atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Natureza como aliada

01/03/2016 Cana-de-Açúcar POR: Andréia Vital – Revista Canavieiros – Edição 116
“Desde a criação do planeta a vida se desenvolve na terra em um processo de sucessão ecológica promovendo a integração entre minerais, energia e organismos vivos. Se você fizer isso, você tem produção vegetal até no deserto”, afirmou Leontino Balbo Júnior, diretor agrícola e comercial da Usina São Francisco e Santo Antônio, ao explanar no Seminário ERA, realizado em novembro, em Ribeirão Preto-SP. O evento abordou o sistema agronômico ERA (Agricultura Revitalizadora de Ecossistemas – Ecosystems Revitalization Agriculture) desenvolvido pelo engenheiro agrônomo e implantado nas fazendas da usina, cujo excelente resultado o tornaram referência em sustentabilidade.
“O ERA é um sistema de produção de cana baseado na capacitação de conceitos desenvolvidos a partir das observações dos fenômenos naturais de forma que as novas práticas agrícolas desenvolvidas e aplicadas mantêm relação dos processos naturais de formação e conservação do solo ao longo do tempo”, disse Balbo, explicando que as premissas subjacentes às práticas desenvolvidas buscaram estar ao máximo em sintonia com quatro padrões que se repetem muito na natureza, como o processo de sucessão ecológica, conforto ambiental, ordem natural, funcionalidade dos elementos e sistemas naturais.
O início de todo este processo aconteceu há cerca de 30 anos, quando, recém-formado, o engenheiro agrônomo se sentiu desapontado com a aplicação dos seus conhecimentos agronômicos no campo e tentou inovar, sempre tendo em mente a preservação do meio ambiente aliada à busca pela alta produtividade. 
“Eu sentia que tratar a terra com ciência, proteção, respeito e amor deveria ser o melhor tratamento que se pode dar a um solo agrícola”, contou o executivo durante o seminário, deixando a plateia, formada por empresários, pesquisadores e técnicos - tal qual os estrangeiros de todos os cantos do mundo ficam ao visitar suas lavouras - cada vez mais interessada em sua técnica, que fez dele um pioneiro em várias etapas do cultivo da cana-de-açúcar.
Com este ideal, Balbo desenvolveu e implantou o “Projeto Cana Verde” na década de 80, visando à produção orgânica de cana, sendo o responsável pela fabricação pioneira de açúcar orgânico, exportado para mais de 60 países ao redor do mundo e no Brasil, sob a marca Native Produtos Orgânicos, empresa líder na produção de vários produtos orgânicos, tendo como carro--chefe o açúcar. “Este projeto contribuiu para reconhecimento mundial da Usina São Francisco como usina ecológica e usina sustentável”, disse. Atualmente existem 20 mil hectares de canaviais orgânicos certificados, dos quais 14 mil hectares sob manejo ERA Pleno, este último sob sua gerência.
Após se informar sobre a evolução produtiva da natureza, se baseando em estudos de pesquisadores e pensadores como também no seu aprendizado diário, com experimentos e aplicações práticas, o executivo traçou uma tática e começou a aplicá-la. Uma das primeiras ações tomadas se referia a queimada da cana-de-açúcar, atividade que o incomodava, pois, a cana viva, verde e limpa era queimada, cortada manualmente, tombada ao solo, arrastada e finalmente chegava à indústria necessitando de milhões de litros de água por hora para se lavar a terra e a fuligem dos toletes.
Com a decisão de não mais queimar os canaviais, quando ainda estava longe da iniciativa ser exigida por um protocolo ambiental, deu início à colheita mecanizada. Para isso, era necessário adaptar as máquinas para colher a cana crua, fase que se iniciou timidamente em 1988, até alcançar 100% de colheita mecanizada na área, em 1995.
O abandono do uso de fertilizantes químicos a favor dos orgânicos, além de inimigos naturais das pragas desenvolvidos em laboratório, também fez parte dessa mudança. Outro empenho foi no sentido da implantação de um projeto de reflorestamento com a intenção de criar ilhas de biodiversidade, contribuindo assim para o equilíbrio do ecossistema.
“Percebi que as iniciativas feitas até ali eram baseadas na adaptação da tecnologia usada na cana queimada e apesar do extraordinário desempenho operacional e dos equipamentos, nada havia sido criado em termo de inovação tecnológica voltada a buscar o potencial produtivo agrícola, originado pela  colheita da cana crua”, explicou o agrônomo, afirmando que “Era preciso mudar a forma de utilizar os equipamentos, a fim de atingir um propósito definido, o que gerou práticas agrícolas inovadoras e ecologicamente compatíveis entre si”.
Mas a colheita mecanizada aumentou em 10 vezes o tráfego em cada rua de cana, se fazendo necessário tirar o máximo de pressão mecânica sobre os solos, assim, buscou alternativas junto a fabricantes, tanto em relação a máquinas, quanto ao desenvolvimento de pneus adequados, a fim de evitar a compactação da terra. “Buscamos soluções sempre tendo uma visão sistêmica do sistema de produção como um todo, não apenas de partes do mesmo”, ressaltou, explicando que 30% das ruas por onde circulam os caminhões e máquinas agrícolas foram gramados para evitar erosão.
