atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

IST Alimentos debate em Dourados novas tecnologias em biorrefinarias

23/03/2015 Cana-de-Açúcar POR: Fiems
Durante reunião técnica realizada na manhã desta quinta-feira (19/03) em Dourados (MS), o IST Alimentos (Instituto Senai de Tecnologia - Alimentos) debateu as novas tecnologias na área de biorrefinaria com a presença de técnicos do Senai, Embrapa e Biosul. Para o gerente de tecnologia e inovação do Senai, Gilberto Schaedler, o evento foi de suma importância para trazer à tona discussões sobre tendências de alternativas energéticas.
"Diante do cenário em que as indústrias se encontram, em que o custo de energia representa um percentual alto na composição das despesas, é imprescindível buscar soluções que visem alternativas energéticas", declarou Gilberto Schaedler. Ele destacou que nesse sentido os participantes também puderam receber informações sobre os trabalhos de pesquisas do ISI (Instituto Senai de Inovação) em Biomassa e também do IST Alimentos.
A gerente interina do IST Alimentos, Flávia Ferreira Dias Lopes, acrescentou que o tema é estratégico e atual. "É uma grande possibilidade de pesquisa, inovação e integração de sistemas de trabalhos e que agrega experiência de campo", disse. Para o diretor da Biosul, Isaias Bernardini, que também preside o Coema (Conselho Temático Permanente de Meio Ambiente) da Fiems, a busca por essas fontes alternativas de energia e novos produtos é algo providencial. "No setor sucroenergético temos boas alternativas como o bagaço e palha da cana-de-açúcar", destacou.
O chefe-geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus, ressaltou que desde o momento em que a agroenergia passou a ser demanda do mundo moderno e empresa se preocupa com o tema, atuando em duas frentes, sendo a questão da matéria-prima em si e os processos agroindustriais. "Existe um mundo de possibilidades, diversas alternativas que podem ser adotadas. A tendência é cada vez mais as discussões e pesquisas em torno da biomassa se estenderem", declarou, apontando o Senai como entidade que atua fortemente na parte da transformação e a Biosul como agregadora do setor produtivo.
Para o superintendente estadual de Ciência e Tecnologia, Renato Roscoe, eventos como a reunião técnica são importantes para o desenvolvimento. "A presença em Mato Grosso do Sul do IST Alimentos e do ISI Biomassa, dois institutos de nível nacional, reforça o papel de liderança do Estado nessas duas áreas", pontuou, completando que o Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação de Mato Grosso do Sul já foi instituído por decreto e cuja posse dos conselheiros está em andamento.
O evento
A reunião teve início com a apresentação do pesquisador do ISI Biomassa, Bruno Oliveira, que falou sobre o edital Sesi Senai de Inovação e também sobre as linhas de pesquisas do Instituto. "Atualmente o ISI Biomassa tem sete projetos contratados, já em andamento, três projetos em fase de análise e quase de projetos em negociação", detalhou.
Na sequencia o pesquisador da Embrapa Agroenergia, Silvio Vaz Junior, falou sobre biomassa para a química verde.  "O tema tratou do uso da biomassa pela indústria química de modo que seja uma alternativa em substituição às fontes não renováveis. Trabalhos nesse sentido se expandem a cada dia e há muitas possibilidades de expansão", disse.
Após as palestras, os participantes também puderam conhecer as instalações do IST Alimentos, além de receber informações sobre produtos e serviços para atender o setor sucroenergético. Para o supervisor de cogeração de energia elétrica e utilidade da Usina São Fernando, Otávio Gonçalves Pereira, o evento foi feliz por promover aos participantes uma boa oportunidade de atualização. "É importante vermos que estamos em sintonia com as perspectivas futuras de desenvolvimento", disse.
O diretor-executivo da Reflore (Associação Sul-mato-grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas), Benedito Mário, valeu a pena ter se deslocado para Dourados para participar da reunião. "Cada vez mais temos de buscar conhecer tecnologias que nos mostrem como utilizar ao máximo cada matéria-prima", afirmou.
