atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Moagem de cana no acumulado de 2014/2015 cai 4,3%, revela Unica

11/02/2015 Cana-de-Açúcar POR: Estadão Conteúdo
As usinas do Centro-Sul do Brasil processaram 820 mil toneladas de cana na segunda quinzena de janeiro, volume 163,74% maior na comparação com as 311 mil toneladas observadas em igual período do ano passado. O período é de entressafra na principal região produtora do País e, por isso, as variações são bruscas. No acumulado do ciclo 2014/2015, iniciado em abril, o processamento é 4,34% menor, com 570,10 mil toneladas. Os dados foram divulgados no início da tarde desta terça-feira, (10/2), pela União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica).
 
Na última metade de janeiro, o mix de produção pendeu para o etanol, com 84,96% da oferta de cana destinada ao biocombustível - no acumulado da safra, o porcentual é de 56,94%. Com isso, foram fabricados 54 milhões de litros (+126,25%), sendo 43 milhões de litros de hidratado (+152,01%) e 11 milhões de litros de anidro (+63,78%). A produção de açúcar, por sua vez, aumentou 500,18%, para 14 mil toneladas. Desde o início da safra, foram produzidas 31,95 milhões de toneladas de açúcar (-6,75%) e 26,03 bilhões de litros de etanol (+2,09%), dos quais 10,88 bilhões de litros de anidro (-1,29%) e 15,15 bilhões de litros de hidratado (+4,67%).
 
Com relação à qualidade da matéria-prima, a Unica informou que o nível de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana ficou em 115,11 kg (+3,64%) na segunda quinzena de janeiro. No acumulado da temporada, chega a 136,61 kg/t (+2,43%).
 
As vendas de etanol pelas unidades produtoras do Centro-Sul diminuíram 1,54% em janeiro ante igual mês de 2014. Segundo a Unica, foram comercializados 2,17 bilhões de litros no mês passado, contra 2,20 bilhões de litros há um ano. Desse total, 78,59 milhões de litros foram para o mercado externo e 2,09 bilhões de litros ficaram no mercado interno. No acumulado da safra 2014/2015 até 1º de fevereiro, as vendas chegam a 20,66 bilhões de litros (-4,96%), dos quais 1,19 bilhão de litros para exportação e 19,47 bilhões de litros para uso interno.
As usinas do Centro-Sul do Brasil processaram 820 mil toneladas de cana na segunda quinzena de janeiro, volume 163,74% maior na comparação com as 311 mil toneladas observadas em igual período do ano passado. O período é de entressafra na principal região produtora do País e, por isso, as variações são bruscas. No acumulado do ciclo 2014/2015, iniciado em abril, o processamento é 4,34% menor, com 570,10 mil toneladas. Os dados foram divulgados no início da tarde desta terça-feira, (10/2), pela União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica).
 
Na última metade de janeiro, o mix de produção pendeu para o etanol, com 84,96% da oferta de cana destinada ao biocombustível - no acumulado da safra, o porcentual é de 56,94%. Com isso, foram fabricados 54 milhões de litros (+126,25%), sendo 43 milhões de litros de hidratado (+152,01%) e 11 milhões de litros de anidro (+63,78%). A produção de açúcar, por sua vez, aumentou 500,18%, para 14 mil toneladas. Desde o início da safra, foram produzidas 31,95 milhões de toneladas de açúcar (-6,75%) e 26,03 bilhões de litros de etanol (+2,09%), dos quais 10,88 bilhões de litros de anidro (-1,29%) e 15,15 bilhões de litros de hidratado (+4,67%).
 
Com relação à qualidade da matéria-prima, a Unica informou que o nível de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR) por tonelada de cana ficou em 115,11 kg (+3,64%) na segunda quinzena de janeiro. No acumulado da temporada, chega a 136,61 kg/t (+2,43%).
 
As vendas de etanol pelas unidades produtoras do Centro-Sul diminuíram 1,54% em janeiro ante igual mês de 2014. Segundo a Unica, foram comercializados 2,17 bilhões de litros no mês passado, contra 2,20 bilhões de litros há um ano. Desse total, 78,59 milhões de litros foram para o mercado externo e 2,09 bilhões de litros ficaram no mercado interno. No acumulado da safra 2014/2015 até 1º de fevereiro, as vendas chegam a 20,66 bilhões de litros (-4,96%), dos quais 1,19 bilhão de litros para exportação e 19,47 bilhões de litros para uso interno.