atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Nota à imprensa: Bombeiros avançam na extinção das chamas

02/06/2015 Noticias do Sistema POR: Assessoria de Imprensa da Copercana
Sertãozinho, 2 de junho – O combate ao incêndio no armazém de amendoim da UNAME (Unidade de Grãos da Copercana), localizado na Rodovia Albano Baccega, s/n – km 1, Sertãozinho-SP, continua nesta terça-feira (02). O incêndio começou por volta das 21 horas (horário de Brasília) de domingo (31/05), e desde então, os bombeiros vêm fazendo um trabalho de rescaldo para que o fogo não se alastre e atinja outros armazéns. 
“Iniciamos o processo de apagar o incêndio usando uma técnica lenta, mas eficiente e segura do ponto de vista ambiental, produzindo assim o mínimo possível de resíduo”, explicou o capitão dos bombeiros, Rodrigo Quintino, que participou de uma coletiva de imprensa, nesta manhã, no local do incidente. 
Segundo ele, o teto do armazém está sendo retirado paulatinamente, conforme os bombeiros avançam no combate às chamas. “O Corpo de Bombeiros mantém 21 homens no local, com cinco viaturas, apoiados pelas equipes da Copercana, que forneceu uma escavadeira, duas pás carregadeiras, quatro caminhões, além de um serviço especial, contratado pela cooperativa, para cuidar da estrutura metálica (zinco e ferro) que apresenta risco no sentido do avanço do combate ao incêndio”, explicou, contando que a massa de amendoim está sendo levada por caminhões para um terreno dentro da estrutura da cooperativa e posteriormente será depositada em uma área de descarte seguro, escolhida pela Cetesb. 
“Estimamos que já conseguimos avançar aproximadamente cerca de 10% do estoque do armazém, e ainda temos uma jornada longa pela frente”, disse Quintino. “A intenção é avançar cerca de 30 a 40% do barracão hoje, mas teremos incêndio por mais alguns dias”, esclareceu.
Até o momento foram utilizados 1,725 milhão litros de água para combater o fogo. “Grande parte dessa agua é vaporizada no próprio combate ao incêndio e isso é positivo para nós, pois o vapor ajuda no abafamento das chamas”, disse o capitão. 
Com relação ao meio ambiente, a Cetesb tem trabalhado junto com o Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e com a Copercana no sentido de resguardar a parte de efluentes dentro das áreas de contenção implantadas na empresa. “O efluente é proveniente da utilização da água no combate ao incêndio, a maioria dessa água evapora - em torno de 90% - e os 10% que sobram se tornam efluentes, os quais estão sendo armazenados dentro de contenções construídas ao lado do barracão e posteriormente, tanto os efluentes, como os resíduos serão encaminhados para locais adequados”, concluiu Sebastião Bonádio, técnico ambiental da Cetesb, que também participou da coletiva, ao lado, de Estéphe Bergnoncini, 1º tenente dos bombeiros,  José Marcelo Cassaro, coordenador municipal da Defesa Civil, Pedro Israel Bighetti, diretor da Copercana e Augusto César Strini Paixão, gerente da UNAME.
A capacidade de armazenagem de amendoim da UNAME é de 1 milhão de sacas de 25 Kg, divididos em diversos barracões. A capacidade do barracão que pegou fogo é de 250 mil sacas de 25 kg (6,25 mil toneladas). Segundo o Corpo de Bombeiros todo o estoque deste barracão foi atingido.
“As ações de combate às chamas são coordenadas pelo Corpo de Bombeiros e nós da Copercana, estamos fazendo o possível para minimizar os impactos ambientais deste incêndio. Graças a Deus, ninguém ficou ferido e as causas do incidente estão sendo apuradas pelos órgãos competentes”, disse o diretor da Copercana, Pedro Israel Bighetti, afirmando que os cooperados não terão prejuízos com o ocorrido.
Amanhã (3), às 10h, será realizada uma coletiva de imprensa no local do incidente para atualizar as informações sobre as ações de combate ao incêndio. 
Sobre a Copercana
A Cooperativa dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo, foi fundada em 19 de maio de 1.963. Atualmente a Copercana tem um quadro de 6.299 cooperados. A cooperativa possui lojas de ferragens, magazines, supermercados, defensivos e fertilizantes, implementos agrícolas, calcário, combustíveis e lubrificantes, produtos automotivos, grãos (soja, amendoim e milho). A matriz fica localizada em Sertãozinho-SP e as filiais estão espalhadas nos Estados de São Paulo e Minas Gerais.
O combate ao incêndio no armazém de amendoim da UNAME (Unidade de Grãos da Copercana), localizado na Rodovia Albano Baccega, s/n – km 1, Sertãozinho-SP, continua nesta terça-feira (02). O incêndio começou por volta das 21 horas (horário de Brasília) de domingo (31/05), e desde então, os bombeiros vêm fazendo um trabalho de rescaldo para que o fogo não se alastre e atinja outros armazéns. 
 