Durante reunião técnica realizada na manhã desta quinta-feira (19/03) em Dourados (MS), o IST Alimentos (Instituto Senai de Tecnologia - Alimentos) debateu as novas tecnologias na área de biorrefinaria com a presença de técnicos do Senai, Embrapa e Biosul. Para o gerente de tecnologia e inovação do Senai, Gilberto Schaedler, o evento foi de suma importância para trazer à tona discussões sobre tendências de alternativas energéticas.
"Diante do cenário em que as indústrias se encontram, em que o custo de energia representa um percentual alto na composição das despesas, é imprescindível buscar soluções que visem alternativas energéticas", declarou Gilberto Schaedler. Ele destacou que nesse sentido os participantes também puderam receber informações sobre os trabalhos de pesquisas do ISI (Instituto Senai de Inovação) em Biomassa e também do IST Alimentos.
A gerente interina do IST Alimentos, Flávia Ferreira Dias Lopes, acrescentou que o tema é estratégico e atual. "É uma grande possibilidade de pesquisa, inovação e integração de sistemas de trabalhos e que agrega experiência de campo", disse. Para o diretor da Biosul, Isaias Bernardini, que também preside o Coema (Conselho Temático Permanente de Meio Ambiente) da Fiems, a busca por essas fontes alternativas de energia e novos produtos é algo providencial. "No setor sucroenergético temos boas alternativas como o bagaço e palha da cana-de-açúcar", destacou.
O chefe-geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus, ressaltou que desde o momento em que a agroenergia passou a ser demanda do mundo moderno e empresa se preocupa com o tema, atuando em duas frentes, sendo a questão da matéria-prima em si e os processos agroindustriais. "Existe um mundo de possibilidades, diversas alternativas que podem ser adotadas. A tendência é cada vez mais as discussões e pesquisas em torno da biomassa se estenderem", declarou, apontando o Senai como entidade que atua fortemente na parte da transformação e a Biosul como agregadora do setor produtivo.
Para o superintendente estadual de Ciência e Tecnologia, Renato Roscoe, eventos como a reunião técnica são importantes para o desenvolvimento. "A presença em Mato Grosso do Sul do IST Alimentos e do ISI Biomassa, dois institutos de nível nacional, reforça o papel de liderança do Estado nessas duas áreas", pontuou, completando que o Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação de Mato Grosso do Sul já foi instituído por decreto e cuja posse dos conselheiros está em andamento.
O evento
A reunião teve início com a apresentação do pesquisador do ISI Biomassa, Bruno Oliveira, que falou sobre o edital Sesi Senai de Inovação e também sobre as linhas de pesquisas do Instituto. "Atualmente o ISI Biomassa tem sete projetos contratados, já em andamento, três projetos em fase de análise e quase de projetos em negociação", detalhou.
Na sequencia o pesquisador da Embrapa Agroenergia, Silvio Vaz Junior, falou sobre biomassa para a química verde.  "O tema tratou do uso da biomassa pela indústria química de modo que seja uma alternativa em substituição às fontes não renováveis. Trabalhos nesse sentido se expandem a cada dia e há muitas possibilidades de expansão", disse.
Após as palestras, os participantes também puderam conhecer as instalações do IST Alimentos, além de receber informações sobre produtos e serviços para atender o setor sucroenergético. Para o supervisor de cogeração de energia elétrica e utilidade da Usina São Fernando, Otávio Gonçalves Pereira, o evento foi feliz por promover aos participantes uma boa oportunidade de atualização. "É importante vermos que estamos em sintonia com as perspectivas futuras de desenvolvimento", disse.
O diretor-executivo da Reflore (Associação Sul-mato-grossense de Produtores e Consumidores de Florestas Plantadas), Benedito Mário, valeu a pena ter se deslocado para Dourados para participar da reunião. "Cada vez mais temos de buscar conhecer tecnologias que nos mostrem como utilizar ao máximo cada matéria-prima", afirmou.