 1 a 20 pontos e incentivo fiscal de mais 1%. A pontuação poderá ser revista a qualquer tempo, na vigência do benefício fiscal ou na vigência do prazo estabelecido para execução do processo de auditoria, adequando-se a um novo resultado, aumentando ou diminuindo o nível do selo no limite entre 1% e 5%.
A indústria sucroenergética Monteverde, unidade da Bunge Brasil em Ponta Porã (MS), foi a 10ª empresa de Mato Grosso do Sul a receber o Selo Ambiental do PSE (Programa Senai de Ecoeficiência), que amplia o percentual do incentivo fiscal concedido pelo Governo do Estado e atesta e classifica a eficiência ambiental das empresas. Durante cerimônia realizada neste sábado (13/06) no EcoSesi Observatório Socioambiental, em Bonito (MS), a indústria sucroenergética recebeu o Selo Verde, que representa uma isenção de mais 5% sobre o benefício fiscal concedido pelo Estado.

 
Segundo o gerente de tecnologia e inovação do Senai, Gilberto Evídio Schaedler, o objetivo do Programa é estimular a busca da sustentabilidade e, até agora, já receberam o Selo Ambiental indústrias de diferentes segmentos, como alimentos, sucroenergético, embalagens, reciclagem, siderurgia, além de papel e celulose. “O Senai contribui para que as empresas fiquem ainda mais atentas à importância de desenvolver ações que visem à sustentabilidade industrial de Mato Grosso do Sul”, declarou.

 
Ele ressaltou que, em paralelo a isso, a empresa tem a oportunidade de tentar ampliar o percentual de incentivo fiscal. “O que acaba sendo revertido no custeio de novos investimentos e adequações necessárias em relação aos aspectos ambientais. Isso mostra que mesmo em tempos de desafios o PSE aparece com o diferencial propondo novas alternativas que beneficiem todos os agentes envolvidos”, disse.

 
O gerente do Senai de Campo Grande, Marcos Costa, também esteve presente à cerimônia de entrega do Selo. “Buscamos viabilizar as boas práticas com relação ao meio ambiente e colocar o Senai da Capital para que possam conhecer os nossos trabalhos, além disso queremos colocar toda a equipe à disposição para atendê-los. Uma grande oportunidade de estarmos mais próximos”, reforçou.

 
Para o gerente da Monteverde, Gleison Lagares, o recebimento do Selo representa mais credibilidade e reconhecimento. “O Selo Ambiental atesta nossas boas práticas ambientais e respeito pelo meio ambiente. Além disso, a busca pela excelência operacional em todas as dimensões do negócio é nossa meta constante. Seguiremos aprimorando processos e buscando essa excelência”, disse após receber o selo ao lado do gerente industrial da Monteverde, André Luís Escoura.

 
O Selo
Agora, com a Monteverde, já receberam o Selo Ambiental as indústrias Santa Luzia, Energética Santa Helena, Inflex, International Paper, Vetorial, Usina Sonora, Metap Repram, Semalo e Coca-Cola. Os selos ambientais do Senai servem para classificar a eficiência ambiental das indústrias estaduais de acordo com os parâmetros pré-estabelecidos no Decreto Estadual nº 13.606, de 25 de abril de 2013, que prorrogam até 2028 os incentivos fiscais para o setor industrial sul-mato-grossense, permitindo a ampliação, em até 5%, do percentual do benefício fiscal já concedido mediante à efetividade do plano técnico de sustentabilidade ambiental das empresas.

 
O Senai, em parceria com o EcoSesi Bonito, desenvolve o Programa de Ecoeficiência, que dá suporte aos selos ambientais destinados às indústrias do Estado, sendo desenvolvido em 7 etapas: adesão, habilitação, definição de metas, implementação da metodologia do PSE, processo de auditoria, avaliação ambiental e emissão de selo ambiental.

 
Essas 7 etapas são relevantes para a compreensão de todo o processo, desde a habilitação da empresa até a emissão do selo. Porém, é prerrogativa do Programa a análise prévia do sistema de gestão ambiental existente na empresa. Por meio da pontuação de desempenho ambiental, o PSE vai conceder 5 selos ambientais (verde, azul, laranja, marrom e branco), sendo que cada um tem sua equivalência entre a pontuação e o percentual do incentivo fiscal concedido.

 
O Selo Verde tem conceito entre 81 a 100 pontos e concede à indústria 5% a mais de incentivo fiscal, enquanto Selo Azul tem conceito entre 61 a 80 pontos e incentivo fiscal de 4% a mais, o Selo Laranja tem conceito entre 41 e 60 pontos e 3% a mais de incentivo fiscal, o Selo Marrom tem conceito entre 21 e 40 pontos e incentivo fiscal de mais 2% e o Selo Branco tem conceito entre 1 a 20 pontos e incentivo fiscal de mais 1%. A pontuação poderá ser revista a qualquer tempo, na vigência do benefício fiscal ou na vigência do prazo estabelecido para execução do processo de auditoria, adequando-se a um novo resultado, aumentando ou diminuindo o nível do selo no limite entre 1% e 5%.