“Não se fertiliza a cana, alimenta-se a vida do solo. Então, a biota (população total de plantas e animais que vivem em um ecossistema particular) e as próprias plantas se encarregarão da nutrição e proteção da lavoura”, ensinou ele, contando que foi desenvolvido um sistema de alimentação da biota presentes nos solos dos ecossistemas agrícolas, buscando reflexos positivos nos solos, na produtividade das culturas e nos ecossistemas circundantes. Além de fazer a rotação de culturas em 100% das áreas de renovação, a biota é alimentada com resíduos compostos como efluentes industriais orgânicos, calcário e outras rochas moídas, fuligem, bagaço e casca de vegetais, estercos de diversas fontes, farinhas de origem animal, tortas vegetais, entre outros.
“Como não usamos fertilizantes químicos, a terra fica sempre repleta de minhocas. A palha, que antes era um problema, também fertiliza o solo quando entra em decomposição", esclareceu, contando que os solos ERA maduros sustentam populações entre 1,0 e 2,0 milhões de minhocas por hectare. Essas por sua vez mobilizam entre 300 e 600 toneladas de solo por hectare ano. “E minhocas humificam a matéria orgânica”, destacou.
Além da recuperação e aumento da fertilidade original do solo, os benefícios do sistema implantado por Balbo são muitos, entre eles, se destacam a produtividade 20% superior a convencional, sempre atingindo números acima dos três dígitos; melhor qualidade da produção; maior resiliência das lavouras a condições climáticas adversas; revitalização das culturas e dos ecossistemas; elevada sustentabilidade geral aumento exponencial da biodiversidade geral, recuperação e preservação dos recursos hídricos, diminuição das emissões de gases de efeito estufa em 30%, sem citar as lavouras naturalmente livres de pragas e doenças, através da ativação do “desconhecido” sistema imunológico natural das plantas. “Pensando na expansão dos benefícios deste novo modelo de agricultura, criei a empresa Agrosfortis, que atuará na transferência desta tecnologia aos clientes interessados na implantação deste sistema no futuro próximo”, explicou Balbo, que também é vice-presidente executivo da Native.
Atualmente, o Grupo Balbo produz seis milhões de toneladas de cana em três unidades (São Francisco, Santo Antonio e Usina Uberaba), 320 mil m³ de etanol, 260 mil toneladas de açúcar, sendo 70 mil toneladas de açúcar orgânico.  “Temos outros produtos de varejo como café, sucos, biscoitos, ração animal e também produzimos energia elétrica para distribuir, são 48 megawatts, sendo que consumimos 16 e vendemos 32, fora do horário de pico, este total é suficiente para atender uma cidade quase que do porte de Ribeirão Preto”, disse o executivo.
Biodiversidade rica
A implantação do processo de produção orgânico sem uso de agrotóxicos, a permanência da palha na lavoura e o programa de reflorestamento de árvores nativas proporcionaram a formação de uma cadeia alimentar balanceada, pois os fungos, besouros e outras espécies, antes eliminados, passaram a servir de alimentos para os répteis, estes para os pássaros e assim por diante, facilitando o aumento da biodiversidade no local. De acordo com José Roberto Miranda, biólogo e doutor em ecologia da
Embrapa, a biodiversidade na Fazenda São Francisco é até quatro vezes maior em comparação às áreas convencionais, pois os animais encontram ali alimentos, abrigo e condições para a procriação, características que não ocorrem na cultura tradicional da cana.
Hoje, mais de 340 tipos de animais vivem e se multiplicam nas terras da usina, dos quais 49 são espécies ameaçadas de extinção. Esses dados são resultados de levantamentos de fauna realizados pela equipe de Miranda durante 12 anos de monitoramento e que comprovaram, por exemplo, que nos 14 mil hectares utilizados para a lavoura orgânica se encontram 35% de todas as espécies de aves do Estado de São Paulo. 
Predadores de grande porte também já habitam aquele local, tais como jacaré-coroa, onças, tamanduá bandeiras com filhotes, sucuris, jiboias, lobos-guará, veados e aves de rapina, como falcões e gaviões.
Sistema ERA inspira interesse
Para Marcos Guimarães de Andrade Landell, diretor do Centro de Cana do IAC (Instituto Agronômico) o seminário foi interessante e também curioso. “O Leontino conseguiu desenvolver uma canavicultura mais sustentável e orgânica e acabou trazendo um valor maior para o seu produto. Mostrou que é possível, através de caminhos novos, conseguir um trabalho muito bem feito com a fitotecnia forte, plantio e colheita diferenciados possibilitando boa produtividade e retorno para esta atividade”, afirmou. “Nos fez pensar em uma série de temas relacionados à sustentabilidade. Foi um momento curioso em todos os sentidos e isso pode estabelecer contatos maiores para trabalhos futuros que podem ser interessantes” declarou.
Opinião compartilhada com Alessandra Durigan, gestora técnica operacional da Canaoeste. “O seminário ERA foi uma grande oportunidade de reflexão. As técnicas de manejo da cultura da cana apresentadas são diferentes das convencionais e baseadas principalmente na adubação orgânica e no controle biológico. No meu entendimento o objetivo foi demostrar o quanto é importante unir a agricultura, a terra, conhecer as plantas e respeitar a natureza. Assim, consegue-se aumentar a produtividade agrícola, sem agredir o meio ambiente e de maneira sustentável”, concluiu.
 
