atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Manejo Varietal na cultura da cana-de-açúcar

05/02/2016 Cana-de-Açúcar POR: Alessandra Durigan - Gestora Técnica da Canaoeste - Edição 115 – Revista Canavieiros
Nos últimos anos, o desenvolvimento de novas variedades pelos programas de melhoramento genético vem incorporando maiores produtividades às lavouras de cana-de--açúcar e contribuem significativamente para o aumento da lucratividade. Existem atualmente três programas de melhoramento genético de cana--de-açúcar no Brasil: o IAC (Instituto Agronômico de Campinas), a Ridesa
(Rede Interuniversitária para Desenvolvimento do Setor Sucroenergético) e o CTC (Centro de Tecnologia Canavieira).
Esses programas trabalham ativamente para o desenvolvimento de materiais produtivos, com alto teor de sacarose e adaptados às diferentes condições de cultivo. Nos últimos cinco anos mais de 30 novas variedades foram lançadas em todo Brasil.
Plantar cana de maneira correta e aumentar as produtividades são prioridades para o Setor Sucroenergético, dessa forma, o manejo varietal é etapa básica do planejamento do plantio e ferramenta de manejo importante, que tem como objetivo racionalizar a distribuição das variedades pelo canavial. Escolher qual está mais apta a ser plantada em determinada área e quais devem ser combinadas a ela é uma tarefa necessária para os produtores que almejam alcançar resultados favoráveis.
O manejo varietal adequado e que deve ser adotado é aquele onde a área de uma determinada variedade não ultrapasse 20% da área da propriedade, respeitando sempre o ambiente de produção e a época de colheita adequada.
Muito interessante também é que o produtor diversifique o seu plantio em relação às variedades, ou seja, não plantar apenas uma variedade, assim, pode-se evitar que uma doença ou praga se prolifere na sua lavoura.
Os Ambientes de Produção são definidos pela interação de dois fatores: tipo de solo e produtividade das variedades de cana-de-açúcar e visam separar as áreas em diferentes potenciais de produção de cana de açúcar (A, B, C, D e E), A = solos de alto potencial produtivo a E = solos de baixo potencial produtivo. Para otimizar o manejo varietal é fundamental identificar o potencial produtivo dos solos. A classificação e enquadramento desses solos nos ambientes de produção permitem a realização de manejos mais específicos.
Realizar um adequado manejo varietal, com materiais modernos, mais produtivos e adaptados às mais adversas situações de cultivo, faz toda a diferença, principalmente diante do novo cenário: regiões que apresentam condições edafoclimáticas diferentes das tradicionais; aumento do corte mecanizado; extinção da queima; adoção do plantio mecanizado, incidência de novas pragas e doenças. Essas mudanças elevam as exigências em relação às variedades de cana, que além de eretas, ricas e produtivas, deverão brotar bem sob palha, tolerar ataques de pragas, resistir às doenças, tolerar a seca, ter boa performance em solos mais fracos e ter boa longevidade da soqueira. Outro ponto importante e de muita atenção é a sanidade das mudas. 
O conhecimento da procedência é muito importante. Mudas sadias, oriundas de tratamento térmico, produzidas em viveiros certificados, onde todos os cuidados fitossanitários são realizados, nos dão a segurança e conforto para a multiplicação das variedades nos próximos plantios. Ambientes favoráveis a patógenos e falta de cuidado disseminam doenças e causam prejuízos para a produção.
Portanto, a busca por maiores produtividades da cana-de-açúcar depende do correto planejamento de plantio e de adequado manejo varietal, estando o Departamento Técnico da Canaoeste capacitado para fornecer aos seus associados orientações para a escolha adequada da variedade a ser implantada no canavial.  
Ressaltamos que a Associação (Canaoeste) e a Cooperativa (Copercana) mantêm um viveiro de mudas de cana-de-açúcar, na Fazenda Santa Rita, em Terra Roxa.
Anualmente, são produzidas aproximadamente 5 mil toneladas de mudas de cana com qualidade e com garantia de sanidade. O intuito é que o associado tenha acesso rápido às novas variedades e assim aumente a produtividade e a longevidade do seu canavial. Maiores informações, fone (0xx17) 3392-2157 ou
e-mail: fazsantarita@copercana.com.br. 
Nos últimos anos, o desenvolvimento de novas variedades pelos programas de melhoramento genético vem incorporando maiores produtividades às lavouras de cana-de--açúcar e contribuem significativamente para o aumento da lucratividade. Existem atualmente três programas de melhoramento genético de cana--de-açúcar no Brasil: o IAC (Instituto Agronômico de Campinas), a Ridesa (Rede Interuniversitária para Desenvolvimento do Setor Sucroenergético) e o CTC (Centro de Tecnologia Canavieira).
 
