atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

O primeiro teste do RenovaBio

28/11/2019 Etanol POR: Marino Guerra
O primeiro teste do RenovaBio

Mudança nas regras mundiais dos combustíveis marítimos pode ser o primeiro desafio de mercado do programa

A entrada em vigor da queda mundial do teor de enxofre do óleo destinado a movimentação de grandes embarcações prevista para janeiro de 2020 de 3,5% para 0,5% como medida do processo de despoluição dos mares, exigirá que as refinarias praticamente dupliquem sua produção de diesel marítimo.

E para isso, elas precisaram elevar o seu fator de utilização, o que consequentemente acarretará no aumento da oferta global de gasolina. Com mais produto o preço cai.

Pensando na política de preços da Petrobrás, que acompanha o comportamento dos valores internacionais, se torna palpável vislumbrar um 2020 com preços mais atrativos do combustível fóssil, acirrando a disputa na bomba com o etanol.

Claro que para isso acontecer será necessário todo um alinhamento de fatos, sendo os dois principais o preço do petróleo, que precisa se manter estável ou cair e o dólar retrair para pelo menos abaixo dos R$ 4.

Imaginando que tudo isso aconteça, podemos projetar o primeiro desafio real do RenovaBio, isso porque o programa prevê a necessidade de compra de créditos de carbono pelas distribuidoras conforme a comercialização de combustíveis fósseis, ou seja, se venderem mais gasolina, precisarão adquirir mais papéis, trazendo o equilíbrio novamente ao mercado.

Ainda observando o mercado interno de Etanol, se a ampliação da produção do combustível fóssil realmente se concretizar seu valor nos Estados Unidos deve subir, isso porque lá ele é misturado à gasolina, ou seja, para acompanhar a o crescimento da demanda não sobrará muita coisa para exportação, elevando os valores.

Depois de todo esse exercício de futurologia a única conclusão que já se pode afirmar é que o programa de incentivo ao uso dos biocombustíveis já atingiu sua primeira meta, trazer ao mercado a tão desejada previsibilidade, prova disso é ter um cenário de competitividade da gasolina e os empresários e investidores ficarem tranquilos pois terão uma demanda mínima mantida.