atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Inovação no controle da broca da cana-de-açúcar

30/06/2015 Cana-de-Açúcar POR: Assessoria de Imprensa da Clealco 29/06015
A Diatraea saccharalis, popularmente conhecida como broca da cana-de-açúcar, é uma das piores pragas que atingem os canaviais, prejudicando a qualidade da mesma. Com o objetivo de conter e eliminar essa praga, o Grupo Clealco foi em busca de uma nova técnica para solucionar o problema.
Trata-se do uso de Trichogramma galloi, uma microvespa que mede aproximadamente 0,3mm, que parasita os ovos da broca da cana-de-açúcar, sem prejudicar o meio ambiente ou a saúde das pessoas. As fêmeas das vespas depositam seus ovos no interior dos ovos da praga, inutilizando os mesmos; os ovos ganham uma cor escura e dão origem a novas vespas. O processo dura em média de sete a 15 dias, variando de acordo com a temperatura do ambiente. Em locais quentes, o ciclo pode ser adiantado e, em locais mais frios, atrasado.
As vespinhas fêmeas se alimentam do néctar e do pólen das flores, e seu ciclo de vida dura em torno de oito dias, podendo parasitar mais de 50 ovos da broca.
Para que o Trichogramma seja eficiente, seu uso deve começar no momento em que os ovos da praga estejam presentes no campo, pois os adultos do parasitoide são muito sensíveis aos defensivos usados nas culturas. As microvespas chegam até o canavial, em cartelas, contendo ovos esterilizados do hospedeiro alternativo (Anagasta kuehniella, que não é praga em lavouras). O escurecimento dos ovos da broca é a indicação de que estão parasitados.
Cada cartela contém 50 cápsulas com pelo menos mil indivíduos cada; uma cartela controla a um hectare, ou seja, são 50 mil vespinhas por hectare. Por ser um organismo vivo e em desenvolvimento, não é possível estocar. Após a aplicação, a microvespa voa pela lavoura em busca dos ovos da broca para depositar seus ovos no interior dos mesmos. De cada ovo da praga, surge uma ou mais vespinhas, que darão início a um novo ciclo de busca e de parasitismo. 
Todo o ciclo de vida deste inseto (ovo-adulto) ocorre dentro do ovo da praga e dura cerca de dez dias, à temperatura de 25°C. Ao terminar o ciclo e se tornar adulto, ele rompe a casca do ovo e sai. Vespinhas do gênero Trichogramma podem voar num raio de aproximadamente dez metros, por isso, recomenda-se um espaçamento dessa medida para a liberação de cada cápsula. Está em estudos, uma forma mais prática e econômica de liberação desse parasitoide no campo, utilizando o meio aéreo, através de aviões agrícolas.
A Diatraea saccharalis, popularmente conhecida como broca da cana-de-açúcar, é uma das piores pragas que atingem os canaviais, prejudicando a qualidade da mesma. Com o objetivo de conter e eliminar essa praga, o Grupo Clealco foi em busca de uma nova técnica para solucionar o problema.
Trata-se do uso de Trichogramma galloi, uma microvespa que mede aproximadamente 0,3mm, que parasita os ovos da broca da cana-de-açúcar, sem prejudicar o meio ambiente ou a saúde das pessoas. As fêmeas das vespas depositam seus ovos no interior dos ovos da praga, inutilizando os mesmos; os ovos ganham uma cor escura e dão origem a novas vespas. O processo dura em média de sete a 15 dias, variando de acordo com a temperatura do ambiente. Em locais quentes, o ciclo pode ser adiantado e, em locais mais frios, atrasado.
As vespinhas fêmeas se alimentam do néctar e do pólen das flores, e seu ciclo de vida dura em torno de oito dias, podendo parasitar mais de 50 ovos da broca.
Para que o Trichogramma seja eficiente, seu uso deve começar no momento em que os ovos da praga estejam presentes no campo, pois os adultos do parasitoide são muito sensíveis aos defensivos usados nas culturas. As microvespas chegam até o canavial, em cartelas, contendo ovos esterilizados do hospedeiro alternativo (Anagasta kuehniella, que não é praga em lavouras). O escurecimento dos ovos da broca é a indicação de que estão parasitados.
Cada cartela contém 50 cápsulas com pelo menos mil indivíduos cada; uma cartela controla a um hectare, ou seja, são 50 mil vespinhas por hectare. Por ser um organismo vivo e em desenvolvimento, não é possível estocar. Após a aplicação, a microvespa voa pela lavoura em busca dos ovos da broca para depositar seus ovos no interior dos mesmos. De cada ovo da praga, surge uma ou mais vespinhas, que darão início a um novo ciclo de busca e de parasitismo. 
Todo o ciclo de vida deste inseto (ovo-adulto) ocorre dentro do ovo da praga e dura cerca de dez dias, à temperatura de 25°C. Ao terminar o ciclo e se tornar adulto, ele rompe a casca do ovo e sai. Vespinhas do gênero Trichogramma podem voar num raio de aproximadamente dez metros, por isso, recomenda-se um espaçamento dessa medida para a liberação de cada cápsula. Está em estudos, uma forma mais prática e econômica de liberação desse parasitoide no campo, utilizando o meio aéreo, através de aviões agrícolas.