atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Safra de cana no centro-sul do país será ´esticada´ até o Natal

06/12/2012 Cana-de-Açúcar POR: Folha Online
A safra da cana-de-açúcar no centro-sul do país será "esticada" neste ano até perto do Natal. As usinas tentam evitar a sobra da planta nos canaviais até porque há falta do produto no mercado. Ainda assim, por causa do clima, deve ficar cana em pé.

A previsão inicial era de que a colheita fosse encerrada na primeira quinzena de novembro, mas justamente devido à previsão de sobra da planta nos canaviais, a maioria das usinas deve continuar colhendo até dia 20.

Algumas unidades produtoras, inclusive, poderão ultrapassar a data. A expectativa é que a produção cresça cerca de 5% em relação à safra anterior, que foi de 493 milhões de toneladas.

Mesmo com o avanço, não se repetirá a situação de 2010, anterior à quebra da cana, que chegou perto de 560 milhões de toneladas de cana.

"O fato é que o clima atrapalhou a colheita neste ano. O clima sempre influencia para o bem ou para o mal", disse o representante da Unica (União da Indústria de Cana-de-açúcar) Sérgio Prado.

A região de Ribeirão Preto (313 km de São Paulo) é uma das principais produtoras de cana do Brasil e, sozinha, corresponde a cerca de 20% de toda a produção do Centro-Sul do Brasil.

Há cerca de 50 usinas de cana-de-açúcar na região, segundo dados da Unica.

A Unica ainda não fala em previsões para a colheita 2013/2014, já que nem os números da temporada atual são concretos ainda. "É muito cedo para falar sobre isso ainda", disse Prado.

Propriedade do Grupo Balbo, a Usina São Francisco, em Sertãozinho, é uma exceção na região. Na contramão das empresas de todo o pais, a usina já concluiu a colheita da safra deste ano.

Segundo o diretor-industrial da São Francisco, Jairo Menesis Balbo, ainda não há números sobre quanto foi colhido. Ele diz, porém, que estima um crescimento de aproximadamente 15% em relação à safra 2011/2012, quando a produção foi de cerca de 970 mil toneladas.

A produtividade ou peso da cana na safra neste ano, segundo Balbo, ficou 25% maior que no período anterior. Já a qualidade, ou seja, a quantidade de açúcar na planta colhida evoluiu 5%.

Araripe Castilho