atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Inverno terá episódios isolados de chuvas, diz Somar

11/07/2012 Cana-de-Açúcar POR: Agência UDOP de Notícias
Nos últimos anos as condições climáticas têm tirado o sono de muitos. Seca em um ano, excesso de chuvas no outro e até geadas inesperadas. A queda de produtividade no cultivo da cana-de-açúcar na região Centro-Sul do Brasil é atribuída por muitos pelas adversidades climáticas dos últimos anos.
Mas o que podemos esperar para os próximos meses? Esta pergunta está presente em toda e qualquer conversa de roda que envolva produtores ou fornecedores de cana-de-açúcar.

Quem responde a esta pergunta é o meteorologista da Somar, Celso Oliveira. De acordo com o profissional, o outono foi caracterizado por chuva acima da média. "A cada semana a gente tinha uma frente fria chegando, provocando chuva forte. Hoje, fazem mais de 15 dias que não ocorrem chuvas significativas na região. Choveu no último final de semana entre o Paraná e a região do Paranapanema, no estado de São Paulo, mas nas áreas produtivas de cana essa chuva não aconteceu", ressalta.

O meteorologista prevê chuva forte entre os dias 16 e 18 de julho no estado de São Paulo, mas alerta que nem por isso pode-se dizer que o inverno será chuvoso. "É importante salientar que, como a média histórica de chuvas neste período é muito baixa no estado de São Paulo, qualquer chuvinha estoura a média", explica Oliveira


Primavera com pancadas de chuva no final do dia

Segundo o meteorologista da Somar, o clima depende muito da condição dos oceanos, já que estamos sob influência do El Niño, um fenômeno que promove alterações significativas na distribuição da temperatura da superfície da água do Oceano Pacífico, com profundos efeitos no clima, e que interfere diretamente na frequência de frentes frias, nas chuvas mais intensas no sul e seca no norte e nordeste do país.

"O estado do São Paulo fica no meio do caminho. Já observamos anos com muita chuva, como foi o caso de 2009 e 2010, e outros anos com pouca chuva. Mas neste ano, devemos perceber um impacto maior dos efeitos do El Niño nas áreas produtoras de cana no decorrer da primavera, com chuvas mais regulares no final da tarde, permitindo a colheita da cana-de-açúcar durante parte do dia", diz.


Geadas não estão previstas

Quanto às baixas temperaturas, Oliveira explica que devido ao fenômeno El Niño, não há previsão de declínio acentuado de temperatura na região Centro-Sul do Brasil, principalmente porque o fenômeno diminui a onda de frio intenso, assim como aumenta as chuvas no sul.

"Existe a estimativa de um frio mais forte nesse próximo final de semana, principalmente na região Sul do Brasil", destaca o meteorologista. Oliveira explica ainda que mantendo-se as condições de análises atuais, o mês mais frio do ano deverá ser mesmo o mês de maio, que teve temperaturas bem abaixo da média histórica.

Greizi Ciotta Andrade
Fonte: Agência UDOP de Notícias