atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Moagem avança e alcança 46,27 milhões de toneladas no Centro-Sul na segunda quinzena de julho

09/08/2012 Cana-de-Açúcar POR: CDN Comunicação Corporativa
São Paulo, 09 de agosto de 2012 - O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do Brasil somou 46,27 milhões de toneladas na segunda quinzena de julho, crescimento de 9,66% em relação à quantidade observada na primeira quinzena do mês e aumento de 10,78% comparativamente ao mesmo período da safra 2011/2012.
O presidente interino da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), Antonio de Padua Rodrigues, observa que “o clima seco na segunda quinzena de julho contribuiu para o avanço da colheita, pois não tivemos paradas significativas de moagem em decorrência das condições climáticas”. Na média da região Centro-Sul, o aproveitamento de moagem nos últimos quinze dias do mês superou 86% nas unidades tradicionais, contra apenas 78% no ano anterior e cerca de 60% observados em junho deste ano, acrescentou o executivo.
No acumulado desde o início da safra até 1º de agosto, a moagem totalizou 216,84 milhões de toneladas nesta safra, contra 260,05 milhões de toneladas verificadas na mesma data de 2011. Portanto, apesar do avanço da colheita em julho, o volume de cana-de-açúcar processado este ano ainda continua 43,20 milhões de toneladas inferior ao registrado na safra 2011/2012.
A produtividade agrícola em julho também avançou significativamente. Segundo levantamento realizado pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), a área colhida na região Centro-Sul naquele mês apresentou uma produtividade média de 78,5 toneladas de cana-de-açúcar por hectare, incremento de 13,77% sobre o valor observado no ano anterior (69,0 toneladas por hectare). Com isso, a produtividade acumulada desde o início da safra até 1º de agosto deste ano alcançou 75,1 toneladas por hectare, ante 74,1 toneladas por hectare observadas em 2011 – aumento de 1,35%.
O executivo da UNICA explica que “se essa tendência de aumento de produtividade for mantida nos próximos meses, é provável que a quantidade de cana disponível para moagem nesta safra fique acima dos 509 milhões de toneladas estimados em abril”.  

Qualidade da matéria-prima
Na última quinzena de julho, a quantidade de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana-de-açúcar atingiu 133,20 kg, queda de 5,99% em relação ao valor observado no mesmo período de 2011.
No acumulado desde o início da safra até 1º de agosto, a concentração de açúcares por tonelada de matéria-prima atingiu 123,91 kg, retração de 3,39% relativamente ao índice verificado na mesma data da safra 2011/2012.
Segundo o presidente interino da UNICA, “apesar do clima seco em julho, não houve uma recuperação significativa no teor de açúcares na cana”. Tudo indica que o valor do ATR para o final da safra será significativamente inferior aquele que estimamos em abril deste ano, conclui Rodrigues.

Mix e produção de açúcar e de etanol
Do volume total de cana-de-açúcar processado na segunda quinzena de julho, 50,58% foi utilizado para a fabricação de açúcar. Nesse período, a produção de açúcar somou 2,97 milhões de toneladas, levemente superior àquela observada no mesmo período da safra anterior (2,83 milhões de toneladas). Já a produção de etanol totalizou 1,78 bilhão de litros nos últimos quinze dias de julho, sendo 777,66 milhões de litros de etanol anidro e 1,00 bilhão de litros de etanol hidratado.
No acumulado desde o início da safra até 1º de agosto, a produção de etanol totalizou 8,21 bilhões de litros, sendo 5,30 bilhões de litros de etanol hidratado e 2,91 bilhões de litros de etanol anidro. A produção de açúcar, por sua vez, alcançou 12,29 milhões de toneladas, queda de 17,01% em relação à safra 2011/2012.

Vendas de etanol
As vendas de etanol pelas unidades produtoras da região Centro-Sul atingiram 1,07 bilhão de litros na segunda quinzena de julho, montante 8,13% superior aquele observado no mesmo período de 2011 (986,24 milhões de litros).
Do total comercializado nesta última quinzena de julho, 243,13 milhões de litros destinaram-se ao mercado externo e 823,31 milhões de litros ao mercado doméstico, sendo 328,75 milhões de litros de etanol anidro e 494,56 milhões de litros de etanol hidratado.
No acumulado de abril até 1º de agosto, as vendas somaram 6,62 bilhões de litros, sendo 871,97 milhões de litros direcionados às exportações e 5,75 bilhões de litros comercializados no mercado interno.
Do montante direcionado ao abastecimento doméstico, 2,16 bilhões de litros referem-se ao etanol anidro e 3,59 bilhões de litros ao etanol hidratado.
De acordo com Rodrigues, “apesar do abastecimento com etanol há várias semanas ter passado a ser economicamente viável em três estados do País, ainda não observamos uma migração significativa dos consumidores flex para etanol hidratado”. Esse movimento deve acontecer quando tal consumidor perceber que pode economizar mais abastecendo com etanol nesses locais, concluiu.
De fato, o levantamento de preços realizado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostrou que há nove semanas consecutivas o preço do etanol hidratado carburante está abaixo de 70% do preço da gasolina C nos postos de combustíveis dos Estados de São Paulo, Goiás e Mato Grosso.

Link Relacionado
http://www.unica.com.br/download.asp?mmdCode=3D99A2E8-1528-4449-AEC7-93187CEBD2EC

Sobre os dados de safra
Os dados divulgados nesta atualização de safra são compilados e analisados pela UNICA, com números fornecidos pelos seguintes sindicatos e associações de produtores da Região Centro-Sul:
ALCOPAR - Associação dos Produtores de Bioenergia no Estado do Paraná
BIOSUL - Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul
SIAMIG - Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais
SIFAEG – Sindicato da Indústria de Fabricação de Etanol do Estado de Goiás
SINDAAF - Sindicato Fluminense dos Produtores de Açúcar e Etanol
SINDALCOOL - Sindicato das Indústrias Sucroalcooleiras de Mato Grosso
SUDES - Sociedade das Usinas e Destilarias do Espírito Santo