atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Retomada do setor deverá começar pelo etanol, aposta Nastari

01/08/2014 Cana-de-Açúcar POR: Assessoria de Comunicação
Presidente da DATAGRO fala das perspectivas para o setor, em Coletiva de Imprensa da Fenasucro; maior e principal evento mundial de tecnologias, soluções e relações comerciais do setor sucroenergético acontece de 26 a 29 de agosto.
Responsável pela 3ª Conferência DATAGRO CEISE Br, evento de abertura da 22ª Fenasucro – Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética, o presidente da consultoria de etanol e açúcar, Plínio Nastari, participou da coletiva de imprensa da feira, na manhã dessa quinta-feira, 31, em Ribeirão Preto. A Fenasucro é uma realização do CEISE Br – Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis, e acontece de 26 a 29 de agosto, no Centro de Eventos Zanini, em Sertãozinho (SP).
Nastari adiantou aos jornalistas os principais pontos que serão tratados na conferência, como questões dos mercados doméstico e internacional, relacionadas ao setor sucroenergético. “Vamos discutir o que pode ser feito para que o setor volte a ser competitivo; a atual safra e seus desafios; as comercializações da gasolina e da energia elétrica”, destacou.
De acordo com o presidente, o setor sucroenergético, enquanto etanol e energia, será sempre solução, ainda que parcialmente. “O subsídio de 17,7% da gasolina tem sido objeto de preocupação para o governo federal, para o Banco Central. Essa defasagem, influenciada pela taxa de câmbio, vai sofrer correções nos preços em breve, assim como a energia elétrica, e é aí que entra a revalorização do etanol”, disse.
Para Nastari, a crise da cadeia produtora da cana-de-açúcar tem provocado consequências econômicas como a redução de investimentos, demissões e até fechamento de empresas. “Essas distorções políticas praticadas pelo governo não poderão perdurar, porque esses fatores estão afetando a economia como um todo”, explicou. “A retomada do etanol gera desenvolvimento, e essa é a realidade da cana no Brasil, tão valorizada lá fora”, completou.
Embora levantamentos apontem déficit no ciclo mundial 14/15, de 1º de outubro de 2014 a 30 de setembro de 2014, segundo Nastari, “é uma questão de tempo para começarmos a observar as mudanças em prol do etanol”, disse ao referir-se também às atenções para a energia de biomassa, mais limpa e até 10 vezes mais barata, em substituição à energia, suja, de origem fóssil.
O presidente do CEISE Br, Antonio Eduardo Tonielo Filho, e o presidente da feira, Antonio Eduardo Tonielo, foram incisivos dizendo que, apesar da crise, a Fenasucro acontece em um momento oportuno. “A crise pressiona a necessidade de aumento de eficiência, e a feira reúne as maiores e melhores tecnologias, inovações em máquinas, equipamentos e serviços para agroindústria da cana”, destacou Tonielo Filho.
Para ele, a indústria de base do setor sucroenergético, principalmente as empresas de Sertãozinho – principal polo fornecedor às usinas, a tendência da Fenasucro está voltada à geração de energia. “Muitas indústrias estão investindo em tecnologias para aumentar a produção e a produtividade das usinas, associada à eficiência energética”, ressaltou o presidente do CEISE Br.
Paulo Octávio Pereira de Almeida, vice-presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado – organizadora da Fenasucro, e o diretor da feira, Gabriel Godoy, apresentaram as novidades da 22ª edição, como a implantação de mais áreas verdes para descanso e pontos de alimentação de marcas renomadas.
Ainda segundo a organização, haverá o Espaço de Conferências Fenasucro, anexo ao pavilhão dos expositores, para a realização da maioria das palestras, debates, conferências, entre outros eventos, com capacidade para receber 1.600 convidados. Outro diferencial é o Estande das Novidades, onde estarão concentradas as descrições e imagens dos principais lançamentos da feira, facilitando a busca dos compradores/visitantes.
Simultaneamente à feira, também serão realizados os projetos tradicionais como o Prêmio MasterCana, a reunião do Gerhai (Grupo de Estudos em Recursos Humanos na Agroindústria), o Seminário Agroindustrial GEGIS (Grupo de Estudos em Gestão Industrial do Setor Sucroalcooleiro), o Encontro de Produtores Canaoeste/Orplana, a Rodada de Negócios Internacional Apla/Apex, além do 2º Congresso de Automação e Inovação Tecnológica Sucroenergética.