“Desde a criação do planeta a vida se desenvolve na terra em um processo de sucessão ecológica promovendo a integração entre minerais, energia e organismos vivos. Se você fizer isso, você tem produção vegetal até no deserto”, afirmou Leontino Balbo Júnior, diretor agrícola e comercial da Usina São Francisco e Santo Antônio, ao explanar no Seminário ERA, realizado em novembro, em Ribeirão Preto-SP. O evento abordou o sistema agronômico ERA (Agricultura Revitalizadora de Ecossistemas – Ecosystems Revitalization Agriculture) desenvolvido pelo engenheiro agrônomo e implantado nas fazendas da usina, cujo excelente resultado o tornaram referência em sustentabilidade.
“O ERA é um sistema de produção de cana baseado na capacitação de conceitos desenvolvidos a partir das observações dos fenômenos naturais de forma que as novas práticas agrícolas desenvolvidas e aplicadas mantêm relação dos processos naturais de formação e conservação do solo ao longo do tempo”, disse Balbo, explicando que as premissas subjacentes às práticas desenvolvidas buscaram estar ao máximo em sintonia com quatro padrões que se repetem muito na natureza, como o processo de sucessão ecológica, conforto ambiental, ordem natural, funcionalidade dos elementos e sistemas naturais.
 
O início de todo este processo aconteceu há cerca de 30 anos, quando, recém-formado, o engenheiro agrônomo se sentiu desapontado com a aplicação dos seus conhecimentos agronômicos no campo e tentou inovar, sempre tendo em mente a preservação do meio ambiente aliada à busca pela alta produtividade. 
 
“Eu sentia que tratar a terra com ciência, proteção, respeito e amor deveria ser o melhor tratamento que se pode dar a um solo agrícola”, contou o executivo durante o seminário, deixando a plateia, formada por empresários, pesquisadores e técnicos - tal qual os estrangeiros de todos os cantos do mundo ficam ao visitar suas lavouras - cada vez mais interessada em sua técnica, que fez dele um pioneiro em várias etapas do cultivo da cana-de-açúcar.
 
