atendimento@revistacanavieiros.com.br (16) 3946-3300

Usina Batatais deve moer mais de 3,8 milhões de toneladas de cana-de-açúcar na safra 2013/2014

19/03/2013 Cana-de-Açúcar POR: ComTexto Comunicação
A Usina Batatais estima que a moagem da safra 2013/2014, iniciada ontem, seja de 3,850 milhões de toneladas de cana-de-açúcar. O número representa um aumento de 10% em relação à última safra, em que foram moídas 3,5 milhões de toneladas. Para o grupo, composto pelas unidades de Batatais e Lins, o crescimento esperado da moagem é de 24%.
 
Nesta safra, deverão ser produzidos 286 mil toneladas de açúcar e 131 mil metros cúbicos de etanol. Dessa forma, o mix de produção na Usina Batatais será de 58% de açúcar e 42% de etanol. Considerando também a produção esperada para a filial Usina Lins, a proporção é de 51% de açúcar e 49% de etanol.
 
Na Usina Batatais, 98% do processo de colheita é mecanizado e 97% do plantio é realizado com máquinas. A previsão de término da safra em Batatais é 09 de dezembro, totalizando 274 dias.
 
Mantendo-se como a maior empregadora privada do município de Batatais, neste período serão oferecidos 2.200 empregos, entre funcionários e prestadores diretos.  Considerando também a Usina Lins, são contratados 3.740 profissionais nas mais diversas atividades das áreas Agrícola, de Manutenção Automotiva, Industrial e Administrativa. A empresa calcula recolher durante a nova safra, em suas duas unidades, R$ 43,5 milhões de impostos.
 
O clima nos últimos meses apresentou comportamento dentro das médias históricas, o que possibilitou o desenvolvimento normal dos canaviais e a realização das atividades de plantio, de acordo com o planejamento.
 
A preocupação com o meio ambiente está dentre as prioridades da empresa, que desde a safra 2011/2012 já investiu mais de R$ 13 milhões em projetos de reaproveitamento de água, tratamento e destinação adequada de esgoto e resíduos sólidos e redução de emissão de material particulado durante a queima nas caldeiras, em suas duas unidades.
O compromisso com a sustentabilidade também está evidenciado no Programa de Reflorestamento da Usina Batatais e da Usina Lins já completou até 2012, o plantio de 1,6 milhão de mudas de árvores em margens e nascentes de rios em fazendas que a empresa utiliza para plantio, incluindo áreas próprias e de parcerias, totalizando um investimento de R$ 8,6 milhões. Essas regiões são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs) e são protegidas por lei, até como necessidade de preservação da própria vida humana.
A iniciativa tem a parceria da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (Esalq/USP) e prevê o reflorestamento de uma área de 1.120 hectares na região de Batatais (SP) até 2016. Na região de Lins (SP), serão mais 1.200 hectares até 2020. Essas duas áreas que serão recuperadas equivalem a 3.300 campos de futebol.
A Esalq acompanha o projeto e indica as espécies mais adequadas e a forma em que as árvores serão plantadas. O monitoramento das áreas reflorestadas é acompanhado por técnicos das usinas e da universidade. Das 200 mil mudas plantadas anualmente em Batatais, 150 mil são de um viveiro próprio e 50 mil são compradas de instituições beneficentes do município. Em Lins, as cerca de 200 mil mudas plantadas anualmente são adquiridas.