atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Raízen prevê moagem de 54 milhões de toneladas de cana em 2012/13

08/11/2012 Cana-de-Açúcar POR: Agência UDOP de Notícias
A Raízen, a maior empresa sucroalcooleira do país, resultado de uma joint venture entre Cosan e Shell, deve processar 54 milhões de toneladas de cana-de-açúcar nesta safra. A atual temporada da companhia deve ser concluída entre 15 ou 20 de dezembro. "A intensidade de chuvas é que vai determinar a safra do Centro-Sul daqui pra frente",explicou o vice-presidente do Grupo Raízen, Pedro Mizutani durante evento na capital paulista.

A Raízen iniciou a safra mais tarde, com o objetivo de ganhar nos índices de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR), mas depois da seca entre fevereiro e março, a região Centro-Sul registrou chuvas intensas e os índices de ATR ficaram abaixo do esperado. "Como choveu, a produtividade aumentou, tivemos mais tonelada de cana por hectare, mas hoje sofremos com esse problema de ter tempo ou não de moer toda a cana. É lógico que dentro de um contexto normal, compensa. Mas se pudéssemos voltar atras, não começaríamos a safra com atraso", comenta Mizutani.

A produção de açúcar da Raízen na atual temporada deve fica em torno de 4 milhões de toneladas, sendo que 3 milhões serão destinadas para o mercado externo e 1 milhão de toneladas são destinadas para o mercado interno. "Exportamos em torno de 75% da produção e 25% mantemos no mercado interno, essa é a política da Raízen", ressalta o vice-presidente da companhia.


Expansão

O plano inicial da companhia, previa a expansão da capacidade de moagem para até 100 milhões de toneladas em cinco anos, com greenfields (novos projetos), aquisições e investimentos em unidades próprias. Mas esta meta foi rebaixada para 80 milhões de toneladas, marca que deve ser atingida em 2016/17. Mizutani afirma que a Companhia estuda as possibilidades de alcançar o número.

"O objetivo das nossas unidades é vencer o obstáculo da capacidade ociosa. Estamos investindo em canaviais e expandindo duas unidades na região de Paraguaçú e Carapó, no Mato Grosso do Sul, completando essas unidades nós devemos ter 70 milhões de toneladas de capacidade. Em relação a aquisições ou novas unidades, vai depender de preço e política do governo para incentivar o empresário a investir", explica o vice-presidente.

Segundo Mizutani, a Raízen deve crescer na mesma proporção que cresce a região Centro-Sul, que deve estar em torno de 10%. "Se nesta temporada vamos moer em torno de 54 mi/ton no próximo ano faremos 58 milhões de toneladas de cana. Mas é cedo falar sobre isso porque dependemos do tempo, a gente em condições normais é o que poderíamos fazer, mas se tiver, por exemplo, uma seca em janeiro e fevereiro, quando a cana tem que crescer, você revê essa projeção", complementa.