atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Segundo semestre trará mais remuneração ao produtor de cana, diz diretor da Bioenergia

06/04/2015 Cana-de-Açúcar POR: Canal Rural
Muitos produtores já migraram para  outras culturas nos últimos quatro anos devido ao clima desfavorável e à falta de capital, com taxas de juros que oneram a produção. Na avaliação do presidente da Bioenergia, Tarsilo Rodrigues, em entrevista nesta quinta, dia 2, ao Mercado e Companhia, "o fundo do poço já ficou para trás". Ele sugere
uma melhor remuneração aos produtores a partir do segundo semestre.
– O mercado de açúcar é mundial. Há política de subsídio e isso está sendo questionado [o Brasil questiona a Tailândia na OMC], à medida que a gente se livra dessas amarras, o mercado tende a melhorar. Preços reagirão porque estamos próximos de um período em que os estoques estão acabando e haverá demanda. A partir do segundo semestre, veremos reação no mercado internacional de açúcar. A safra mundial entra em setembro. Um ponto importante é que somos o único país com capacidade de produzir açúcar ou etanol. Neste ano, a safra tende a ser mais acooleira porque os preços estão mais competitivos – estima.
Segundo ele, o consumo de combustíveis no Brasil cresce a "níveis chineses", com
aumento de 7,7% no ano passado, enquanto o crescimento do país foi praticamente
nulo. – O problema é que não temos gasolina, o que produzimos é insuficiente, somos 
importadores e temos uma capacidade limitada de produção de etanol pela estagnação
econômica do setor. É uma decisão complexa: envolve planejamento de governo. Se
não houver incentivo, o Brasil importará cada vez mais gasolina. É necessário 
planejamento, horizonte e regras claras para que não vivamos mais ps erros do
passado, que custaram muito caro ao país – enfatizou.
Uma crise severa assola o setor nos últimos anos, com cerca de 50 usinas fechadas
desde 2008. Segundo Rodrigues, governo tomou medidas positivas este ano, com a
volta da Cide sobre a gasolina e o aumento da mistura do etanol anidro à gasolina, mas
"demorou demais" a adotar tais medidas.
– As usinas estão em uma situação delicadíssima, mas naturalmente melhorando os
preços de etanol e açúcar, as empresas trarão suas dívidas para um limite em se possa
honrar. Recebendo créditos novos para que, lá na frente, quando a demanda for
positiva, elas tenham capacidade de atender – opina.
Muitos produtores já migraram para  outras culturas nos últimos quatro anos devido ao clima desfavorável e à falta de capital, com taxas de juros que oneram a produção. Na avaliação do presidente da Bioenergia, Tarsilo Rodrigues, em entrevista nesta quinta, dia 2, ao Mercado e Companhia, "o fundo do poço já ficou para trás". Ele sugere uma melhor remuneração aos produtores a partir do segundo semestre.
– O mercado de açúcar é mundial. Há política de subsídio e isso está sendo questionado [o Brasil questiona a Tailândia na OMC], à medida que a gente se livra dessas amarras, o mercado tende a melhorar. Preços reagirão porque estamos próximos de um período em que os estoques estão acabando e haverá demanda. A partir do segundo semestre, veremos reação no mercado internacional de açúcar. A safra mundial entra em setembro. Um ponto importante é que somos o único país com capacidade de produzir açúcar ou etanol. Neste ano, a safra tende a ser mais acooleira porque os preços estão mais competitivos – estima.
Segundo ele, o consumo de combustíveis no Brasil cresce a "níveis chineses", com
aumento de 7,7% no ano passado, enquanto o crescimento do país foi praticamente nulo. – O problema é que não temos gasolina, o que produzimos é insuficiente, somos importadores e temos uma capacidade limitada de produção de etanol pela estagnação econômica do setor. É uma decisão complexa: envolve planejamento de governo. Se não houver incentivo, o Brasil importará cada vez mais gasolina. É necessário planejamento, horizonte e regras claras para que não vivamos mais ps erros do passado, que custaram muito caro ao país – enfatizou.
Uma crise severa assola o setor nos últimos anos, com cerca de 50 usinas fechadas desde 2008. Segundo Rodrigues, governo tomou medidas positivas este ano, com a volta da Cide sobre a gasolina e o aumento da mistura do etanol anidro à gasolina, mas "demorou demais" a adotar tais medidas.
– As usinas estão em uma situação delicadíssima, mas naturalmente melhorando os preços de etanol e açúcar, as empresas trarão suas dívidas para um limite em se possa honrar. Recebendo créditos novos para que, lá na frente, quando a demanda for positiva, elas tenham capacidade de atender – opina.