atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Setor energético deve ser próximo a se descarbonizar, diz pesquisador do Inpe

15/09/2015 Cana-de-Açúcar POR: Folha de São Paulo
A redução de emissões de gases do efeito estufa (principalmente gás carbônico, CO2) no Brasil nos últimos anos se deu pela queda acentuada no desmatamento, tendência que deve se manter até 2030. No entanto, o setor industrial e sobretudo o energético se mantêm viciados em carbono.
"A economia brasileira não se descarbonizou", diz Gilberto Câmara, especialista em modelagem ambiental e ex-diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Para ele, o debate sobre a redução das emissões deveria recair sobre o setor energético.
"Que economia do mundo consegue dividir por quatro o número de suas emissões sem impacto econômico nenhum em 20 anos? Só foi possível no Brasil por causa esculhambação que era o desmatamento", diz.
Câmara argumenta que o potencial de redução das emissões na agricultura é de baixa escala. A matriz energética do Brasil (incluindo geração de eletricidade, transportes e outras fontes), disse, é composta por 56% de energias não renováveis, as que mais poluem e agravam o aquecimento global.
"A retirada de carbono da matriz energética é bastante lenta, mas o etanol e o biodiesel precisam ganhar espaço", diz o pesquisador do Inpe. "A descarbonização da economia tem de começar em algum momento".
GLOBIOM
A conclusão do pesquisador é baseada em um sistema computadorizado de cálculo de emissão dos gases causadores do efeito estufa chamado Globiom-Brasil. A tecnologia permite analisar as relações entre biomas e atividades produtivas e projetá-las em cenários futuros.
O modelo divide o Brasil em 3.000 quadradinhos virtuais de 50 km², como se o país fosse coberto por ladrilhos. Cada "ladrilho" é analisado a fundo, com base em imagens de satélite, e associado com muitos dados.
"Colocamos então onde tem trigo, gado, soja, floresta plantada etc. em cada uma das unidades. Depois acrescentamos o que pode acontecer ao longo do tempo. Floresta primária pode virar pastagem, que, por sua vez, pode virar uma cultura produtiva, por exemplo", diz Câmara.
O passo seguinte é acrescentar as tendências de consumo nacionais e internacionais, o crescimento econômico e os condicionantes ambientais estabelecidos (como regras sobre uso da terra na legislação).
Assim se torna possível predizer qual a produtividade que a terra poderá alcançar, numa escala detalhada. Os pesquisadores conseguem simular quais seriam as tendências de transições no uso da terra.
"O Globiom responde, por exemplo, o que acontece se a demanda por biocombustíveis dobrar. Se teria terra o suficiente para produzir, respeitadas as terras protegidas, indígenas, o código florestal, mata atlântica protegida etc."
O programa permite computar uma grande quantidade de variáveis e projetá-las em diferentes cenários, calculando os efeitos ambientais do desmatamento, a emissão de gases causadores do efeito estufa e compensações de políticas ambientais, como o replantio de áreas verdes. 
A redução de emissões de gases do efeito estufa (principalmente gás carbônico, CO2) no Brasil nos últimos anos se deu pela queda acentuada no desmatamento, tendência que deve se manter até 2030. No entanto, o setor industrial e sobretudo o energético se mantêm viciados em carbono.
"A economia brasileira não se descarbonizou", diz Gilberto Câmara, especialista em modelagem ambiental e ex-diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Para ele, o debate sobre a redução das emissões deveria recair sobre o setor energético.
"Que economia do mundo consegue dividir por quatro o número de suas emissões sem impacto econômico nenhum em 20 anos? Só foi possível no Brasil por causa esculhambação que era o desmatamento", diz.
Câmara argumenta que o potencial de redução das emissões na agricultura é de baixa escala. A matriz energética do Brasil (incluindo geração de eletricidade, transportes e outras fontes), disse, é composta por 56% de energias não renováveis, as que mais poluem e agravam o aquecimento global.
"A retirada de carbono da matriz energética é bastante lenta, mas o etanol e o biodiesel precisam ganhar espaço", diz o pesquisador do Inpe. "A descarbonização da economia tem de começar em algum momento".
GLOBIOM
A conclusão do pesquisador é baseada em um sistema computadorizado de cálculo de emissão dos gases causadores do efeito estufa chamado Globiom-Brasil. A tecnologia permite analisar as relações entre biomas e atividades produtivas e projetá-las em cenários futuros.
O modelo divide o Brasil em 3.000 quadradinhos virtuais de 50 km², como se o país fosse coberto por ladrilhos. Cada "ladrilho" é analisado a fundo, com base em imagens de satélite, e associado com muitos dados.
"Colocamos então onde tem trigo, gado, soja, floresta plantada etc. em cada uma das unidades. Depois acrescentamos o que pode acontecer ao longo do tempo. Floresta primária pode virar pastagem, que, por sua vez, pode virar uma cultura produtiva, por exemplo", diz Câmara.
O passo seguinte é acrescentar as tendências de consumo nacionais e internacionais, o crescimento econômico e os condicionantes ambientais estabelecidos (como regras sobre uso da terra na legislação).
Assim se torna possível predizer qual a produtividade que a terra poderá alcançar, numa escala detalhada. Os pesquisadores conseguem simular quais seriam as tendências de transições no uso da terra.
"O Globiom responde, por exemplo, o que acontece se a demanda por biocombustíveis dobrar. Se teria terra o suficiente para produzir, respeitadas as terras protegidas, indígenas, o código florestal, mata atlântica protegida etc."
O programa permite computar uma grande quantidade de variáveis e projetá-las em diferentes cenários, calculando os efeitos ambientais do desmatamento, a emissão de gases causadores do efeito estufa e compensações de políticas ambientais, como o replantio de áreas verdes.