Superação e fé naquilo que faz

17/03/2021 Noticias POR: CARLA ROSSINI

Francisco César Urenha - diretor-presidente executivo da Copercana

 

“Superação e fé naquilo que faz” são as palavras do diretor-presidente executivo da Copercana, Francisco César Urenha quando a redação da Revista Canavieiros pede uma palavra para os cooperados. Otimista, mas com uma visão da realidade que desenha cenários, Chico tem o domínio dos assuntos e negócios da cooperativa para fazer uma gestão sólida, transparente e que deve abrir novos horizontes. Durante a entrevista, fica claro que a Copercana vai manter sua filosofia de trabalho, mas não vai perder o foco no crescimento e na modernidade.
Confira!

Revista Canavieiros: Do ponto de vista econômico, 2020 foi um bom ano para a Copercana?
Francisco César Urenha: Sim, apesar de ter sido um ano diferente, foi um bom ano e superou as expectativas. No início da pandemia, ficamos muito ansiosos e preocupados com o que poderia acontecer, mas fomos surpreendidos. O agro como um todo se portou muito bem, foi acima até da expectativa criada em função do pessimismo da pandemia do começo do ano, então o resultado foi bom.

Revista Canavieiros: Quais foram os maiores desafios enfrentados pela gestão da cooperativa nesse ano?
Urenha: Nosso maior desafio foi de se socializar, as pessoas do agro estão acostumadas com o corpo a corpo e isso não foi possível. Os eventos foram cancelados, a nossa feira, por exemplo, foi online, e nós não estamos acostumados com isso. Era comum o cooperado nos abordando, trocando ideia e isso cessou, não teve as relações interpessoais até entre nós colaboradores, diretores, enfim, todos os profissionais da Copercana tiveram que viver uma nova realidade. Quando achamos que tudo ia melhorar, houve a piora com os aumentos de casos de Covid-19, novamente. Porém temos que pensar que tudo que passamos foi aprendizado para todos nós e esperamos que as coisas se ajeitem e voltem ao “normal”.

Revista Canavieiros: E quais foram os desafios do agro em meio à pandemia?
Urenha: O produtor rural já é conhecido pela sua resiliência diante das adversidades climáticas e também das mais graves crises econômicas e políticas. E diante da Covid-19, o agronegócio mostrou sua capacidade de regeneração e, cresceu, enquanto quase todos os outros setores foram fortemente afetados.
No início da pandemia, tudo era muito incerto. Nossa maior preocupação era com a saúde dos trabalhadores. A pergunta era como continuar produzindo para não haver desabastecimento alimentar, mas também preservar os profissionais que estavam na linha de frente da produção? Uma pandemia como essa deixa tristeza e perdas, mas também traz ensinamentos. O comércio eletrônico veio para ficar e o produtor viu que precisa ter uma gestão profissionalizada.
O “novo normal” do agronegócio brasileiro deve continuar protagonista no cenário mundial. Mas, para isso, será preciso continuar investindo em tecnologia e gestão. A internet colocou o agro mais perto do consumidor final. E esse é um consumidor que associa o alimento à saúde, quer saber como tudo é produzido. Então isso abre mais espaço para as questões socioambientais, para à sustentabilidade. O que eu quero dizer com tudo isso é que já temos um novo desafio.
Por fim acredito que a forte demanda internacional e o real desvalorizado foram determinantes para o sucesso do agro na pandemia, tornando o preço das commodities nacionais muito atrativos e incentivando nossa agroindústria a aumentar a produtividade e em consequência os ganhos.

