atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Não vamos deixar faltar açúcar e etanol em 2020

04/04/2016 Cana-de-Açúcar POR: Tarcisio Angelo Mascarim é secretário de Desenvolvimento Econômico de Piracicaba e diretor do SIMESPI
Para isso, tenho que voltar no tempo, quando o setor teve o seu "primeiro grande momento", no início da década de 70, denominado de Pró-Açúcar. Foi quando os preços internacionais do açúcar estimularam investimentos na ampliação da capacidade do setor, consolidando a capacitação da indústria nacional de equipamentos. Como resultado, tivemos a elevação da produção de cana-de-açúcar de 80 para cerca de 100 milhões de toneladas anuais, possibilitando ampliar a substituição de equipamentos importados por aqueles fabricados no país.
O "segundo grande momento" ocorreu durante o Pró-Álcool, ocupando o final da década de 70 até meados da década de 80, que foi reconhecido pelo Banco Mundial como "o maior programa de energia alternativa do mundo". Nesse momento, surgiu uma concepção inédita a nível mundial, em termos de produção: a "destilaria autônoma de álcool". Foi um período muito rico em desenvolvimento tecnológico e o Brasil se tornou o maior produtor de álcool do mundo. O setor, como resultado, aumentou a sua produção de cana, passando de 100 milhões para 200 milhões de toneladas.
O "terceiro grande momento" ocorreu na década de 90 e foi focado no açúcar, tendo o país ocupado grande espaço no mercado internacional, transformando-se no maior produtor e maior exportador mundial de açúcar de cana. Como resultado, aumentou de 200 milhões para mais de 300 milhões de toneladas de cana. Assim, o Brasil se tornou o maior produtor de cana, desenvolvendo a tecnologia de produção do produto.
A partir de 2004, com a ratificação do Protocolo de Kioto e com o lançamento do carro flex, estávamos entrando no "quarto grande momento", que esperávamos caminhar definitivamente para um crescimento sustentado do setor, em razão do espetacular interesse mundial pelo álcool.
Até 2008, o setor estava em alta, atendendo a um plano para chegar, de 2005 a 2010, a uma produção de um bilhão de toneladas de cana-de-açúcar, e o setor estava respondendo positivamente a esse plano, pois, na safra de 2005/06, produziu 382.482.002 toneladas; na safra de 2006/07, 428.816.021 toneladas; na safra de 2007/08, 495.843.192 toneladas; na safra de 2008/09, 572.738.489 toneladas, verificando-se um aumento, nesse período, de 50%.
Infelizmente, com a crise de 2008 e em função de uma política equivocada de nossa Presidente, que segurou o preço da gasolina, a produção de cana começou a declinar. Na safra de 2011/12, foram produzidas 555.000.000 toneladas, representando uma produção negativa de 3% em relação à safra de 2008/09. Com essa política, a Presidente prejudicou em mais de US$25 bilhões a Petrobras e quebrou as empresas de bens de capital fornecedoras de máquinas e equipamentos ao setor.
Por tudo o que está acontecendo em nossa economia e no mundo, a previsão para 2020 é faltar açúcar e etanol, pois, até lá, teremos que atender, quanto ao etanol, 50% da frota de ciclo Otto; a exportação do volume previsto no mandato americano de 2020 é de 13,2 bilhões de litros; há a previsão de consumo de 5 bilhões de litros para etanol "outros fins" em 2020. Sobre o açúcar, será necessário atender ao consumo doméstico e à manutenção da participação do País no mercado mundial.
Para atender toda essa produção é necessário 1,2 bilhão de toneladas de cana-de-açúcar até 2020, partindo de 655 milhões de toneladas atuais.
As políticas públicas necessárias de longo prazo são: desoneração tributária para o etanol (Pis-Cofins e ICMs); readequação da Cide; financiamentos (plantio de cana-de-açúcar, estocagem, greenfields, etc.); incentivos à bioeletricidade; transparência na política de formação de preços da gasolina no longo prazo.
Se o nosso governo não quiser ver faltar açúcar e etanol em 2020, deverá adotar as políticas públicas acima elencadas, as quais colaborarão com a retomada do setor sucroenergético.
Se o nosso governo continuar usando usinas de energia movidas a carvão ou óleo diesel, desprezando a construção de centrais térmicas com o uso da biomassa da cana-de-açúcar, dará oportunidade para que o bagaço e a palha da cana-de-açúcar ganhem o mundo e abram novo mercado para as nossas usinas.
