atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

O assunto do dia 07 de maio de 2020: Mercado de fertilizantes aquecido

07/05/2020 Agronegócio POR: Marino Guerra

Antecipação da compra para o plantio de milho nos EUA é um dos motivos do resultado pomposo do primeiro semestre

Indicadores mostram marcha forte em todo globo

Notícias de que as grandes agriculturas do mundo não tiraram o pé do acelerador quando o assunto são os adubos, o que era temerário no mercado em decorrência do coronavírus, pipocaram ao longo dessa semana.

Um importante banco informou que a Índia, apesar do lockdown, comprou volumes robustos, superando dois dígitos de crescimento em relação ao ano passado.

E dentre eles se destaca a compra de fosfatados (MAP), que ao lado da demanda gerada pelo início da safra norte-americana responderam para um ganho de valor de 3,4% no preço (golfo).

Contudo, o estudo demonstrou que no Brasil a relação de troca com a soja (sacas/tonelada) está abaixo da média das últimas duas safras, que girou por volta das 19 sacas/toneladas e em 2020 fechou maio valendo 16,8 sacas/toneladas.

A Ureia (Oriente Médio) acumulou perdas no último mês de 11,5%, cotada no Brasil (porto) a US$ 230 a tonelada o que foi positivo mesmo com a alta do dólar de 5,4% no período. Segundo o estudo essa queda aconteceu em decorrência dos EUA, que antecipou suas compras para a atual temporada de milho, deixando o mercado sem volumes.

O documento finaliza concluindo que os preços devem seguir sem grandes oscilações até a metade de maio, isso principalmente porque os norte-americanos já fizeram boa parte de suas compras enquanto que a indústria brasileira está com os estoques altos.

Esse cenário é corroborado com o anúncio feito pela Mosaic de que ainda é alta a demanda por adubos na primavera da América do Norte, para a empresa, esse aquecimento se deu porque os agricultores norte-americanos investiram em adubação depois do clima atrapalhar demais a safra passada e também os clientes se anteciparam visando a redução de riscos logísticos em decorrência de eventuais problemas causados pela pandemia.

No mesmo compasso esteve, a Mosaic Fertilizantes, representante da marca no Brasil e Paraguai. Considerando volumes de vendas e margem bruta, a empresa anunciou os melhores primeiros três meses de um ano de sua história.

Para se ter ideia, foram vendidas 2,1 milhões de toneladas de adubos, que geraram US$ 731 milhões de receita.