Revista Canavieiros: Em 2020 foi lançado o projeto Copercana Sustentável. Quais são os objetivos desse projeto e quais serão os próximos passos?
Urenha: A Copercana já atuava em projetos sociais, culturais, ambientais e econômicos nas cidades onde há negócios. Ou seja, já participávamos da vida da comunidade nesses âmbitos. O que nós pensamos foi juntar tudo isso e criar um selo, organizado de uma forma que a gente pudesse mostrar de fato tudo que fazemos nas comunidades onde atuamos. A Copercana não está nas cidades participando apenas da vida econômica delas, mas da vida social, cultural e ambiental. A ideia é nos integrarmos ainda mais nessas comunidades. Esse trabalho também vai agregar valor aos nossos produtos. Já temos o selo da Abrinq, estamos com uma consultoria para conseguir outros selos, porque essas conquistas vão abrir os horizontes e trazer bons frutos para a Copercana.

Revista Canavieiros: A Copercana também adquiriu novas unidades e reformou outras durante o ano passado. Fale um pouco sobre isso, por favor.
Urenha: Quando essa diretoria assumiu a gestão, a Copercana já vinha em um ritmo forte de expansão. A ideia é manter esse ritmo de investimentos e até ampliar quando possível. O que a gente quer é colocar todas as nossas lojas no mesmo layout, modernas, com um ambiente bastante arejado, agradável, de tal forma que os clientes quando entrarem em uma loja da Copercana, nos supermercados ou mesmo nos postos de combustíveis, vão identificar imediatamente que é da Copercana. A aquisição da unidade de grãos em Guaíra foi por conta de uma expansão que fizemos na área de soja e surgiu a oportunidade para fecharmos o negócio. Estamos ampliando o beneficiamento de amendoim na unidade da antiga Usina Albertina, também com investimento de volume expressivo e outros negócios em vista que ainda não se concretizaram, mas que no futuro a gente tem bastante fé que vai dar certo.

Revista Canavieiros: Quais são os próximos passos da diretoria em 2021?
Urenha: Nosso planejamento é bem sólido, fazemos tudo com bastante segurança. O planejamento é continuar crescendo e é continuar oferecendo para os nossos cooperados serviços e produtos a preços competitivos e a prazo justo. Queremos manter a filosofia da Copercana e melhorar na medida do possível.

Revista Canavieiros: Como serão os negócios da cooperativa em 2021? Acredita em um bom ano para os produtores rurais, tanto de cana, como de soja e amendoim?
Urenha: A expectativa é boa, tudo sinaliza que será um bom ano. Do ponto de vista econômico parece que vai ser bom, vamos ver do ponto de vista agrícola, já que lidamos com as instabilidades climáticas.

Revista Canavieiros: Com a entrada do SAP em funcionamento na cooperativa, o que deve melhorar para o cooperado?
Urenha: A ideia da implantação do SAP é modernizar a cooperativa. Além de tornarmos mais eficiente todos os nossos processos internos, vamos colocar a cooperativa na palma da mão do cooperado. A ideia é essa, ser mais transparente, mais moderno e mais efetivo.

Revista Canavieiros: A tecnologia está cada vez mais perto do produtor rural?
Urenha: A transformação digital alinhada com a agricultura de precisão, o uso de drones e GPS, enfim, estamos na era da agricultura 4.0, que reúne aspectos como a gestão baseada em dados, novas ferramentas e técnicas para produção, sustentabilidade e profissionalização da mão-de-obra. O produtor está adotando recursos computacionais de alto nível tecnológico, comunicação entre equipamentos, sensores nas máquinas, técnicas de análise e conectividade entre dispositivos móveis para gerar e processar um enorme volume de dados que servirão de base para a tomada de decisões. Tudo isso contribui para melhorar a produtividade vertical das lavouras.

Revista Canavieiros: E para os cooperados, o que você quer falar?
Urenha: A mensagem que eu quero deixar é que a gente precisa ter fé. Temos que ter fé naquilo que fazemos, ter perseverança, acreditar no agro que vem sustentando o Brasil. A balança comercial do agro é sempre positiva, estamos superando todas as dificuldades, sejam elas governamentais ou não. Temos que manter a fé e acreditar que vamos superar a pandemia esse ano, se Deus quiser, vamos ter retomada. E o mais importante: contêm com a Copercana para aquilo que precisarem. Estamos aqui à disposição para atendê-los da melhor maneira possível.