 
“Iniciamos o processo de apagar o incêndio usando uma técnica lenta, mas eficiente e segura do ponto de vista ambiental, produzindo assim o mínimo possível de resíduo”, explicou o capitão dos bombeiros, Rodrigo Quintino, que participou de uma coletiva de imprensa, nesta manhã, no local do incidente. 
 
 
Segundo ele, o teto do armazém está sendo retirado paulatinamente, conforme os bombeiros avançam no combate às chamas. “O Corpo de Bombeiros mantém 21 homens no local, com cinco viaturas, apoiados pelas equipes da Copercana, que forneceu uma escavadeira, duas pás carregadeiras, quatro caminhões, além de um serviço especial, contratado pela cooperativa, para cuidar da estrutura metálica (zinco e ferro) que apresenta risco no sentido do avanço do combate ao incêndio”, explicou, contando que a massa de amendoim está sendo levada por caminhões para um terreno dentro da estrutura da cooperativa e posteriormente será depositada em uma área de descarte seguro, escolhida pela Cetesb. 
 
 
“Estimamos que já conseguimos avançar aproximadamente cerca de 10% do estoque do armazém, e ainda temos uma jornada longa pela frente”, disse Quintino. “A intenção é avançar cerca de 30 a 40% do barracão hoje, mas teremos incêndio por mais alguns dias”, esclareceu.
 
 
Até o momento foram utilizados 1,725 milhão de litros de água para combater o fogo. “Grande parte dessa agua é vaporizada no próprio combate ao incêndio e isso é positivo para nós, pois o vapor ajuda no abafamento das chamas”, disse o capitão. 
 
 
Com relação ao meio ambiente, a Cetesb tem trabalhado junto com o Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e com a Copercana no sentido de resguardar a parte de efluentes dentro das áreas de contenção implantadas na empresa. “O efluente é proveniente da utilização da água no combate ao incêndio, a maioria dessa água evapora - em torno de 90% - e os 10% que sobram se tornam efluentes, os quais estão sendo armazenados dentro de contenções construídas ao lado do barracão e posteriormente, tanto os efluentes, como os resíduos serão encaminhados para locais adequados”, concluiu Sebastião Bonádio, técnico ambiental da Cetesb, que também participou da coletiva, ao lado, de Estéphe Bergnoncini, 1º tenente dos bombeiros,  José Marcelo Cassaro, coordenador municipal da Defesa Civil, Pedro Esrael Bighetti, diretor da Copercana e Augusto César Strini Paixão, gerente da UNAME.
 
 
A capacidade de armazenagem de amendoim da UNAME é de 1 milhão de sacas de 25 Kg, divididos em diversos barracões. A capacidade do barracão que pegou fogo é de 250 mil sacas de 25 kg (6,25 mil toneladas). Segundo o Corpo de Bombeiros todo o estoque deste barracão foi atingido. 


“As ações de combate às chamas são coordenadas pelo Corpo de Bombeiros e nós da Copercana, estamos fazendo o possível para minimizar os impactos ambientais deste incêndio. Graças a Deus, ninguém ficou ferido e as causas do incidente estão sendo apuradas pelos órgãos competentes”, disse o diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti, afirmando que os cooperados não terão prejuízos com o ocorrido. 


Amanhã (3), às 10h, será realizada uma coletiva de imprensa no local do incidente para atualizar as informações sobre as ações de combate ao incêndio. 


Sobre a Copercana
A Cooperativa dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo, foi fundada em 19 de maio de 1.963. Atualmente a Copercana tem um quadro de 6.299 cooperados. A cooperativa possui lojas de ferragens, magazines, supermercados, defensivos e fertilizantes, implementos agrícolas, calcário, combustíveis e lubrificantes, produtos automotivos, grãos (soja, amendoim e milho). A matriz fica localizada em Sertãozinho-SP e as filiais estão espalhadas nos Estados de São Paulo e Minas Gerais.