Isso é o que lemos no site novacana.com, em 11.03.16, em afirmação do presidente da Cosan Biomassa (joint venture formada pela Cosan e pela japonesa Sumitomo Corp), Mark Lyra, sobre a existência de uma tendência constante de substituir o carvão e outras fontes poluidoras por fontes renováveis para geração de energia.
"Não há como voltar atrás, porque as políticas para combater as mudanças climáticas estão sendo reforçadas ao redor do globo. Ao usar resíduo de cana-de-açúcar, o Brasil está se posicionando para se tornar a Arábia Saudita da energia renovável", declarou Mark.
E o texto continua: "Atualmente, pellets de biomassa de madeira dominam a indústria e quase todos eles são proveniente de florestas na Europa, dos Estados Unidos e do Canadá. A Cosan e a Sumitomo esperam que o mercado global salte para 40 milhões de toneladas em cinco anos, considerando que, no momento, ele está em 25 milhões de toneladas.
O Brasil, maior produtor de cana do mundo, pode ser capaz de produzir até 80 milhões de toneladas por ano a partir do bagaço, o suficiente para abastecer toda a indústria, de acordo com a Cosan. 'A biomassa da cana pelletizada é uma nova commodity que está sendo criada para servir a economia de baixo carbono', disse Lyra".
Aí está: enquanto o nosso governo não dá importância para o setor sucroenergético, o mundo já está se preparando para combater as mudanças climáticas, procurando eliminar toda a fonte poluente para geração de energia, que é o carvão.
Como escreveu o especialista George Vidor, aqui no Brasil, das 355 usinas que produzem açúcar e etanol, 180 exportam eletricidade excedente, geralmente para mercados consumidores próximos, o que não exige investimentos significativos em linhas de transmissão. O restante das usinas, para gerar excedente de energia, teria que passar por investimentos. Presume-se que o setor como um todo poderia gerar eletricidade equivalente a duas usinas de Itaipu. No entanto, no ano passado, a geração correspondeu a 25% de uma Itaipu.
Ultimamente, nos leilões que o governo promove, foram beneficiadas somente as energia eólica e solar, ficando de fora a biomassa, que é também limpa e renovável. Por isso, a Cosan Biomassa vai exportar as pellets de cana-de-açúcar, para gerar energia elétrica no exterior.
Encerrando, apelo ao nosso governo, repetidamente, para dar importância ao setor sucroenergético, já que tanto o açúcar quanto o etanol e a energia elétrica são gerados por meio de fontes renováveis, necessárias para combater as mudanças climáticas.
 
Para isso, tenho que voltar no tempo, quando o setor teve o seu "primeiro grande momento", no início da década de 70, denominado de Pró-Açúcar. Foi quando os preços internacionais do açúcar estimularam investimentos na ampliação da capacidade do setor, consolidando a capacitação da indústria nacional de equipamentos. Como resultado, tivemos a elevação da produção de cana-de-açúcar de 80 para cerca de 100 milhões de toneladas anuais, possibilitando ampliar a substituição de equipamentos importados por aqueles fabricados no país.
O "segundo grande momento" ocorreu durante o Pró-Álcool, ocupando o final da década de 70 até meados da década de 80, que foi reconhecido pelo Banco Mundial como "o maior programa de energia alternativa do mundo". Nesse momento, surgiu uma concepção inédita a nível mundial, em termos de produção: a "destilaria autônoma de álcool". Foi um período muito rico em desenvolvimento tecnológico e o Brasil se tornou o maior produtor de álcool do mundo. O setor, como resultado, aumentou a sua produção de cana, passando de 100 milhões para 200 milhões de toneladas.
O "terceiro grande momento" ocorreu na década de 90 e foi focado no açúcar, tendo o país ocupado grande espaço no mercado internacional, transformando-se no maior produtor e maior exportador mundial de açúcar de cana. Como resultado, aumentou de 200 milhões para mais de 300 milhões de toneladas de cana. Assim, o Brasil se tornou o maior produtor de cana, desenvolvendo a tecnologia de produção do produto.
A partir de 2004, com a ratificação do Protocolo de Kioto e com o lançamento do carro flex, estávamos entrando no "quarto grande momento", que esperávamos caminhar definitivamente para um crescimento sustentado do setor, em razão do espetacular interesse mundial pelo álcool.
Até 2008, o setor estava em alta, atendendo a um plano para chegar, de 2005 a 2010, a uma produção de um bilhão de toneladas de cana-de-açúcar, e o setor estava respondendo positivamente a esse plano, pois, na safra de 2005/06, produziu 382.482.002 toneladas; na safra de 2006/07, 428.816.021 toneladas; na safra de 2007/08, 495.843.192 toneladas; na safra de 2008/09, 572.738.489 toneladas, verificando-se um aumento, nesse período, de 50%.
