Parceria Copercana e Sumitomo cria rede de estações meteorológicas

03/08/2022 Noticias do Sistema POR: MARINO GUERRA


Em parceria com a Sumitomo, a Copercana instalou oito estações meteorológicas em sua área de abrangência

 

Uma lição a qual todos os que se aventuram pelas tortuosas serras do mundo dos negócios logo aprendem é a importância no estabelecimento de parcerias, e que essas para serem fortes e duradoras precisam se desenvolver numa via de mão dupla, assim como uma planta saudável carrega a energia do sol para as raízes, através do floema, e espalha por todo o seu corpo os nutrientes vindos do solo, com o xilema. Ao longo dos seus quase 60 anos de trajetória e com a principal missão de levar aos seus cooperados o que há de melhor em termos de ferramentas que os auxiliem a prosperar em suas lavouras, a Copercana se encaixa nessa estrutura como o caule da planta.

Para comprovar isso, basta pegar o seu noticiário publicado há 16 anos nas páginas da Revista Canavieiros e ver reportagens com a formação e/ou o resultado das mais variadas formas de parceria. Seja no segmento de insumos, com o mercado financeiro, grãos e amendoim, varejo e em iniciativas que trabalham na evolução ambiental e social. Essa intensa troca de energia recentemente gerou mais um fruto, através da formação de uma rede com oito estações meteorológicas fornecidas pela Sumitomo, em virtude do seu programa de fidelização e pontos, as quais foram instaladas em locais diferentes da região de abrangência da Copercana, sendo elas: Unigrãos I (Sertãozinho), III (Cruz das Posses) e VI (Herculândia); Fazenda Santa Rita (Terra Roxa) e em propriedades de cooperados localizadas nos municípios de Barretos-SP, Pitangueiras-SP, Rancharia-SP e Itapagipe-MG. Com uma simples conexão 3G, cada estação é capaz de armazenar e direcionar para um aplicativo, que em breve estará disponível aos cooperados, informações como: velocidade e direção do vento, ocorrência e volume das chuvas, temperatura, tempo de luz solar, entre outras.

“A tecnologia aplicada permite que cada estação tenha sua própria previsão do tempo para a microrregião que está instalada, o que é muito importante pois permite ao agricultor tomar decisões, principalmente quanto a pulverização da lavoura”, explicou o especialista em vendas e soluções da Farmers Edge, fornecedora dos equipamentos, Matheus Capeloto. Que destaca o “Delta T”, índice que apresenta as condições para aplicação de fertilizantes ou defensivos, representado por cores, onde o verde significa uma conjuntura climática ideal para o manejo; o amarelo aponta que ainda é possível ser feito, mas é necessário algum ajuste, como mexer no tamanho da gota ou ainda repensar a escolha pelo adjuvante; e o vermelho alerta que não dá para trabalhar e, se insistir, há grandes chances de se desperdiçar a eficiência dos produtos.

Imagens via satélite

Outro serviço que será prestado será o de acompanhamento do nível de biomassa de lavouras pré-determinadas através de imagens coletadas diariamente via satélite. “Os mapas serão processados e identificados através do índice NDVI, o qual sinaliza com cores mais próximas do vermelho áreas com pouca massa verde, como por exemplo um talhão no estágio de preparo de solo ou uma lavoura de soja já dessecada, e tons com o verde mais forte em áreas tomados pela biomassa, como em canaviais no seu máximo potencial vegetativo ou uma roça de amendoim após o fechamento de rua”, explicou Capeloto.

No caso da Copercana, nesse primeiro momento, receberam as estações campos de semente do Projeto Amendoim, que tem como responsável, o engenheiro agrônomo, Edgard Matrangolo Júnior. “Essa ferramenta nos dará informações ao longo de todo o desenvolvimento da cultura no campo, o que será útil para compararmos com os dados de produção e com isso entendermos melhor a influência de diversos fatores que podem mudar positivamente ou negativamente o resultado do ciclo”, cita Matrangolo.


Equipamento funciona com energia solar e precisa de uma simples conexão 3G para enviar as informações que serão divulgadas num aplicativo