atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

SP: Área nova para o plantio de cana aumenta 21% na região de Prudente

09/12/2013 Cana-de-Açúcar POR: iFronteira
Levantamento divulgado pelo Instituto de Economia Agrícola aponta uma pequena queda de 0,03% na produção, em toneladas, na safra 2012/2013.
Levantamento divulgado nesta quinta-feira (5) pelo Instituto de Economia Agrícola (IEA), órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, revela que houve um crescimento de mais de 21% na área nova utilizada para o cultivo de cana-de-açúcar para a indústria na Região Administrativa de Presidente Prudente, na safra 2012/2013.
Na safra 2011/2012, a região teve um total de 81.423 hectares de área nova para a cana. Já na safra 2012/2013, o plantio em área nova atingiu 98.655 hectares.
No entanto, a área em produção de cana na região teve um pequeno decréscimo de 0,69% e fechou a safra 2012/2013 com 511.264 hectares. Na safra anterior, a área em produção ocupou 514.841 hectares.
A produção de cana para a indústria manteve-se estável na região de Presidente Prudente. Segundo o levantamento divulgado nesta quinta-feira (5), a safra 2012/2013 contabilizou uma produção de 37.853.001, com uma ligeira queda de 0,03%. Na safra anterior, o total foi de 37.865.516 toneladas.
Os dados apresentados nesta quinta-feira (5) foram coletados em setembro deste ano e compõem o levantamento final das estimativas feitas pelo IEA para a safra 2012/2013.
Na avaliação do engenheiro agrônomo João Menezes de Souza Neto, diretor do Escritório de Desenvolvimento Rural (EDR) de Presidente Prudente, o aumento na área nova de cana para a indústria se deve a dois prováveis fatores: a expansão no cultivo e a renovação das áreas existentes (que ocorre, em média, uma vez a cada cinco anos ou em 20% por ano).
“Há uma crise momentânea na região, mas a cana está em expansão. A área em produção não diminuiu muito porque as outras usinas absorveram a cana das unidades que fecharam. Em um curto prazo, a situação está difícil para a cana na região. Os preços não estão muito atrativos e, momentaneamente, existe uma contenção de investimentos porque a situação não é boa. Mas, em médio e longo prazos, há uma perspectiva de melhora, porque o setor é muito dinâmico. Produz açúcar, álcool e energia. É uma fonte de energia limpa e renovável”, analisou o engenheiro agrônomo.
Estado
Conforme o estudo apresentado pelo IEA, a produção de cana no Estado de São Paulo fechou a safra 2012/2013 com 431.092.269 toneladas, com uma área em produção de 5.395.679 hectares e uma área nova de 668.850 hectares. Na comparação com a safra anterior, houve crescimento de 2,73% na produção em toneladas, de 1,34% na área em produção e de 0,51% na área nova.
Entre as 15 regiões administrativas do Estado, a que contabilizou a maior produção de cana na safra 2012/2013 foi a de São José do Rio Preto, com 65.563.046 toneladas, seguida pelas de Araçatuba (46.083.948 t), Campinas (40.308.933 t), Franca (40.132.204 t), Ribeirão Preto (38.949.552 t), Bauru (38.042.815 t), Presidente Prudente (37.853.001 t), Central (35.748.730 t), Marília (33.873.609 t), Barretos (33.587.711 t), Sorocaba (20.931.333 t), São José dos Campos (15.362 t), Registro (1.780 t) e Baixada Santista (250 t). A região de São Paulo não registrou o cultivo de cana para a indústria, segundo o IEA.