Infelizmente, com a crise de 2008 e em função de uma política equivocada de nossa Presidente, que segurou o preço da gasolina, a produção de cana começou a declinar. Na safra de 2011/12, foram produzidas 555.000.000 toneladas, representando uma produção negativa de 3% em relação à safra de 2008/09. Com essa política, a Presidente prejudicou em mais de US$25 bilhões a Petrobras e quebrou as empresas de bens de capital fornecedoras de máquinas e equipamentos ao setor.
Por tudo o que está acontecendo em nossa economia e no mundo, a previsão para 2020 é faltar açúcar e etanol, pois, até lá, teremos que atender, quanto ao etanol, 50% da frota de ciclo Otto; a exportação do volume previsto no mandato americano de 2020 é de 13,2 bilhões de litros; há a previsão de consumo de 5 bilhões de litros para etanol "outros fins" em 2020. Sobre o açúcar, será necessário atender ao consumo doméstico e à manutenção da participação do País no mercado mundial.
Para atender toda essa produção é necessário 1,2 bilhão de toneladas de cana-de-açúcar até 2020, partindo de 655 milhões de toneladas atuais.
As políticas públicas necessárias de longo prazo são: desoneração tributária para o etanol (Pis-Cofins e ICMs); readequação da Cide; financiamentos (plantio de cana-de-açúcar, estocagem, greenfields, etc.); incentivos à bioeletricidade; transparência na política de formação de preços da gasolina no longo prazo.
Se o nosso governo não quiser ver faltar açúcar e etanol em 2020, deverá adotar as políticas públicas acima elencadas, as quais colaborarão com a retomada do setor sucroenergético.
Se o nosso governo continuar usando usinas de energia movidas a carvão ou óleo diesel, desprezando a construção de centrais térmicas com o uso da biomassa da cana-de-açúcar, dará oportunidade para que o bagaço e a palha da cana-de-açúcar ganhem o mundo e abram novo mercado para as nossas usinas.
Isso é o que lemos no site novacana.com, em 11.03.16, em afirmação do presidente da Cosan Biomassa (joint venture formada pela Cosan e pela japonesa Sumitomo Corp), Mark Lyra, sobre a existência de uma tendência constante de substituir o carvão e outras fontes poluidoras por fontes renováveis para geração de energia.
"Não há como voltar atrás, porque as políticas para combater as mudanças climáticas estão sendo reforçadas ao redor do globo. Ao usar resíduo de cana-de-açúcar, o Brasil está se posicionando para se tornar a Arábia Saudita da energia renovável", declarou Mark.
E o texto continua: "Atualmente, pellets de biomassa de madeira dominam a indústria e quase todos eles são proveniente de florestas na Europa, dos Estados Unidos e do Canadá. A Cosan e a Sumitomo esperam que o mercado global salte para 40 milhões de toneladas em cinco anos, considerando que, no momento, ele está em 25 milhões de toneladas.

 
O Brasil, maior produtor de cana do mundo, pode ser capaz de produzir até 80 milhões de toneladas por ano a partir do bagaço, o suficiente para abastecer toda a indústria, de acordo com a Cosan. 'A biomassa da cana pelletizada é uma nova commodity que está sendo criada para servir a economia de baixo carbono', disse Lyra".
Aí está: enquanto o nosso governo não dá importância para o setor sucroenergético, o mundo já está se preparando para combater as mudanças climáticas, procurando eliminar toda a fonte poluente para geração de energia, que é o carvão.
Como escreveu o especialista George Vidor, aqui no Brasil, das 355 usinas que produzem açúcar e etanol, 180 exportam eletricidade excedente, geralmente para mercados consumidores próximos, o que não exige investimentos significativos em linhas de transmissão. O restante das usinas, para gerar excedente de energia, teria que passar por investimentos. Presume-se que o setor como um todo poderia gerar eletricidade equivalente a duas usinas de Itaipu. No entanto, no ano passado, a geração correspondeu a 25% de uma Itaipu.
Ultimamente, nos leilões que o governo promove, foram beneficiadas somente as energia eólica e solar, ficando de fora a biomassa, que é também limpa e renovável. Por isso, a Cosan Biomassa vai exportar as pellets de cana-de-açúcar, para gerar energia elétrica no exterior.
Encerrando, apelo ao nosso governo, repetidamente, para dar importância ao setor sucroenergético, já que tanto o açúcar quanto o etanol e a energia elétrica são gerados por meio de fontes renováveis, necessárias para combater as mudanças climáticas.