Com este ideal, Balbo desenvolveu e implantou o “Projeto Cana Verde” na década de 80, visando à produção orgânica de cana, sendo o responsável pela fabricação pioneira de açúcar orgânico, exportado para mais de 60 países ao redor do mundo e no Brasil, sob a marca Native Produtos Orgânicos, empresa líder na produção de vários produtos orgânicos, tendo como carro--chefe o açúcar. “Este projeto contribuiu para reconhecimento mundial da Usina São Francisco como usina ecológica e usina sustentável”, disse. Atualmente existem 20 mil hectares de canaviais orgânicos certificados, dos quais 14 mil hectares sob manejo ERA Pleno, este último sob sua gerência.
 
Após se informar sobre a evolução produtiva da natureza, se baseando em estudos de pesquisadores e pensadores como também no seu aprendizado diário, com experimentos e aplicações práticas, o executivo traçou uma tática e começou a aplicá-la. Uma das primeiras ações tomadas se referia a queimada da cana-de-açúcar, atividade que o incomodava, pois, a cana viva, verde e limpa era queimada, cortada manualmente, tombada ao solo, arrastada e finalmente chegava à indústria necessitando de milhões de litros de água por hora para se lavar a terra e a fuligem dos toletes.
 
Com a decisão de não mais queimar os canaviais, quando ainda estava longe da iniciativa ser exigida por um protocolo ambiental, deu início à colheita mecanizada. Para isso, era necessário adaptar as máquinas para colher a cana crua, fase que se iniciou timidamente em 1988, até alcançar 100% de colheita mecanizada na área, em 1995.
 
O abandono do uso de fertilizantes químicos a favor dos orgânicos, além de inimigos naturais das pragas desenvolvidos em laboratório, também fez parte dessa mudança. Outro empenho foi no sentido da implantação de um projeto de reflorestamento com a intenção de criar ilhas de biodiversidade, contribuindo assim para o equilíbrio do ecossistema.
 
“Percebi que as iniciativas feitas até ali eram baseadas na adaptação da tecnologia usada na cana queimada e apesar do extraordinário desempenho operacional e dos equipamentos, nada havia sido criado em termo de inovação tecnológica voltada a buscar o potencial produtivo agrícola, originado pela  colheita da cana crua”, explicou o agrônomo, afirmando que “Era preciso mudar a forma de utilizar os equipamentos, a fim de atingir um propósito definido, o que gerou práticas agrícolas inovadoras e ecologicamente compatíveis entre si”.
 
Mas a colheita mecanizada aumentou em 10 vezes o tráfego em cada rua de cana, se fazendo necessário tirar o máximo de pressão mecânica sobre os solos, assim, buscou alternativas junto a fabricantes, tanto em relação a máquinas, quanto ao desenvolvimento de pneus adequados, a fim de evitar a compactação da terra. “Buscamos soluções sempre tendo uma visão sistêmica do sistema de produção como um todo, não apenas de partes do mesmo”, ressaltou, explicando que 30% das ruas por onde circulam os caminhões e máquinas agrícolas foram gramados para evitar erosão.
 
“Não se fertiliza a cana, alimenta-se a vida do solo. Então, a biota (população total de plantas e animais que vivem em um ecossistema particular) e as próprias plantas se encarregarão da nutrição e proteção da lavoura”, ensinou ele, contando que foi desenvolvido um sistema de alimentação da biota presentes nos solos dos ecossistemas agrícolas, buscando reflexos positivos nos solos, na produtividade das culturas e nos ecossistemas circundantes. Além de fazer a rotação de culturas em 100% das áreas de renovação, a biota é alimentada com resíduos compostos como efluentes industriais orgânicos, calcário e outras rochas moídas, fuligem, bagaço e casca de vegetais, estercos de diversas fontes, farinhas de origem animal, tortas vegetais, entre outros.
 
“Como não usamos fertilizantes químicos, a terra fica sempre repleta de minhocas. A palha, que antes era um problema, também fertiliza o solo quando entra em decomposição", esclareceu, contando que os solos ERA maduros sustentam populações entre 1,0 e 2,0 milhões de minhocas por hectare. Essas por sua vez mobilizam entre 300 e 600 toneladas de solo por hectare ano. “E minhocas humificam a matéria orgânica”, destacou.
 
