atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Principal região de cana da China deve reduzir produção

30/04/2015 Cana-de-Açúcar POR: Reuters
A principal região produtora de cana da China, em Guangxi, pode registrar uma queda de 11,5 por cento na área cultivada em 2015/16, indicando uma nova redução na produção de açúcar depois do declínio de quase um quarto até o momento na temporada 2014/15, disse um executivo da associação local do setor.
 
As estimativas iniciais sugerem que a região deverá cultivar 867 mil hectares de cana na próxima temporada, 100 mil hectares a menos que na temporada anterior, disse o secretário-geral da associação de açúcar de Guangxi, Nong Guang, durante conferência de imprensa nesta quarta-feira.
 
A previsão reforça expectativas do mercado de uma queda maior na produção de açúcar da China em 2015/16 e uma maior demanda por importações.
 
Nong não comentou sobre a produção total da China, que é projetada pelo mercado em 10,5 milhões de toneladas em 2014/15, ante 13,3 milhões em 2013/14.
 
"Isso dá muito mais confiança de que haverá uma importação de mais de 4 milhões de toneladas no ano calendário 2015", disse Tom McNeill, diretor da Green Pool Commodities, acrescentando que as importações chinesas podem facilmente alcançar 4,5 milhões de toneladas em 2015, 1 milhão a mais do que no ano passado.
 
A China é o segundo maior consumidor global de açúcar, mas enfrenta dificuldades em manter a produção devido a elevados custos de mão de obra e falta de mecanização em pequenas fazendas localizadas em áreas montanhosas do sul do país.
A principal região produtora de cana da China, em Guangxi, pode registrar uma queda de 11,5 por cento na área cultivada em 2015/16, indicando uma nova redução na produção de açúcar depois do declínio de quase um quarto até o momento na temporada 2014/15, disse um executivo da associação local do setor.
 
As estimativas iniciais sugerem que a região deverá cultivar 867 mil hectares de cana na próxima temporada, 100 mil hectares a menos que na temporada anterior, disse o secretário-geral da associação de açúcar de Guangxi, Nong Guang, durante conferência de imprensa nesta quarta-feira.
 
A previsão reforça expectativas do mercado de uma queda maior na produção de açúcar da China em 2015/16 e uma maior demanda por importações.
 
Nong não comentou sobre a produção total da China, que é projetada pelo mercado em 10,5 milhões de toneladas em 2014/15, ante 13,3 milhões em 2013/14.
 
"Isso dá muito mais confiança de que haverá uma importação de mais de 4 milhões de toneladas no ano calendário 2015", disse Tom McNeill, diretor da Green Pool Commodities, acrescentando que as importações chinesas podem facilmente alcançar 4,5 milhões de toneladas em 2015, 1 milhão a mais do que no ano passado.
 
A China é o segundo maior consumidor global de açúcar, mas enfrenta dificuldades em manter a produção devido a elevados custos de mão de obra e falta de mecanização em pequenas fazendas localizadas em áreas montanhosas do sul do país.