Presidente da DATAGRO fala das perspectivas para o setor, em Coletiva de Imprensa da Fenasucro; maior e principal evento mundial de tecnologias, soluções e relações comerciais do setor sucroenergético acontece de 26 a 29 de agosto.
Responsável pela 3ª Conferência DATAGRO CEISE Br, evento de abertura da 22ª Fenasucro – Feira Internacional de Tecnologia Sucroenergética, o presidente da consultoria de etanol e açúcar, Plínio Nastari, participou da coletiva de imprensa da feira, na manhã dessa quinta-feira, 31, em Ribeirão Preto. A Fenasucro é uma realização do CEISE Br – Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis, e acontece de 26 a 29 de agosto, no Centro de Eventos Zanini, em Sertãozinho (SP).
Nastari adiantou aos jornalistas os principais pontos que serão tratados na conferência, como questões dos mercados doméstico e internacional, relacionadas ao setor sucroenergético. “Vamos discutir o que pode ser feito para que o setor volte a ser competitivo; a atual safra e seus desafios; as comercializações da gasolina e da energia elétrica”, destacou.
De acordo com o presidente, o setor sucroenergético, enquanto etanol e energia, será sempre solução, ainda que parcialmente. “O subsídio de 17,7% da gasolina tem sido objeto de preocupação para o governo federal, para o Banco Central. Essa defasagem, influenciada pela taxa de câmbio, vai sofrer correções nos preços em breve, assim como a energia elétrica, e é aí que entra a revalorização do etanol”, disse.
Para Nastari, a crise da cadeia produtora da cana-de-açúcar tem provocado consequências econômicas como a redução de investimentos, demissões e até fechamento de empresas. “Essas distorções políticas praticadas pelo governo não poderão perdurar, porque esses fatores estão afetando a economia como um todo”, explicou. “A retomada do etanol gera desenvolvimento, e essa é a realidade da cana no Brasil, tão valorizada lá fora”, completou.
Embora levantamentos apontem déficit no ciclo mundial 14/15, de 1º de outubro de 2014 a 30 de setembro de 2014, segundo Nastari, “é uma questão de tempo para começarmos a observar as mudanças em prol do etanol”, disse ao referir-se também às atenções para a energia de biomassa, mais limpa e até 10 vezes mais barata, em substituição à energia, suja, de origem fóssil.
O presidente do CEISE Br, Antonio Eduardo Tonielo Filho, e o presidente da feira, Antonio Eduardo Tonielo, foram incisivos dizendo que, apesar da crise, a Fenasucro acontece em um momento oportuno. “A crise pressiona a necessidade de aumento de eficiência, e a feira reúne as maiores e melhores tecnologias, inovações em máquinas, equipamentos e serviços para agroindústria da cana”, destacou Tonielo Filho.
Para ele, a indústria de base do setor sucroenergético, principalmente as empresas de Sertãozinho – principal polo fornecedor às usinas, a tendência da Fenasucro está voltada à geração de energia. “Muitas indústrias estão investindo em tecnologias para aumentar a produção e a produtividade das usinas, associada à eficiência energética”, ressaltou o presidente do CEISE Br.
Paulo Octávio Pereira de Almeida, vice-presidente da Reed Exhibitions Alcantara Machado – organizadora da Fenasucro, e o diretor da feira, Gabriel Godoy, apresentaram as novidades da 22ª edição, como a implantação de mais áreas verdes para descanso e pontos de alimentação de marcas renomadas.
Ainda segundo a organização, haverá o Espaço de Conferências Fenasucro, anexo ao pavilhão dos expositores, para a realização da maioria das palestras, debates, conferências, entre outros eventos, com capacidade para receber 1.600 convidados. Outro diferencial é o Estande das Novidades, onde estarão concentradas as descrições e imagens dos principais lançamentos da feira, facilitando a busca dos compradores/visitantes.
Simultaneamente à feira, também serão realizados os projetos tradicionais como o Prêmio MasterCana, a reunião do Gerhai (Grupo de Estudos em Recursos Humanos na Agroindústria), o Seminário Agroindustrial GEGIS (Grupo de Estudos em Gestão Industrial do Setor Sucroalcooleiro), o Encontro de Produtores Canaoeste/Orplana, a Rodada de Negócios Internacional Apla/Apex, além do 2º Congresso de Automação e Inovação Tecnológica Sucroenergética.