Além da recuperação e aumento da fertilidade original do solo, os benefícios do sistema implantado por Balbo são muitos, entre eles, se destacam a produtividade 20% superior a convencional, sempre atingindo números acima dos três dígitos; melhor qualidade da produção; maior resiliência das lavouras a condições climáticas adversas; revitalização das culturas e dos ecossistemas; elevada sustentabilidade geral aumento exponencial da biodiversidade geral, recuperação e preservação dos recursos hídricos, diminuição das emissões de gases de efeito estufa em 30%, sem citar as lavouras naturalmente livres de pragas e doenças, através da ativação do “desconhecido” sistema imunológico natural das plantas. “Pensando na expansão dos benefícios deste novo modelo de agricultura, criei a empresa Agrosfortis, que atuará na transferência desta tecnologia aos clientes interessados na implantação deste sistema no futuro próximo”, explicou Balbo, que também é vice-presidente executivo da Native.
 
Atualmente, o Grupo Balbo produz seis milhões de toneladas de cana em três unidades (São Francisco, Santo Antonio e Usina Uberaba), 320 mil m³ de etanol, 260 mil toneladas de açúcar, sendo 70 mil toneladas de açúcar orgânico.  “Temos outros produtos de varejo como café, sucos, biscoitos, ração animal e também produzimos energia elétrica para distribuir, são 48 megawatts, sendo que consumimos 16 e vendemos 32, fora do horário de pico, este total é suficiente para atender uma cidade quase que do porte de Ribeirão Preto”, disse o executivo.
Biodiversidade rica
 
A implantação do processo de produção orgânico sem uso de agrotóxicos, a permanência da palha na lavoura e o programa de reflorestamento de árvores nativas proporcionaram a formação de uma cadeia alimentar balanceada, pois os fungos, besouros e outras espécies, antes eliminados, passaram a servir de alimentos para os répteis, estes para os pássaros e assim por diante, facilitando o aumento da biodiversidade no local. De acordo com José Roberto Miranda, biólogo e doutor em ecologia da Embrapa, a biodiversidade na Fazenda São Francisco é até quatro vezes maior em comparação às áreas convencionais, pois os animais encontram ali alimentos, abrigo e condições para a procriação, características que não ocorrem na cultura tradicional da cana.
 
Hoje, mais de 340 tipos de animais vivem e se multiplicam nas terras da usina, dos quais 49 são espécies ameaçadas de extinção. Esses dados são resultados de levantamentos de fauna realizados pela equipe de Miranda durante 12 anos de monitoramento e que comprovaram, por exemplo, que nos 14 mil hectares utilizados para a lavoura orgânica se encontram 35% de todas as espécies de aves do Estado de São Paulo. 
 
Predadores de grande porte também já habitam aquele local, tais como jacaré-coroa, onças, tamanduá bandeiras com filhotes, sucuris, jiboias, lobos-guará, veados e aves de rapina, como falcões e gaviões.
 
Sistema ERA inspira interesse
 
Para Marcos Guimarães de Andrade Landell, diretor do Centro de Cana do IAC (Instituto Agronômico) o seminário foi interessante e também curioso. “O Leontino conseguiu desenvolver uma canavicultura mais sustentável e orgânica e acabou trazendo um valor maior para o seu produto. Mostrou que é possível, através de caminhos novos, conseguir um trabalho muito bem feito com a fitotecnia forte, plantio e colheita diferenciados possibilitando boa produtividade e retorno para esta atividade”, afirmou. “Nos fez pensar em uma série de temas relacionados à sustentabilidade. Foi um momento curioso em todos os sentidos e isso pode estabelecer contatos maiores para trabalhos futuros que podem ser interessantes” declarou.
 
Opinião compartilhada com Alessandra Durigan, gestora técnica operacional da Canaoeste. “O seminário ERA foi uma grande oportunidade de reflexão. As técnicas de manejo da cultura da cana apresentadas são diferentes das convencionais e baseadas principalmente na adubação orgânica e no controle biológico. No meu entendimento o objetivo foi demostrar o quanto é importante unir a agricultura, a terra, conhecer as plantas e respeitar a natureza. Assim, consegue-se aumentar a produtividade agrícola, sem agredir o meio ambiente e de maneira sustentável”, concluiu.