atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Nova política fiscal devolverá competitividade ao etanol

08/12/2014 Cana-de-Açúcar POR: DCI
A promessa de ajustes fiscais feita pela nova equipe econômica do governo federal deve trazer um efeito positivo para o setor sucroenergético com o possível retorno da Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico (Cide) sobre a gasolina, tributação desonerada durante a gestão da presidente Dilma Rousseff.
Principal pleito dos usineiros, a medida devolveria competitividade de preços à produção de etanol.
"Não existe política monetária que resista a um descontrole fiscal e parte deste descontrole tem a ver com desonerações, uma delas é a Cide. Se a gestão macroeconômica vai pela linha de maior equilíbrio das contas públicas, nós podemos recuperar essa arrecadação, até porque o governo precisa dessa receita", explica a presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica ), Elizabeth Farina, durante o terceiro Simpósio de Agronegócios e Gestão promovido pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/ USP), em Piracicaba (SP). "Nós não precisamos colocar a mão nesse dinheiro, só recuperar parte da competitividade perdida", acrescenta Elizabeth.
A contribuição pode gerar ganhos de R$ 14 bilhões de receita por ano se cobrada em seu maior valor. A arrecadação do imposto pago por proprietários de veículos em 2008 era de R$ 0,28 por litro de gasolina e R$ 0,07 por litro de diesel, quantia que foi sendo reduzida ao longo dos últimos anos e zerada em 2012 para segurar os preços dos combustíveis. Farina acredita que a Cide virá, porém não sabe precisar quando.
Mistura
Outro grande pleito do setor para 2015 é o aumento na mistura de etanol na gasolina, de 25% para 27,5%, já aprovado pelo governo federal e pendente apenas em função dos últimos testes técnicos.
"Esse aumento na mistura tem tido grande resistência do setor automotivo. No próximo dia 12 haverá uma reunião para acompanharmos a finalização da safra e destes testes. Além disso, há um próximo encontro marcado para o dia dois de fevereiro. Estamos prontos para abastecer o mercado até mesmo se a medida for colocada em vigor no dia 1º de janeiro", afirma Farina.
Importados
A principal crítica do segmento automotivo se refere aos veículos a gasolina e importados, que representam menos de 40% do total da frota. Todos os testes feitos até o momento foram favoráveis ao biocombustível e quanto à durabilidade das peças, foram rodados 30 mil quilômetros sem danos, segundo o setor.
O vice-presidente executivo da Raízen, Pedro Mizutani, acredita que tanto a Cide quanto o aumento na mistura devam entrar em vigor no próximo ano, entretanto, os dois fatores auxiliam na sobrevivência das usinas e não na expansão. "Com essas duas medidas o preço na bomba teria um incremento de, aproximadamente, R$ 0,27 e para avanço do setor precisaríamos de um ganho de pelo menos R$ 0,50. Isso vai fazer com que apenas as boas empresas sobrevivam, as que mais investem em tecnologia", estima", disse Mizutani. Para o executivo, o governo fará a "parte dele" e o próximo desafio será convencer o consumidor para o uso do etanol.
Conflito político
Segundo a presidente da Única, Dilma julga o setor "ineficiente" em seu nível de produção. Elizabeth lembra as 67 usinas que se encontram em recuperação judicial e os resultados obtidos mesmo nesta situação. "Na safra 2013/2014 já tínhamos várias usinas fechadas e ainda houve recorde em moagem. O que fizemos, de fato, foi utilizar a capacidade ociosa", afirmou.
Politicamente, para ela, o que falta é mais importância e atuação do Ministério da Agricultura no que se refere a negociações com a presidência.
A promessa de ajustes fiscais feita pela nova equipe econômica do governo federal deve trazer um efeito positivo para o setor sucroenergético com o possível retorno da Contribuição de Intervenção de Domínio Econômico (Cide) sobre a gasolina, tributação desonerada durante a gestão da presidente Dilma Rousseff.
Principal pleito dos usineiros, a medida devolveria competitividade de preços à produção de etanol.
"Não existe política monetária que resista a um descontrole fiscal e parte deste descontrole tem a ver com desonerações, uma delas é a Cide. Se a gestão macroeconômica vai pela linha de maior equilíbrio das contas públicas, nós podemos recuperar essa arrecadação, até porque o governo precisa dessa receita", explica a presidente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica ), Elizabeth Farina, durante o terceiro Simpósio de Agronegócios e Gestão promovido pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/ USP), em Piracicaba (SP). "Nós não precisamos colocar a mão nesse dinheiro, só recuperar parte da competitividade perdida", acrescenta Elizabeth.
A contribuição pode gerar ganhos de R$ 14 bilhões de receita por ano se cobrada em seu maior valor. A arrecadação do imposto pago por proprietários de veículos em 2008 era de R$ 0,28 por litro de gasolina e R$ 0,07 por litro de diesel, quantia que foi sendo reduzida ao longo dos últimos anos e zerada em 2012 para segurar os preços dos combustíveis. Farina acredita que a Cide virá, porém não sabe precisar quando.
Mistura
Outro grande pleito do setor para 2015 é o aumento na mistura de etanol na gasolina, de 25% para 27,5%, já aprovado pelo governo federal e pendente apenas em função dos últimos testes técnicos.
"Esse aumento na mistura tem tido grande resistência do setor automotivo. No próximo dia 12 haverá uma reunião para acompanharmos a finalização da safra e destes testes. Além disso, há um próximo encontro marcado para o dia dois de fevereiro. Estamos prontos para abastecer o mercado até mesmo se a medida for colocada em vigor no dia 1º de janeiro", afirma Farina.
Importados
A principal crítica do segmento automotivo se refere aos veículos a gasolina e importados, que representam menos de 40% do total da frota. Todos os testes feitos até o momento foram favoráveis ao biocombustível e quanto à durabilidade das peças, foram rodados 30 mil quilômetros sem danos, segundo o setor.
O vice-presidente executivo da Raízen, Pedro Mizutani, acredita que tanto a Cide quanto o aumento na mistura devam entrar em vigor no próximo ano, entretanto, os dois fatores auxiliam na sobrevivência das usinas e não na expansão. "Com essas duas medidas o preço na bomba teria um incremento de, aproximadamente, R$ 0,27 e para avanço do setor precisaríamos de um ganho de pelo menos R$ 0,50. Isso vai fazer com que apenas as boas empresas sobrevivam, as que mais investem em tecnologia", estima", disse Mizutani. Para o executivo, o governo fará a "parte dele" e o próximo desafio será convencer o consumidor para o uso do etanol.
Conflito político
Segundo a presidente da Única, Dilma julga o setor "ineficiente" em seu nível de produção. Elizabeth lembra as 67 usinas que se encontram em recuperação judicial e os resultados obtidos mesmo nesta situação. "Na safra 2013/2014 já tínhamos várias usinas fechadas e ainda houve recorde em moagem. O que fizemos, de fato, foi utilizar a capacidade ociosa", afirmou.
Politicamente, para ela, o que falta é mais importância e atuação do Ministério da Agricultura no que se refere a negociações com a presidência.