atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Produção de cana aumenta 450% em 10 anos e impacta criação bovina

01/11/2013 Cana-de-Açúcar POR: Vinícius Pacheco | Portal G1
A criação de gado na região de Presidente Prudente tem perdido, ano a ano, espaço para a cana-de-açúcar. Um estudo feito pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA) mostra que nos últimos dez anos houve um crescimento de 450% na produção da cana, o que representa um aumento de 15 milhões de toneladas.
 
Em relação à área plantada, o avanço é de 377%. São 184 mil hectares a mais. Já a área destinada à pecuária na região tem diminuído em uma proporção até maior. São 341 mil hectares a menos, de acordo com a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati). Um hectare equivale a um campo de futebol, em média.
 
A mudança, segundo o engenheiro agrônomo do Cati, Lauro Eiji Diba, é uma tendência. "Como existem muitas áreas de pastagem antigas e degradadas, o pecuarista decide arrendá-la para as usinas. Com isso, consegue um retorno financeiro imediato", explica.
 
Segundo Diba, isso ocorre também porque muitos fazendeiros não investiram em outro tipo de plantação ou cultura por não terem os recursos necessários. "Como estavam acostumados com o gado, não investiram em máquinas, mudas ou preservação do solo."
 
O produtor rural Tiago Jacintho, que trabalhou com a pecuária durante 25 anos, é um dos que optaram pela troca. Desde 2003, a cana ocupa a maioria dos 1.000 hectares de sua propriedade, localizada na cidade de Sandovalina. A decisão, tomada a partir de uma análise própria do mercado, levou em consideração um fator determinante: a rentabilidade.
 
"Apesar do investimento inicial com suprimentos para a terra, consigo um lucro cinco vezes maior vendendo a cana para as usinas da região do que conseguia anteriormente com o gado", atesta Jacinto.
 
Para a safra 2013-2014, a expectativa do Conselho Nacional de Abastecimento (Conab) é que sejam plantados 4,5 milhões de hectares de cana-de-açúcar em todo o estado de São Paulo.