Esses programas trabalham ativamente para o desenvolvimento de materiais produtivos, com alto teor de sacarose e adaptados às diferentes condições de cultivo. Nos últimos cinco anos mais de 30 novas variedades foram lançadas em todo Brasil.

 
Plantar cana de maneira correta e aumentar as produtividades são prioridades para o Setor Sucroenergético, dessa forma, o manejo varietal é etapa básica do planejamento do plantio e ferramenta de manejo importante, que tem como objetivo racionalizar a distribuição das variedades pelo canavial. Escolher qual está mais apta a ser plantada em determinada área e quais devem ser combinadas a ela é uma tarefa necessária para os produtores que almejam alcançar resultados favoráveis.

 
O manejo varietal adequado e que deve ser adotado é aquele onde a área de uma determinada variedade não ultrapasse 20% da área da propriedade, respeitando sempre o ambiente de produção e a época de colheita adequada.

 
Muito interessante também é que o produtor diversifique o seu plantio em relação às variedades, ou seja, não plantar apenas uma variedade, assim, pode-se evitar que uma doença ou praga se prolifere na sua lavoura.

 
Os Ambientes de Produção são definidos pela interação de dois fatores: tipo de solo e produtividade das variedades de cana-de-açúcar e visam separar as áreas em diferentes potenciais de produção de cana de açúcar (A, B, C, D e E), A = solos de alto potencial produtivo a E = solos de baixo potencial produtivo. Para otimizar o manejo varietal é fundamental identificar o potencial produtivo dos solos. A classificação e enquadramento desses solos nos ambientes de produção permitem a realização de manejos mais específicos.

 
Realizar um adequado manejo varietal, com materiais modernos, mais produtivos e adaptados às mais adversas situações de cultivo, faz toda a diferença, principalmente diante do novo cenário: regiões que apresentam condições edafoclimáticas diferentes das tradicionais; aumento do corte mecanizado; extinção da queima; adoção do plantio mecanizado, incidência de novas pragas e doenças. Essas mudanças elevam as exigências em relação às variedades de cana, que além de eretas, ricas e produtivas, deverão brotar bem sob palha, tolerar ataques de pragas, resistir às doenças, tolerar a seca, ter boa performance em solos mais fracos e ter boa longevidade da soqueira. Outro ponto importante e de muita atenção é a sanidade das mudas. 

 
O conhecimento da procedência é muito importante. Mudas sadias, oriundas de tratamento térmico, produzidas em viveiros certificados, onde todos os cuidados fitossanitários são realizados, nos dão a segurança e conforto para a multiplicação das variedades nos próximos plantios. Ambientes favoráveis a patógenos e falta de cuidado disseminam doenças e causam prejuízos para a produção.

 
Portanto, a busca por maiores produtividades da cana-de-açúcar depende do correto planejamento de plantio e de adequado manejo varietal, estando o Departamento Técnico da Canaoeste capacitado para fornecer aos seus associados orientações para a escolha adequada da variedade a ser implantada no canavial.  

 
Ressaltamos que a Associação (Canaoeste) e a Cooperativa (Copercana) mantêm um viveiro de mudas de cana-de-açúcar, na Fazenda Santa Rita, em Terra Roxa.

 
Anualmente, são produzidas aproximadamente 5 mil toneladas de mudas de cana com qualidade e com garantia de sanidade. O intuito é que o associado tenha acesso rápido às novas variedades e assim aumente a produtividade e a longevidade do seu canavial. Maiores informações, fone (0xx17) 3392-2157 ou
e-mail: fazsantarita@copercana.com.br.