atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

O assunto do dia 28 de abril: Quando, de onde e como virá o crédito?

28/04/2020 Etanol POR: Marino Guerra

À espera de uma assinatura (Foto: Antonio Araujo/Mapa)

Setor aguarda sobre o que virá de auxílio

Pelas próprias pernas vai ser muito traumático para o setor sucroenergético passar por esse período de pandemia, e por isso há mais de dez dias foi formalizado um pedido à ministra Tereza Cristina com três medidas de auxílio.

Nada ainda saiu oficialmente, mas declarações de pesos pesados apontam que alguma coisa deve surgir, contudo há uma resistência grande do ministério da Economia em se mexer em tributos, fazendo com que duas das solicitações tenham alto potencial em sair da pauta, o Cide sobre a gasolina e a suspensão temporária da cobrança de PIS e Cofins no etanol hidratado.

Sobra a linha de crédito para a estocagem de etanol (terceiro item da lista), a proposta inicial solicitava R$ 9 bilhões, mas deverá sair R$ 6 bilhões, sem dada prevista, isso porque no BNDES o pedido está na fila atrás de reivindicações de outros setores, que também vivem mal bocados, como a aviação e o automotivo.

E aí se chega num ponto complicado, hoje o setor tem quase 100 unidades industriais em recuperação judicial, sendo esse o público que precisa de mais socorro, ficando uma pergunta no ar: Como serão as regras de distribuição do recurso?

Para o produtor rural deve surgir em breve uma boa notícia, em entrevista concedida ao “Valor”, a ministra Tereza Cristina disse que o montante total do plano safra (subvenções e seguro) deve passar dos R$ 1 1 bilhões de 2019, chegando próximo dos R$ 15 bilhões no corrente ano.

Um ponto que a mandatária da pasta avalia como uma interessante alternativa para o setor sucroenergético são as novas operações para concessão do crédito, aprovadas recentemente através da sanção da MP do Agro, onde os interessados poderão fazer uso maior de títulos como Cédula de Produto Rural (CPR) e o Certificado de Recebíveis do Agronegócio (CRA).